Tales of Herding Gods – Capítulo 44

91
Tales of Herding Gods - Capítulo 43
Tales of Herding Gods - Capítulo 45

Tradução: Denn | Revisão: Denn

Patriarca do Culto do Diabo Celestial

Os aldeões da mansão Zhang se amontoaram e um deles imediatamente disse: “O vigia noturno havia acabado de morrer!”

O ancião ponderou por um minuto e perguntou: “O corpo do vigia noturno foi enterrado? Ele provavelmente é um demônio e seu corpo pode se transformar em um zumbi.”

Os moradores da mansão Zhang ficaram chocados e imediatamente levaram as duas pessoas ao túmulo do vigia noturno: “Acabamos de enterrá-lo ontem, dois veneráveis​​…”

O ancião apontou o dedo para a frente e a terra no túmulo se separou em dois lados. Um caixão fino se levantou da cova e flutuou na frente de todos.

Pop! Pop! Pop!

Os pregos do caixão saíram automaticamente um por um e a tampa do caixão foi levantada. Quando o caixão caiu de novo na cova, o corpo do vigia noturno continuou flutuando no ar, com o rosto coberto por uma bandeira branca.

Recuperando a bandeira branca para inspeção, o velho e o jovem monge se entreolharam e balançaram a cabeça silenciosamente. O ancião cantou um encantamento e apontou o dedo para o corpo mais uma vez, fazendo com que o corpo do vigia noturno explodisse instantaneamente em chamas, transformando-se em cinzas em pouco tempo.

Os moradores imediatamente agradeceram, oferecendo ouro e prata como recompensa. O jovem imediatamente apertou sua mão, mas o ancião disse: “Não merecemos a recompensa por não fazer nada, mas se fizermos uma ação meritória, teremos que receber a recompensa. Aceite isso.”

Os jovens então mantiveram a recompensa. O ancião então perguntou: “Onde está o jovem que matou a enorme cobra? Quem eram os que o cercavam?”

“Eles são da vila dos idosos com deficiência. Com ele estão Cego e Vovó Si. Seguindo o rio acima, você pode encontrar a vila a cerca de 24 quilômetros daqui.”

O ancião agradeceu e eles deixaram a mansão Zhang para viajar rio acima.

Depois de caminhar alguns quilômetros, o ancião suspirou: “A morte é como uma lâmpada extinta. A lâmpada do Mestre do Salão Mo foi extinta. Naquela noite, o vigia era nosso Mestre do Salão Mo. Ele seguiu o caminho errado enquanto cultivava a Técnica Pre-celestial da Liberdade e usava bebês para o cultivo. Mesmo que ele merecesse a morte, ele ainda era um mestre do nosso culto sagrado. Quem o matou pare ser o Deus da Lança, que havia pregado sua alma e corpo até a morte. Na bandeira branca há marcas de espadas, o que significava que antes que o Mestre Mo conhecesse o Deus da Lança, ele a conhecera também, a Senhora do Culto.

O jovem ouviu em silêncio.

O ancião continuou: A Senhora do Culto sempre foi misteriosa e ilusória. Depois de se esconderem nas Grandes Ruínas, os especialistas do nosso culto sagrado a procuraram sem sucesso. Nunca esperaria que o Mestre do Salão Mo a conhecesse aqui. Patriarca, não perdemos nosso tempo aqui.”

O jovem abriu a boca e uma voz extremamente velha, mas poderosa, soou: “Depois que a Senhora do Culto matou o Mestre do Culto e roubou a Grande Escritura Educacional do Diabo Celestial, a Bíblia Sagrada do nosso culto, ela desapareceu por quarenta anos. Que pena que tivemos que procurá-la nos últimos quarenta anos; finalmente a encontramos.”

***

Na manhã seguinte, na vila dos idosos com deficiência, Boticário levou o Chefe da Vila até a entrada da vila após o café da manhã e preparou um bule de chá antes de ouvir os gritos do dragão galinha na vila.

“A galinha botou seu ovo, Mu’er, vá pegar o ovo no galinheiro.”

Vovó Si apressou Mu’er para pegar o ovo e, assim que Qin Mu entrou no galinheiro, ele foi perseguido pelo dragão galinha depois de ficar com o rosto sangrando.

O dragão galinha era extremamente feroz e podia cuspir uma cobra de fogo que tinha vários metros de comprimento. Suas penas eram afiadas como lâminas e suas garras podiam amassar metal como lama. Lutando algumas rodadas com a galinha, Qin Mu percebeu que não era seu oponente e fugiu.

“Mu’er, você nem tem forças para subjugar uma galinha?” Açougueiro viu Qin Mu sendo perseguido por toda a vila pelo dragão galinha e rugiu de rir.

A vovó Si aproveitou a chance para arrebatar o ovo e, quando o dragão galinha não conseguiu alcançar Qin Mu, voltou ao seu galinheiro de maneira arrogante apenas para descobrir que seu ovo havia desaparecido. Entrando em fúria, foi atrás do jovem novamente para espancá-lo.

Após a comoção, Qin Mu levantou seu espírito e varreu toda a depressão adquirida ao ser derrotado pelo dragão galinha. Amarrando a faca de abate de porcos nas costas, ele colocou uma bainha de espada, um enorme martelo de ferro, seu cajado khakkhara e enfiou uma pílula de reforço de vitalidade nos bolsos antes de deixar a vila com entusiasmo.

Era a primeira vez que saía para caçar sozinho e Qin Mu estava esperando para sempre por esse dia. No entanto, ele estava um pouco deprimido depois de ser espancado pelo dragão galinha.

Ao sair da vila, ele viu um jovem e um ancião caminhando em direção à vila como dois devotos errantes.

Os jovens e o ancião chegaram ao portão da vila, cumprimentando o Chefe da Vila e o Boticário que estavam bebendo chá ali, perguntando: “Podemos pedir uma xícara de chá?”

O Chefe da Vila ergueu as sobrancelhas e respondeu: “Como podemos negligenciar nossos visitantes de longe?”

O Boticário serviu duas xícaras de chá para os jovens e os idosos, quando ambos se sentaram. O jovem sentou-se na frente do Chefe da Vila enquanto o ancião sentou ao lado.

“Este foi o jovem que matou a cobra?” O ancião olhou agradavelmente para Qin Mu e sorriu.

Qin Mu estava prestes a dizer algo quando o Chefe da Vila interrompeu: “Mu’er, não é da sua conta estar aqui. Vá fazer suas próprias coisas.”

Qin Mu assentiu e caminhou em direção à floresta.

Quando Qin Mu se afastou, o jovem em frente ao Chefe da Vila abriu a boca e falou com uma voz extremamente antiga: “Já nos conhecemos antes, estou certo?”

O Chefe da Vila assentiu com a cabeça: “Sim, já nos conhecemos.”

O jovem revelou um sorriso: “Não restam muitas pessoas da nossa geração. Estou muito feliz por poder conhecê-lo.”

“Eu poderia dizer o mesmo.” Disse o Chefe da Vila, insípido.

O jovem sorriu: “Estou aqui para ver a vovó Si. Nosso culto não teve um Mestre do Culto nos últimos quarenta anos. A vovó Si terá que nos dar uma resposta.”

O Chefe da Vila balançou a cabeça: “Uma vez na vila, não temos vínculos com o mundo exterior.”

O olhar do jovem vacilou: “Não entrarei então. Você poderia convidá-la para mim? Eu tenho perguntas a fazer.”

O Chefe da Vila balançou a cabeça novamente: “Ela saiu.”

O ancião não conseguiu se conter e estava prestes a dizer algo quando o jovem levantou a mão para detê-lo: “Já esperamos quarenta anos, não há pressa agora. Ancião da Disciplina, como a Senhora do Culto não está aqui, chame os trabalhadores fortes para construir uma vila. Nós vamos ficar aqui a noite toda.”

O ancião curvou-se em concordância e um qi diabólico disparou para o céu para formar uma palavra gigante de “decreto”.

O jovem desfrutou lentamente de seu chá e, após duas horas, os moradores da Vila dos Idosos com Deficiência largaram o trabalho em mãos e saíram da vila, erguendo a cabeça para dar uma olhada.

Da floresta, gigantes, com músculos protuberantes, atravessaram a floresta, derrubando toda a árvore em seus caminhos. Todos os quatro gigantes carregavam uma estátua de pedra com eles e havia um total de quatro estátuas. Caminhando enquanto eles ofegavam, as pedras e as montanhas estavam achatadas como lama sob seus pés!

Os dezesseis rostos do gigante estavam corados, pois as estátuas de pedra eram obviamente incomparavelmente pesadas. Mesmo trabalhadores fortes como eles não foram capazes de lidar com eles.

Os dezesseis gigantes colocaram cuidadosamente as quatro estátuas nos cantos norte, sul, leste e oeste, ao lado da vila dos idosos com deficiência.

Não muito tempo depois, outro navio com vários conveses passou e parou ao lado do rio. Mais de cem carpinteiros desceram do navio e começaram a derrubar as árvores ao lado da vila dos idosos com deficiência e construíram as casas. Uma hora depois, casas de madeira foram logo construídas, com todas as peças de mobiliário necessárias. Os carpinteiros então voltaram para o navio e derrubaram todo o ouro, prata, utensílios domésticos e talheres. Eles então embarcaram no navio novamente e partiram.

Depois disso, outro navio entrou e alguns pintores desceram para pintar as casas e os móveis, saindo depois de terminados.

Outro navio de pedreiros chegou e começou a extrair pedras da montanha para esculpir estátuas de pedra e lajes de pedra para fazer pavimentos na vila, saindo depois de terminarem também.

Depois de algum tempo, um homem corpulento, de bigode encaracolado, correu, coberto de poeira e fez uma reverência: “Patriarca! Irmão Sênior da Disciplina.”

O ancião respondeu: “Guardião da Esquerda, a vila está pronta. Encontre um quarto para você.”

O homem corpulento de bigode encaracolado entrou na vila recém-construída ao lado da Vila dos Idosos com Deficiência e se estabeleceu em um dos quartos, sem emitir nenhum som.

Algum tempo depois, uma velha em roupas surradas apareceu e prestou seus respeitos aos jovens e aos anciões antes de se estabelecer em um dos quartos. Momentos depois, outro pescador desceu em um esquife feito de um pedaço de folha. Ancorando seu esquife à beira do rio, ele se estabeleceu na vila com sua cesta de pesca e vara.

Pouco tempo depois, mais e mais pessoas estranhas começaram a entrar na vila. Alguns deles eram sacos de dinheiro e outros eram comerciantes, outros pareciam eruditos, professores e até prostitutas. Havia várias pessoas de todos os tipos de profissões.

A expressão do velho Ma ficou grave e baixou a voz: “Existem trezentos e sessenta profissões no Culto do Diabo Celestial que formaram trezentos e sessenta salões e mestres. Todos eles eram extremamente misteriosos e estavam escondidos em todo o mundo. Quem pensaria que todos os trezentos e sessenta mestres do salão haviam entrado nas Grandes Ruínas nos últimos quarenta anos para procurar a Senhora do Culto. Receio que todos venham ficar aqui ao nosso lado!”

O sorriso no rosto de Aleijado ficou ainda mais radiante quando ele riu. “Cadê a vovó Si? Essas pessoas estão procurando por ela!”

Surdo respondeu: “Vi a vovó se transformando em uma cervo e deixando a vila antes de Qin Mu. Eu acho que ela se preocupou com Mu’er caçando sozinho, portanto, ela o está escoltando secretamente. Receio que ela ainda não tenha ideia de que o Culto do Diabo Celestial havia chegado até aqui. O Culto do Diabo Celestial quase mudou todo o culto para o nosso lado!

***

Qin Mu caminhou fundo na floresta e nas montanhas e depois de um tempo, um cervo correu enquanto olhava em volta, incapaz de encontrar qualquer vestígio de Qin Mu. No momento em que o cervo ficou perplexo, Qin Mu pulou da árvore e sorriu: “Vovó, já que eu deveria estar caçando sozinha, você se importa de voltar? Eu sou capaz de me cuidar.”

O cervo ficou com raiva e repreendeu: “Patife, tome cuidado para não morrer lá fora!” Ela então sacudiu o rabinho e saiu correndo.

Qin Mu continuou a avançar e viu um mamute lanoso bebendo água ao lado de um lago pouco tempo depois. “Vovó, eu sou realmente capaz de me cuidar. Não há necessidade de você me seguir.”

O mamute lanoso ficou furioso e começou a pisar em sua direção. Qin Mu circulou seu qi vital e sacou sua Faca de Abate de Porcos com uma intenção assassina: “Como você não é vovó, então morra!”

O mamute lanoso imediatamente se virou e fugiu enquanto o repreendia na linguagem humana: “Você vai matar a vovó. Prepare-se para uma surra quando voltar!”

Qin Mu balançou a cabeça e andou mais duas milhas adiante, antes de impotente levantar a cabeça para um enorme pássaro no céu: “Vovó, não há realmente nenhuma necessidade de me seguir.”

O pássaro enorme olhou para ele e permaneceu imóvel enquanto circulava continuamente em cima dele.

Qin Mu olhou vacilante e pegou um monte de pedras, lançando-as para o céu. As pedras no céu tinham altura diferente, permitindo que Qin Mu as usasse como escadas para pular para cima até que ele estivesse ao lado do pássaro.

O pássaro enorme falou de repente: “Tudo bem, tudo bem, eu não vou mais segui-lo!” Quando ela terminou de dizer, bateu as asas e voou para longe.

Qin Mu caiu no chão com um baque enquanto as duas pernas afundavam profundamente na lama. Erguendo a cabeça, o pássaro no céu desapareceu sem deixar rasto.

“A vovó provavelmente ainda me seguiria.”

Qin Mu reparou nos arredores e não descobriu nada anormal, então continuou alguns quilômetros adiante. À sua frente havia uma cachoeira com uma boa paisagem. Ao lado da cachoeira havia uma cabana de palha e do lado de fora havia uma estátua de pedra inclinada que estava meio enterrada no chão.

Viu-se fumaça saindo da cabana de palha que mostrava que alguém morava aqui.

“Como ainda existem pessoas vivendo aqui em tal deserto? Poderia ser um especialista idoso escondido em reclusão aqui?”

Assim que ele pensou sobre isso, ele viu uma raposa branca saindo da cabana de palha para pegar um tubo de bambu antes de voltar para a cabana.

[Denn – E o Culto do Diabo Celestial finalmente apareceu huahauhua]


[Não esqueçam de comentar e recomendar]

[Leiam BEYOND?! O Denn finalizou a novel!]

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!

Tales of Herding Gods - Capítulo 43
Tales of Herding Gods - Capítulo 45