Tales of Herding Gods – Capítulo 104

206
Tales of Herding Gods - Capítulo 103
Tales of Herding Gods - Capítulo 105

Tradução: Denn | Revisão: Denn

Bandidos saindo da Vila

A vovó Si se virou e piscou os olhos inocentemente: “Quem está deixando a vila?”

Chefe da Vila sorriu: “Posso ser leigo, mas também sei a intenção de uma música quando ouço uma. Você não come e dorme bem nos últimos dias, portanto, naturalmente, não pode mais ficar aqui e definitivamente quer ir encontrar Mu’er.”

Irritada, a vovó Si retrucou: “Você até viu isso. Estou indo embora, não vou mais ficar aqui!”

O Boticário tossiu e disse: “Se você sair da vila, quem o ajudará a reprimir o diabo em seu coração? Por estarmos aqui no passado, o espírito primordial do Mestre do Culto Li não ousou ser insolente. Se você for embora, receio que não consiga suprimir o Mestre de Cult Li. O Mestre do Culto Li tem uma realização extremamente profunda no caminho do diabo e até se transformou em uma semente do diabo antes de morrer, plantando-se no seu Caminho do coração, vivendo no seu Caminho do coração, esperando constantemente para morder de volta. Se você não pode derrotá-lo ou reprimi-lo, ele vai morder e destruir seu espírito primordial e dominar seu corpo.”

O olhar da vovó Si vacilou: “Ele não vai dominar o meu corpo.”

“Porque ele te ama demais?”

O Boticário zombou: “É aí que você está errado. Ao assumir o seu corpo, ele renascerá com o seu corpo. Dessa forma, ele se tornaria você. O que ele ama não é você, mas sua concha; portanto, quando ele se torna você, ele pode amar a si mesmo. Ele é o diabo em seu coração e você também é o diabo em seu coração. Ao usar seu corpo para renascer, ele teria conquistado o diabo em seu coração. O Mestre do Culto Li está usando você para se controlar. Ele está tentando se tornar um deus.”

Vovó Si estremeceu e de repente sorriu: “Boticário, depois de dizer tanto, pode me ajudar a me livrar desse diabo no meu coração?”

O Boticário ficou em silêncio. O espírito primordial de Li Tianxing já havia sido plantado no Caminho do coração de Vovó Si e ele não tinha como se livrar dele. Não era só ele quem não conseguia se livrar disso, o Velho Ma, com suas habilidades budistas, também não conseguia se livrar. Até a espada do Chefe da Vila não conseguia se livrar do diabo em seu Caminho do coração.

A única que se livraria do diabo em seu coração era a própria vovó Si. Tudo o que eles podiam fazer era ajudar a vovó Si a reprimir o diabo em seu coração.

“Eu fiquei aqui por mais de quarenta anos, então qual é a utilidade de eu ficar se todos vocês não conseguem se livrar dele?”

A vovó Si carregou sua cesta e saiu sem virar a cabeça para trás. “Vou encontrar Mu’er. Estou sempre preocupado que ele fique com fome e frio ou seja intimidado por outras pessoas. Não se preocupe, se eu não puder suprimir o velho diabo Li, eu voltarei!”

O Chefe da Vila e o Boticário franziram o cenho.

Vovó Si carregou sua cesta e chegou à beira do rio. Ela convocou um transportador fluvial e embarcou nele, navegando rio abaixo.

Depois que a transportadora fluvial nadou 50 quilômetros rio abaixo, a vovó Si ficou subitamente atordoada quando viu um cego caminhando no rio com sua bengala. O rosto da vovó Si instantaneamente ficou preto e esticou a mão para pegar esse cego, colocando-o nas costas do Transportador do Rio. Ela então perguntou com raiva: “Cego, você está tentando me fazer ficar também?”

Cego olhou inexpressivo e sorriu. “Então é a vovó. Eu estava simplesmente andando sem ver pra onde estava indo, o que significa fazer você ficar?”

A vovó Si estava cética e perguntou: “Você não está tentando me impedir de sair da vila, correndo tão à frente de manhã cedo?”

Cego reclamou: “Você segue seu caminho e eu o meu. Por que eu preciso fazer você ficar? Isso mesmo, velha diaba, onde você está indo? Posso pegar uma carona de você?”

Vovó Si piscou os olhos embaçados e sorriu. “Eu estou indo para o Império da Paz Eterna. Você quer uma carona?”

Cego bateu palmas: “Eu também vou para o Império da Paz Eterna!”

Vovó Si olhou para ele com os olhos bem abertos. Olhando para o rosto inocente de Cego, Vovó Si zombou: “Para que você está indo para o Império da Paz Eterna?”

Cego respondeu com indiferença: “Meus olhos estão cegos, então vou encontrar a pessoa que cavou meus dois olhos e vou recuperar minha dignidade de volta.”

O coração da vovó Si deu um salto, e ela sorriu. “Pensei que você estivesse preocupada com a segurança de Mu’er e planejava ir ao Império da Paz Eterna para encontrá-lo. Então você cuidaria dos seus negócios.”

“Ele cresceu e, naturalmente, seria capaz de lidar com todos os tipos de mudanças.”

As palavras de Cego fizeram vovó secretamente envergonhada até que ela ouviu o que Cego continuou a dizer: “Não o encontrarei e, em vez disso, o observarei das sombras.”

Nesse momento, uma luz disparou no céu e, quando a vovó Si levantou a cabeça, a luz já havia desaparecido sem deixar vestígios. De repente, aquela luz disparou novamente e aterrissou na parte de trás do River Carrier com um swoosh. A figura de Aleijado apareceu quando ele olhou ressentido para as duas pessoas nas costas da fera.

Cego resmungou com raiva: “Aleijado, é assustador vê-lo correndo como um fantasma! O que você está fazendo?”

“Sair da vila para passear.”

[Denn – Cego perdido por não enxergar e o Cego vendo um Aleijado correndo é a melhor coisa desse capitulo kkkkkk]

Aleijado olhou em volta e perguntou: “Vocês já viram o Velho Ma? Eu não o vejo desde ontem. Ele não voltou ontem à noite.”

A Vovó Si ficou surpresa: “O Velho Ma não voltou? Ele sempre volta à vila pontualmente.”

Aleijado suspirou e disse: “Acho que ele também deve ter sentido falta de Mu’er e foi para o Império da Paz Eterna. Eu vou encontrá-lo. Esse velho saiu sem dizer uma palavra e eu vou questioná-lo por que. Por que ele teve que abandonar nossa amizade de muitos anos? Eu também vou dar uma olhada na minha perna…”

Cego zombou: “Você não está pensando em encontrar Mu’er?”

Aleijado respondeu friamente: “Eu sinto falta dele? Eu não sentiria falta dele! Ele é apenas um pirralho que foi pego por nós e tinha sido travesso e irritante desde que ele era pequeno. Há muito tempo que queria mandá-lo embora… Eee, olhe para frente! Aquele canalha na frente parece Açougueiro… É realmente Açougueiro!”

Um tempo depois, havia quatro pessoas na parte de trás do transportador fluvial. Claro, Açougueiro estava usando as mãos para se levantar. Os três se entreolharam enquanto Cego se apoiava com sua bengala de bambu e ouvia, no entanto, ninguém fazia barulho.

Vovó Si carregava sua cesta. Aleijado se apoiou na bengala e assobiou. Açougueiro pousou as duas mãos e as colocou nos quadris para olhar em volta.

Depois de algum tempo, Cego murmurou: “Além de nós quatro, o Velho Ma também fugiu, então apenas Boticário, Chefe da Vila, Surdo e Mudo são deixados na vila…”

“Mudo foi o primeiro a fugir.”

Açougueiro deu um grunhido e disse: “Antes que o Chefe da Vila e o Boticário acordassem, Mudo já havia fugido enquanto carregava um baú enorme. Saí para persegui-lo, mas não consegui alcançá-lo!”

Cego ficou atordoado e não sabia se ria ou chorava: “Nesse caso, apenas Surdo, Chefe da Vila e Boticário ficaram.”

Aleijado riu: “Não estamos sentindo falta de Mu’er. Todos nós temos nossos próprios negócios adequados para cuidar. Vou ao palácio imperial dar uma olhada na minha perna, para o caso de o Preceptor Imperial da Paz Eterna decidir mariná-la, grelhar e comer. Seria ruim se ele decidir transformá-la em presunto.”

Cego acenou com a cabeça. “Eu também tenho negócios adequados para cuidar. Eu preciso me vingar e recuperar os meus olhos.”

A Vovó Si também assentiu repetidamente e sorriu: “Como a Santa do Culto Sagrado da geração anterior, naturalmente terei que conhecer o Novo Mestre do Culto para sua ascensão ao poder.”

Açougueiro demorou um pouco para pensar em uma razão e disse: “Acho que a metade inferior do meu corpo poderia ter caído em algum lugar, vou precisar dar uma olhada. Ainda posso reconectá-lo.”

Todos os quatro suspiraram de alívio e falaram em uníssono: “Portanto, todos temos negócios adequados para cuidar!”

Na Vila dos Idosos com Deficiência, o Chefe da Vila e o Boticário sentavam-se na entrada da vila e bebiam o chá em silêncio. Depois de algum tempo, o Boticário disse: “Restam apenas quatro de nós na vila.”

“Boticário, o Velho Ma saiu ontem.”

O Chefe da Vila bebeu seu chá e continuou: “O temperamento deles ainda é ruim e eles não conseguem ficar quietos. Surdo ainda é o homem de grande erudição e eloquência, sendo capaz de manter a calma e a compos…”

Ele virou a cabeça e olhou inexpressivo para Surdo, que passavam por eles carregando uma cesta de bambu protegida do sol com um pano.

O Boticário não resistiu em perguntar: “Surdo, aonde você vai?”

Surdo não ouviu o que ele disse e continuou andando.

[Denn – De novo mano kkkk Surdo não ouviu kkkk pq eu rio dessas coisas bestas? Kkkkk]

“Esse desgraçado está fingindo não ouvir de novo!” O Boticário falou com raiva.

“Agora, restam apenas dois de nós na vila.”

O Chefe da Vila não sabia se ria ou chorava. De repente, ele perguntou: “Quando você vai embora?”

Boticário balançou a cabeça às pressas: “Como eu ousaria partir quando tenho tantos inimigos lá fora? O que me preocupa é que agora que todos os bandidos saíram, provavelmente causariam uma grande comoção. Os bandidos em nossa vila…”

O Chefe da Vila sorriu: “Deixe as pessoas do lado de fora sentirem dor de cabeça. Se você quiser sair, também pode sair. Vou ficar, cuidar da vila e esperar todos vocês voltarem.”

O Boticário hesitou por um momento e balançou a cabeça. “Eu só causaria mais problemas se eu fosse embora. Entre os bandidos em nossa vila, minha reputação é a pior…”

O Chefe da Vila disse com um meio sorriso: “Se não fosse o caso, você teria partido há muito tempo.”

Os dois se entreolharam e riram alto.

***

Na fronteira comum do Condado do Rio Represado e Tigre do Sol, Qin Mu levantou a cabeça e olhou para o sol da manhã. Com o qi vital do Pássaro Vermelho saindo de suas mãos, ele queimou as roupas que roubara do discípulo do Culto do Cadáver Imortal. Quanto à pele humana, ele já a jogara fora enquanto escapava. Ele ainda tinha alguns escrúpulos em usar a pele de outras pessoas. Além disso, ele também estava carregando uma mochila enorme e dentro havia todos os itens espalhados que a vovó Si havia preparado para ele. Ele não seria capaz de usar a pele humana ou então haveria um palpite enorme e seria fácil para as pessoas verem seu disfarce.

“O que está escondido no corcunda da vovó Si?” Um pensamento curioso surgiu na mente de Qin Mu.

Como ele carregava uma mochila, ele se tornaria um corcunda se usasse uma pele humana. Como vovó Si não era um corcunda de verdade, isso significava que definitivamente havia algo escondido dentro. Qin Mu estava muito curioso sobre quais itens estranhos e raros estariam escondidos lá dentro.

Depois de uma noite de fuga, ele não teve tempo para descansar e as repetidas e ferozes batalhas realmente o esgotaram. Hu Ling’er estava tão cansado que ela já havia adormecido dentro de sua mochila.

Uma rajada soprou e Qin Mu imediatamente alcançou a borda da rajada para viajar com o vento. No entanto, alguns passos depois, ele podia sentir a exaustão em seu corpo e só podia pousar de volta no chão para andar passivamente.

De repente, zumbidos vieram do céu e, olhando para a fonte do som, Qin Mu viu alguns besouros vermelhos voando em sua direção. Esses besouros pareciam não ter medo dos humanos enquanto circulavam perto dele.

“Besouros-cadáveres!”

Os cantos dos olhos de Qin Mu tremeram quando ele bocejou e murmurou para si mesmo: “Estou tão cansado. Eu deveria encontrar um lugar para dormir…”

Dando alguns movimentos com os dedos, os poucos besouros instantaneamente explodiram em pedaços!

Qin Mu imediatamente aumentou sua velocidade e se afastou.

Ele já viu esse tipo de besouro-cadáver na casa do Boticário. Havia besouros-cadáveres verdes e pretos, mas os besouros-cadáveres vermelhos eram os mais difíceis de conseguir. Esses besouros vermelhos que ele viu eram realmente os besouros-cadáveres!

E, neste momento, saiu mais som de zumbido. Levantando a cabeça para dar uma olhada, seu couro cabeludo ficou dormente quando viu uma nuvem vermelha indo em sua direção agressivamente!

Aquela nuvem vermelha voou mais e mais. De repente, os besouros vermelhos voaram para a floresta e entraram em vários túmulos. O chão dos montes heterogêneos tremia e esqueletos se arrastavam do chão, caminhando a passos largos para Qin Mu!

Mais besouros-cadáveres voaram e entraram nos corpos de animais selvagens, como lobos selvagens e tigres ferozes a caminho. Os olhos daqueles animais selvagens ficaram vermelhos de fúria e realmente atacaram Qin Mu!


[Denn – Só deu para postar um capítulo, pois estou de plantão hoje. Amanhã tem mais!]


Considere doar para a novel! Agora é possível doar por Paypal. No PayPal o processo é mais rápido e mais seguro! Doe o valor que desejar para a novel de sua escolha e quando o valor somado com o de outros doadores chegar a 5 reais, nós traduziremos mais 1 capítulo!

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!

Tales of Herding Gods - Capítulo 103
Tales of Herding Gods - Capítulo 105