Reborn: Evolving From Nothing – Capítulo 72

1468
Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 71
Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 73

🌞 Ative o Modo Noturno 🌚


Tradução: Denn | Revisão: The Careca


Uma Reunião de Proporções

Ao mesmo tempo em que Dorian se aproximava dos cadáveres dos humanos e vampiros mortos, com sua forma de lagarto bebê correndo pelo chão frio, muito longe dali, uma batalha épica estava prestes a chegar à sua conclusão.

O Planeta Menor de Tella era escassamente povoado e por boas razões. O mundo inteiro era dominado por um deserto imenso e varrido, com alguns grandes oásis espalhados. Este planeta estava sob o controle da Aliança Graal, uma aliança em larga escala de feras e humanoides semelhantes a animais que controlava cerca de 6.000 mundos.

Neste planeta, uma batalha havia sido travada há dias, de proporções tão devastadoras que o clima do mundo inteiro foi afetado.

Enormes tempestades giratórias dominavam o céu, crepitando com relâmpagos e trovões. Rajadas ferozes de vento levantaram tempestades de areia consideráveis, jogando o mundo no caos.

No lado norte do planeta, existia uma pequena cadeia de montanhas, com algumas centenas de montanhas se espalhando a esmo. As Montanhas Poll.

Estas montanhas se transformaram radicalmente na última semana.

Crateras enormes e escancaradas avistaram a terra, dezenas de montanhas foram completamente destruídas ou escavadas. Buracos enormes podiam ser vistos em algumas montanhas, enquanto outros tinham seus topos completamente arrancados.

Uma névoa de energia desenfreada cobriu a área, interagindo com o clima e criando tempestades e tornados perigosos.

No centro dessa cadeia montanhosa devastada, uma fera gigantesca podia ser vista, deitada no chão em silêncio. Uma essência branca se soltou dessa enorme criatura quando ela estremeceu, sua cabeça subiu lentamente.

Seu corpo era imenso, milhares e milhares de metros de comprimento. Tinha a forma de uma vasta e enorme cobra, com um ventre branco e escalado, mas com o pelo dourado cobrindo a metade superior. Um par de grandes asas brancas emplumadas emergia proeminentemente da parte superior de seu longo corpo, atualmente puxado com força. A boca e o rosto dessa criatura eram de natureza branca pálida e dracônica.

Um Quetzalcoatl celestial.

Um que foi tão gravemente ferido que foi incapaz de se mover e estava morrendo lentamente.

Os olhos da serpente emplumada se contraíram quando sua cabeça girou, focalizando uma criatura ao longe.

Um leão dourado de 50 metros de altura.

A Anomalia de Número Dois, Zero. :warning:

A linda juba do leão estava emaranhada e rasgada, coberta de longas rachaduras e queimaduras. Apesar disso, pequenas faíscas de luz fluíam confortavelmente, mantendo seu ar majestoso, e ele avançou com confiança.

Uma imagem fraca e incompleta de uma auréola, de cor branco vítreo, podia ser vista flutuando em torno de sua cabeça.

“Número Quatro. Seu desafio foi admirável e durou vários dias. Mas todas as coisas devem chegar ao fim.”

A voz de Zero estava calma e controlada, explodindo e sacudindo o ar enquanto ele falava. Ele começou a andar devagar para a frente, seus olhos se voltaram para a criatura lendária.

Quanto mais alta fosse a Linhagem, mais difícil seria absorvê-la pelo próprio sangue. Para Zero absorver o Quetzalcoatl Celestial, ele precisaria absorver a besta em massa depois de matá-la, roubando sua Matriz de Feitiços da Alma. Algumas criaturas da Classe Rei, como o Quetzalcoatl Celestial, nem mesmo sangravam, enquanto outras sangraram, mas precisariam de tanto sangue para formar uma linhagem completa que, essencialmente, exigiria sua morte, ou uma longa e contínua sessão de sangramento.

Mesmo assim, muitas linhagens de Classe Rei perderiam suas propriedades mágicas logo após deixarem o corpo, tornando-se inúteis. A concentração de poder e magia era simplesmente alta demais para que suas linhagens permanecessem autossuficientes depois de deixarem o corpo.

O Quetzalcoatl Celeste não respondeu, permanecendo em silêncio enquanto olhava para o Leão Dourado Divino em silêncio.

O leão suspirou.

“Eu entendo que sua visão sobre a perfeição requer silêncio. Eu também entendo que não serei capaz de convencê-lo a entregar sua vida de bom grado.”

Ele balançou a juba rasgada em silêncio.

“No entanto, eu ainda devo absorver você. Eu não posso alcançar a culminação da existência se eu deixar até mesmo uma única linhagem de sangue que o Pai presenteou o mundo passar por mim.”

Ele suspirou de novo, sua voz sincera.

“Eu sinto muito que tenha que ser assim.”

O leão inclinou a cabeça ligeiramente, ainda andando para a frente.

Parou a apenas algumas dezenas de metros da enorme serpente emplumada de milhares de metros de comprimento.

Assim como Zero estava prestes a dizer algo mais, algo completamente inesperado aconteceu.

Do nada, um macaco caiu no chão, entre o leão e a serpente moribunda.

Esse macaco era do tamanho de um humano comum. Ele tinha pelo castanho claro e usava um conjunto de calças vermelhas simples e sapatos marrons escuros. Um grande colar solto de pedras vermelhas, cada uma do tamanho de um pequeno punho, estava enrolado em volta do pescoço, e empunhava uma longa vara vermelha, com um quarto de metro em cada extremidade coberta de algum material místico e brilhante dourado.

Zero olhou para o macaco, parando.

O macaco olhou de volta.

O Quetzalcoatl Celestial também tentou olhar, mas ficou inconsciente, seus ferimentos internos forçaram-no para baixo.

O macaco falou.

“Temo que não possa deixar você matar essa besta, jovem leão.”

Sua voz era alegre e animada, desafiando a grave situação em questão.

“Porque se eu permitir, morrerei.”

 O macaco assentiu com a cabeça solenemente.

Zero fechou os olhos por um breve momento. Quando ele os abriu, eles brilhavam com uma poderosa luz branca. O ar ao redor de Zero começou a se distorcer, a realidade se contorceu enquanto uma enorme quantidade de energia cobria seu corpo.

“Nomeie-se, macaco.”

A voz de Zero estava cortando, a sensação de força e poder que rolava dele era como uma onda imparável de Aura.

O macaco sorriu. Uma auréola rica e azul se formou ao redor de sua cabeça enquanto ele ficava forte contra a pesada Aura, indiferente.

Ele retornou uma frase com 4 palavras.

“Eu sou Sun Wukong.”

Apenas falando aquelas 4 palavras, a Aura do Leão Dourado Divino, as trovoadas devastadoras e o clima que estava se aproximando, tudo congelou abruptamente, chegando a um silêncio. O planeta entrou em um estado de quietude mortal, o tempo se esvaiu.

Zero encarou Sun Wukong.

Um macaco que lutou contra o Rei Mago, e sozinho o forçou a um empate.

Uma besta nascida com uma habilidade divina nunca antes vista nos 30.000 mundos.

Os “Olhos de Deus”, um poder que lhe permitiu ver o melhor curso de ação possível em qualquer situação, em qualquer momento, e mostrou-lhe exatamente o que ele precisava fazer para segui-lo e ter sucesso, assim como as consequências e resultados. Uma habilidade que não apenas manipulou o Destino, mas permitiu que Sun Wukong enxergasse completamente o destino.

Sun Wukong, o Rei Macaco.

O Todo Poderoso Governante da Aliança Graal apareceu.

¤¤¤

Dorian bateu um dedo contra um dos cadáveres Grakon. O morto-vivo, agora morto, estava coberto de grandes queimaduras que cauterizavam seu corpo, derretendo as escamas duras que o revestiam. O cadáver estava muito mutilado, mas ainda era reconhecível como um Grakon.

“Ausra, a Matriz de Feitiços da Alma do Grakon ainda está presente?”

Ele perguntou mentalmente.

“Digitalização…”

“Não.”

Dorian piscou com a resposta inesperada. Normalmente, a Matriz de Feitiços da Alma de uma besta permaneceria presente após sua morte, pelo menos por vinte ou trinta minutos. Após esse período de tempo, a menos que fosse preservado com magia, a criatura seria obrigada a ter sua matriz dissipada.

Ele olhou para o cadáver, sem entender.

“Talvez o dano tenha sido muito grave?”

Se um corpo foi destruído o suficiente, a Matriz de Feitiços da Alma poderia desaparecer diretamente, sem ficar para trás.

Ele checou o resto dos Grakons e obteve o mesmo resultado estranho. As Matrizes de Feitiços da Alma, ou os restos lascados deles que deveriam estar presentes, foram todos embora.

Não foi um desperdício total, no entanto. Dorian conseguiu encontrar vários dos artefatos de espada mágica que os Grakons carregavam, perfeitamente intactos. Ele encontrou mais alguns que foram danificados, mas a maioria deles estava em boas condições. Ele rapidamente absorveu a energia de cada um deles, satisfeito com os resultados.

¤¤¤

[Lagarto da Rocha Solar – Estágio de Crescimento: (1/5) Bebê Lagarto]

[Progresso do Crescimento – 58.882/2.845]

¤¤¤

“Não é ruim.”

Os ganhos de energia estavam lá. Ele só tinha cerca de quinze minutos a mais até que ele pudesse trabalhar em Evoluir sua forma Lagarto da Rocha Solar.

Dorian correu para os humanos e vampiros abatidos. Eles estavam cobertos do mesmo tipo de queimaduras que os Grakons. Os ferimentos eram horríveis de se olhar.

Muito parecido com os Grakons, nenhuma de suas Matrizes de Feitiços da Alma permaneceu, uma esquisitice. No entanto, seus corpos ainda tinham sangue neles, e Dorian absorveu algumas de suas linhagens para checar.

Suas linhagens ainda estavam intactas, mas Dorian já tinha as espécies registradas, Vampiro Verdadeiro e Humano.

Quanto a artefatos, bolsas ou anéis espaciais, qualquer coisa que a eles parecessem tinha sido destruída na feroz batalha. Nenhuma de suas ferramentas era tão durável quanto as espadas mágicas que os Grakons mortos-vivos usavam.

Dorian inclinou a cabeça por um momento de silêncio em respeito a suas mortes, e então voltou para a estrada, indo em direção à Icicar.

Ele se moveu com cuidado, não querendo ultrapassar o grupo de Sombras que havia saído mais cedo. Apesar disso, ele mais uma vez começou a devorar a distância, sem avistá-los enquanto corria. Os Grakons mortos-vivos não prestaram atenção a um pequeno lagarto bebê como ele, dando-lhe um reinado essencialmente livre, desde que ele fosse cuidadoso.

Sua velocidade agora ultrapassava sua velocidade em sua forma Ifrit, apesar da grande diferença de tamanho e poder. Ele foi capaz de correr a toda velocidade aqui em sua pequena forma de lagarto, ao contrário de sua cuidadosa ronda como Ifrit.

Segundos se transformaram em minutos e logo os últimos 15 minutos se passaram.

“Período de adaptação da alma completo.”

Ausra prestativamente informou a ele, sua voz soava suavemente em sua mente.

A essa altura, Dorian conseguira cruzar a última distância que restava pela Grande Estrada, convenientemente pulando cerca de uns duzentos Grakons errantes. Quanto mais perto ele chegava da cidade, maiores os grupos de Grakons se movimentavam.

Ele não encontrou outras equipes de expedição. A maioria dos exploradores que partiam para Blizzaria ficava nos arredores dos sistemas de cavernas, explorando as ruínas exteriores. De acordo com o mapa que Dorian obtivera, havia muitas aldeias e cidades nas porções exteriores do Sistema de Cavernas, muitas delas repletas de tesouros naturais ou recursos raros, deixadas para trás pela raça caída ou geradas naturalmente por natureza.

“Tudo bem. Não me evolua ainda.”

Dorian ordenou enquanto olhava para frente. Ausra podia adiar a evolução dele por pelo menos um ou dois minutos, contanto que ele não trocasse de forma, embora fosse mais do que isso e ele precisasse gastar pontos de energia suprimindo seu crescimento.

Em pé à sua frente estava a saída da Grande Estrada e a entrada da Caverna do Gelo, onde a Cidade Icicar podia ser encontrada.

A Grande Estrada era uma passagem larga, aberta e longa da caverna. Saía em uma vasta caverna que se estendia por dezenas de quilômetros em várias direções, com longas estalagmites e estalactites dispersas por toda parte, criando uma enorme divisão aberta por aqueles pilares. Gelo e geada cobriam grandes porções do solo, assim como os cristais Pourmaline, iluminando a área.

A saída era apenas um buraco na parede, embora houvesse um buraco de quinhentos metros de largura e várias centenas de metros de altura na parede. Alguns Grakons podiam ser vistos em pé no meio do buraco, como se estivessem em guarda.

Dorian escapou do buraco subindo pelo lado da caverna, seu minúsculo corpo era praticamente indetectável. Ele avançou várias centenas de metros e, depois, a vários milhares de metros da saída, acabou encontrando um local mais seguro.

Uma coleção de ruínas de pedra, construída na parede da Caverna de Gelo, espalhou-se ao redor de Dorian quando ele se instalou, sentado em cima de um pequeno pilar de pedra danificado. Ele tirou o Anel Espacial que ele segurava, colocando-o no chão.

“Evolua-me agora, Ausra.”

Dorian ordenou, agora que ele estava fora de vista de qualquer inimigo em potencial.

“Evoluindo para o 2º…”

“Evoluindo para o 3º…”

“Evoluindo para o 4º estágio de crescimento.”

Ausra passou por três notificações enquanto respondia.

O corpo de Dorian imediatamente começou a se expandir, sua pequena forma de lagarto crescendo rapidamente em tamanho.

Suas escamas ganharam uma cor verde rica, lembrando sua forma Dragão Myyr. Pequenos espinhos apareceram em sua espinha, apontando para fora com bordas afiadas. Músculos começaram a se amontoar em seus braços e pernas, fazendo-o parecer mais um dragão feroz do que um lagarto.

Seu crescimento corporal mostrou a maior mudança. De um tamanho diminuto, pouco maior do que uma mão, para enormes cinco metros e meio, uma explosão de crescimento resultou quando ele se transformou. Uma cauda longa e semelhante a um chicote se formou, terminando em um pico afiado.

“Raaar.”

A garganta de Dorian roncou quando ele grunhiu baixinho, um som baixo e gutural. Ele sacudiu seu corpo, agarrando o Anel Espacial que ele colocou no chão.

O pilar de pedra em que ele estava sentado desabou ligeiramente, desmoronando no chão. Não era tão durável quanto a Grande Rota tinha era.

“Oh, eu posso falar?”

Dorian percebeu, seu sorriso era afiado quando ele sem querer assumiu um sorriso cruel. Um sorriso muito humano em um lagarto tão grande não poderia deixar de parecer aterrorizante.

“Raaaaaaar! Eu sou Reptar. Me ouça rugir!”

Ele imitou baixinho, aproveitando a nova forma.

¤¤¤

[Nova habilidade obtida]

[Habilidade: Laser Hyperion: Essa habilidade rara, encontrada em um número muito limitado de criaturas, permite que um ser crie energia hipercondensada no ar em uma esfera mortal de força bruta e, então, direcione essa energia em um feixe concentrado. O potencial destrutivo desta Habilidade depende da força e poder do usuário, e pode ser aumentado indefinidamente desde que o usuário continue hipercondensando a energia do ar.]

¤¤¤

“Já estava na hora.”

Dorian sorriu de prazer quando sentiu o conhecimento da habilidade se estabelecer nele. Esta era a única habilidade poderosa que o Lagarto da Rocha Solar tinha, mas que valeria a pena adquirir.

Desde que ele viu o Lagarto da Rocha Solar Mutante disparar o que era essencialmente um raio laser para ele em Taprisha, Dorian fez uma promessa mental de adquirir esse poder. Em parte, porque ele queria ser capaz de disparar raios laser também, mas também em parte porque estava impressionado com o quão forte era o ataque.

Combinava uniformemente com suas Chamas Esmeralda, que eram um tipo de fogo de dragão. Suas Chamas Esmeraldas eram limitadas no escopo, no entanto, enquanto o Laser Hyperion podia ser carregado e disparado a incríveis alturas de poder.

¤¤¤

[Lagarto da Rocha Solar – Estágio de Crescimento: (4/5) Lagarto Adulto Crescido]

[Progresso do Crescimento – 4.124/272.123]

¤¤¤

Dorian franziu as sobrancelhas quando viu a energia necessária para crescer o último estágio do Lagarto da Rocha Solar. Lembrou-se, então, que a besta era uma criatura do tipo Pseudo-Lorde com uma linhagem sanguínea que naturalmente alcançaria esse nível de poder.

Dorian nunca havia realmente adquirido uma linhagem que atingiu esse estágio. Todas as suas formas poderosas foram o resultado dele combinando e experimentando várias linhagens.

Quando ele combinava linhagens, ele só precisava gastar alguns milhares de pontos de energia para mesclá-las. Não importa o quão poderoso a Classe resultou, sua forma sempre seria completamente maximizada em termos de crescimento como resultado de sua exclusiva Matriz de Feitiços da Alma.

Ele encolheu os ombros. Ele terminaria de evoluir enquanto estivesse viajando, não era uma preocupação. Ele já havia adquirido o poder mais importante da linhagem de sangue de qualquer maneira.

Dorian estalou os dedos, e imediatamente seu corpo mudou mais uma vez, encolhendo-se quando sua forma de Ifrit reapareceu.

Sua forma de Lagarto da Rocha Solar era poderosa, mas no final não era tão forte quanto sua forma Ifrit de Classe Lorde. Ele colocou seu Anel Espacial em seu dedo, virando os olhos para o oeste, em direção à cidade que ele mal conseguia distinguir à distância.

BOOOOOOOM!

Assim que Dorian estava prestes a partir, uma onda de choque retumbante sacudiu o ar ao lado dele, explodindo nele e jogando-o para trás.

Dorian se retorceu e caiu de cabeça para baixo enquanto voava uma dúzia de metros através das ruínas de pedra, esmagando-se em vários pilares de pedra e destruindo-os. Fragmentos de rocha e gelo caíram no ar, atingindo-o quando ele desceu.

“Que diabos?”

Dorian agilmente torceu o corpo enquanto se forçava a aterrissar, enterrando a mão direita no chão. Ele rasgou um pequeno buraco na terra de pedra quando ele parou, olhando para cima em choque.

As ruínas nas quais Dorian estava descansando foram construídas no lado da enorme caverna, bem ao lado de uma das muitas passagens grandes que levavam a ela.

De pé nesta passagem estava a maior criatura que Dorian já vira.

Um esqueleto de um braço, coberto de gelo, tinha cerca de 220 metros de altura, incrivelmente gigantesco e que Dorian não conseguia distinguir claramente a cabeça da criatura. Tudo o que ele podia ver era uma coleção de longos chifres pontudos e um estranho brilho azul que emanava dos olhos da criatura.

Empunhada em seu único braço havia uma lâmina negra extraordinariamente grande, com pelo menos 100 metros de comprimento e meia dúzia de metros de largura, que havia sido jogada no chão dentro das ruínas. A onda de choque resultante do impacto fez Dorian voar.

¤¤¤

[Espécie: Gigante de Quatro Chifres Variante (dessecado)]

[Classe: Classe Rei (Baixo)]

[Nível Máximo de Energia: 2.458.882]

¤¤¤

Os olhos de Dorian se arregalaram quando ele olhou para o ser morto-vivo, seu corpo inteiro congelou, sem se atrever a se mover. Ele inspirou pesadamente, um brilho de suor cobriu a testa de sua forma Ifrit, enquanto ele colocava tudo o que tinha em se tornar o mais invisível e imperceptível possível.

O enorme esqueleto tinha feito uma parada. Sua cabeça se moveu levemente quando se virou, olhando para baixo na direção de Dorian. O brilho azul de seus olhos era claramente visível para Dorian, assim como a coleção de grandes chifres em sua cabeça, dando-lhe uma aparência levemente demoníaca. As costas da criatura pareciam estar completamente cobertas de gelo, assim como partes de seu peito e pernas.

Dorian sentiu seu coração parecer se quebrar quando olhou para ele.

Depois de uma fração de segundo, o Gigante se virou, sua atenção focada na cidade ao longe.

Começou a avançar, seus movimentos surpreendentemente silenciosos por um ser tão grande que se afastou, seguindo em direção à cidade ao longe.

[Careca – Quem viu a referencia viu, quem não viu ainda vai ver uma hora!]

[Não esqueçam de comentar e recomendar]

[Não esqueçam de se INSCREVER NO CANAL e acompanhar nossos vídeos]

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!

Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 71
Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 73
COMPARTILHAR
Leitor inveterado Veterano na fundação da internet: "na minha época, isso tudo aqui era mato" Traduz, revisa, erra, conserta e ri.