Reborn: Evolving From Nothing – Capítulo 63

1111
Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 62
Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 64

🌞 Ative o Modo Noturno 🌚

       

Tradução: Denn | Revisão: The Careca


Identidade

“Então você não sabe o que é?”

Dorian deixou de lado alguns galhos cinzentos enquanto corria pela densa floresta, seus olhos se moviam à frente dele.

Uma hora se passou. Eles lutaram várias vezes, com Helena lhe dando conselhos sólidos e dicas sobre como se proteger e se manter em combate. Muitos dos conceitos que ela compartilhou com ele se concentraram em estar ciente de seu entorno, em como responder ou reagir adequadamente a um inimigo atacando de uma determinada maneira, ou outros tópicos mais detalhados.

Embora eles só tenham brigado por uma hora, Dorian havia absorvido todo o conhecimento que ela compartilhava.

Algumas das coisas que ela ensinou nem sempre se aplicavam. Por exemplo, em sua forma Dragão Myyr Gigante, ele seria incapaz de agilmente usar footwork para evitar um golpe. Ele não tinha dúvidas de que ele pegaria algumas outras formas maiores com o passar do tempo.:speech_balloon:

Ainda assim, esta foi a primeira vez que ele teve alguma prática ou ensinamento em relação ao combate. Ele já se sentia mais duro.

Ele também experimentou usar mais sua vontade de torcer o destino.

Parecia que essa era a habilidade inerente que sua alma única lhe dava. Havia certas desvantagens: por exemplo, era mais fácil rastreá-lo pelo destino. Mas as vantagens pareciam valer a pena.

Apenas usando sua vontade, a realidade se inclinaria ao longo de seus desejos.

Durante o combate com Helena, três vezes ele conseguiu escapar de um ataque que ela enviou. A primeira vez lhe custou quase 100 pontos de energia, enquanto a segunda levou cerca de 130 e a terceira em torno de 280.

Seu primeiro ataque foi quase o mesmo que o segundo. Só que, quando percebeu que estava para errar, ajustara ligeiramente a trajetória de seu golpe. Ela ainda errou, mas custou a Dorian mais energia para fazê-la errar.

A mesma coisa aconteceu com o terceiro golpe, embora desta vez ela se esforçou mais.

A partir disso, Dorian aprendeu que a energia que ele precisava para mudar a realidade estava diretamente relacionada ao impacto que sua mudança teria.

“Não.”

Dorian respondeu, encolhendo os ombros.

“Eu fui trazido para este mundo a partir do nada. Eu não tenho pais de verdade aqui, nenhuma família de verdade, exceto os outros.”

Ele se abriu para ela, um pouco, enquanto eles viajavam mais profundamente na floresta.

Ele não se sentiu ameaçado por ela, e compartilhar um pouco sobre si mesmo e os outros não o incomodou. Ele decidiu manter o fato de que ele era da Terra em segredo. Qualquer coisa que não fosse de conhecimento comum para as outras Anomalias era algo que ele deveria manter em silêncio.

Havia muita magia estranha, quem sabe se alguém poderia espiá-lo de longe ou olhar para o passado.

“Oh!”

A resposta de Helena foi tranquila.

Dorian se abaixou sob um grande galho, seus olhos pegando um pequeno esquilo cinzento movendo-se ao longo de seu comprimento. O esquilo tinha um couro duro e cinza e parecia bastante feroz por seu pequeno tamanho.

Criaturas aqui no chão do oceano do nada eram mais fortes e mais perigosas do que a maioria das criaturas da superfície. Simplesmente sobreviver aqui exigia isso.

“E você, baixinha?”

Ele perguntou de volta, tirando os olhos do esquilo para olhar de volta para o vampiro.

Ela estava viajando ao lado dele enquanto caminhavam mais profundamente na floresta. Dorian queria testar suas novas habilidades em qualquer fera que o atacasse.

Ou, como ele estava secretamente esperando, um bando de ladrões. Ele poderia dispensar a justiça e obter alguma prática contra oponentes reais.

“Meus pais foram mortos quando eu era jovem.”

Ela falou despreocupadamente, como se não fosse um grande negócio. Uma pequena onda de emoção varreu sua voz enquanto ela falava, no entanto, desmentindo sua casualidade.

Dorian parou, seus olhos se arregalaram. Ele virou completamente ao redor.

Ela também havia parado, os olhos cheios de confusão.

Dorian se aproximou e deu-lhe um abraço.

Na fração de segundo antes que ele estivesse prestes a abraçá-la, sem o conhecimento de Dorian, seus braços ficaram embaçados como se ela estivesse prestes a arrancar sua garganta. No último instante, no entanto, ela parou, continuando a encará-lo, congelada.

“Eu sinto muito. Isso deve ter sido muito difícil.”

A emoção em sua voz deixou claro que os pensamentos ainda a doíam. Dorian fez a única coisa em que conseguiu pensar e abraçou-a.

Depois de um momento, ela o abraçou de volta, muito ligeiramente.

“A vida pode ser muito injusta.”

Ele a soltou, dando-lhe um aceno de cabeça,

“Mas você só precisa ficar duro com isso. Tenho certeza de que eles estão sorrindo lá de cima.”

O rosto de Helena era indecifrável enquanto ela olhava para ele. Depois de um momento, ela assentiu levemente, afastando os olhos.

Alguns segundos se passaram em silêncio enquanto eles continuavam a andar.

“Então, como é que você é tão boa lutadora?”

Dorian perguntou, depois de um tempo, quebrando o silêncio. Helena era incrivelmente habilidosa, da perspectiva leiga de Dorian. Ela parecia ter um entendimento inato de qualquer coisa relacionada ao combate.

Helena encolheu os ombros

“É porque eu preciso ser. Eu tenho um único objetivo nesta vida.”

Ela disse, sua voz começou a transbordar de paixão.

“E isso é para derrotar um certo homem.”

“Oh?”

Dorian disse, curioso

“Quem?”

“O homem mais próximo de se tornar um Deus.”

Helena começou, com os punhos cerrados enquanto falava.

“O mais forte Mago e Guerreiro, da existência.”

“O ser que feriu e cortou o caminho para a Ascendência de Lorde Marcus.”

Seus olhos brilharam de raiva.

“O Rei Louco Telmon.”

¤¤¤

“O que você acha Cassiera? Devo colocar o vaso aqui, ou aqui?”

Arthur Telmon, conhecido simplesmente como o Rei Mago Telmon, olhou para o grande vaso branco com um olhar preocupado. O desenho florido e ornamentado era simples, mas belo, e dava uma aura sagrada.

Seus olhos violetas brilhavam com uma luz estranha, enquanto sua mandíbula forte e nariz pequeno davam a ele uma aparência masculina e bonita. Uma longa cicatriz vermelha corria pelo comprimento da bochecha direita até o pescoço dele, completado por um conjunto de ombros musculosos. Uma pequena coroa de ouro descansava em sua cabeça.

A túnica branca que ele usava, adornada com uma insígnia de cor preta do livro de magias de um mago, estava atualmente bem fechado quando ele olhou ao redor do grande jardim em que estava, encolhendo os ombros.

Era um jardim extenso e místico. Centenas de árvores, arbustos e plantas exóticas formavam um caminho de pedra cinzenta, enchendo a área com uma sensação de magia e saúde. Ervas mágicas de todos os tipos atravancaram a área, uma verdadeira fortaleza de riqueza.

“Oh, sua Alteza…”

A forma magra de Cassiera estremeceu, o vestido azul apertado que ela usava acentuava suas curvas enquanto falava com adoração.

“Parece perfeito lá!”

Ela jorrou.

Telmon franziu a testa.

“Cassiera, eu ainda estou segurando.”

“Sim.”

Ela assentiu com a cabeça.

“Você é de fato, sua alteza. Seus olhos observadores estão afiados como sempre.”

Ela estava completamente séria.

Ele olhou para ela através dos olhos apertados.

“Que tal aqui?”

Ele colocou na outra mão.

“Perfeição.”

“Aqui?”

Ele colocou-o no joelho direito, segurando-o.

“Beleza não contada.”

“Aqui?”

Ele colocou em sua cabeça.

“Os deuses caídos abençoaram a sua sabedoria.”

Ele suspirou e pousou o vaso, olhando para ela.

“Você está apenas dizendo isso como uma desculpa para me elogiar?”

“Oh-o que, vossa Majestade!”

Cassiera corou enquanto falava, seus olhos correndo ao redor.

Ela era uma mulher incrivelmente inteligente, a líder do Departamento do Destino. Uma maga devota e poderosa e havia poucos táticos e espertos quanto ela. Isto é, se ela estivesse enfrentando alguém além de Telmon.

“Tudo bem, deixa pra lá.”

Ele balançou a cabeça, forçando-se a não sorrir. Ele pararia de provocá-la por agora.

Ele piscou, no entanto, congelando quando uma mensagem magicamente entrou em seus ouvidos.

Um sorriso sombrio vestiu seu rosto.

“Venha, Cassiera. Parece que o cadáver daquela Anomalia chegou.”

Um tempo atrás, um de seus magos morrera matando uma das anomalias invasoras. Desde então, as criaturas remanescentes causaram o caos e a destruição se espalhou pelos 30.000 mundos.

Eles ainda sabiam muito pouco sobre essas criaturas. Ter o cadáver para examinar poderia responder a muitas das perguntas que Telmon tinha.

Telmon casualmente acenou com a mão.

Em um instante, a realidade entortou e ele e Cassiera desapareceram, reaparecendo a vários quilômetros de distância em uma câmara grande e cinzenta.

Esta câmara estendia-se pelo menos a cem metros de comprimento, e várias centenas de largura, e tinha a forma de um grande retângulo. Foi escavado da terra, enterrado no solo, muitos quilômetros abaixo da superfície. Várias esferas grandes e brilhantes de luz decoravam os lados da câmara quase vazia, iluminando-a.

Um grande portal piscando podia ser visto em uma das extremidades da câmara. Deste portal, uma pequena tropa de magos pôde ser vista emergindo. Eles usavam uma estranha variedade de vestes coloridas, indicando vários departamentos. O Departamento de Ondas, o Departamento de Luz, o Departamento de Som, o Departamento de Gravidade e alguns outros. A maioria deles parecia ser de meia-idade ou mais velha, todos poderosos magos de Classe Lorde. Vários deles eram até mesmo da Classe Pseudo-Rei.

Havia muito poucos Magos de Classe Rei, mesmo para a gigantesca Autarquia de Borrel. Magos de Classe Lorde compunha a maior parte de suas forças.

“Sua Alteza.”

Um representante saiu do grupo de magos. Um Assistente de Classe Pseudo-Rei que Telmon reconheceu. Um membro idoso do Departamento de Gravidade, Gwentel Tolm. Ele tinha cabelos brancos curtos e uma barba pequena, sua figura avançava com orgulho.

“Meus pêsames sobre Antdre.”

Telmon começou.

Antdre era um dos Magos de Classe Lorde que haviam morrido contra o autodeclarado “Número Dois”, um temível Leão Dourado Divino que havia desaparecido desde então, uma das outras Anomalias pelas quais eles haviam perdido o controle. Telmon tinha uma memória impecável e lembrou que Gwentel era amigo dele. Ambos eram membros do Departamento de Gravidade.

“Ele teve a morte de um mago.”

O representante estava sombrio enquanto respondia com um tom de tristeza em sua voz. Ele continuou, sem parar, uma pitada de raiva em sua voz.

“Nós trouxemos com sucesso o cadáver da Anomalia caída.”

Gwentel acenou com a mão.

Imediatamente, um enorme cadáver apareceu no ar. Uma enorme criatura vagamente humanoide de trinta metros de altura. Seu corpo inteiro parecia ser feito de madeira enegrecida, coberto de centenas de marcas de queimaduras e cicatrizes. Seus longos braços estavam enegrecidos, mas cobertos com o que pareciam grandes placas de madeira. O rosto da criatura era quase inexistente. Em vez de ter características faciais, era apenas uma máscara vazia estranhamente inquietante. Sem olhos, sem boca, apenas uma lousa em branco.

Uma pequena coroa de madeira repousava sobre a cabeça, também parcialmente queimada.

A descrição exata de um antigo Gigante de Madeira Boorakian, um poderoso ser de Classe Lorde que pensava-se estar extinto.

“Entendo.”

Telmon olhou para ele, seus olhos eram frios. Petryon, o Mago Vulcânico de Classe Lorde, um homem com um futuro promissor, morrera para matar esta fera.

Ele piscou quando ele olhou para ele.

“Foi uma jornada difícil, mas conseguimos nos safar.”

Gwentel começou, mas foi cortado.

“Não está morto.”

Telmon acenou com a mão. O cadáver de madeira voou pelo ar, pousando a cerca de cem metros de distância deles. O corpo de Cassiera desapareceu quando ela se escondeu, obedecendo a um comando mental que Telmon enviou.

“Perdão?”

Gwentel olhou para ele confuso.

“Eu disse: não está morto.”

Telmon pulou no ar, sua voz relaxada.

Uma brilhante coroa branca apareceu, pairando ao redor da testa do Rei Mago. O ar ao redor dele permaneceu perfeitamente calmo e estável, nem uma sugestão de nada presente.

“Que tolice sua, anomalia.”

Um pequeno sorriso apareceu em seu rosto.

“De bom grado entregar-se a mim.”

Ele acenou com a mão novamente.

“Você vai esperar aí sem fazer nada? Ou…?”

Enquanto ele falava, um raio de energia branca disparou para a frente, com a intenção de explodir no gigantesco cadáver de madeira.

Gwentel e o resto dos Magos de Classe Lorde, todos olhavam confusos. Ao mesmo tempo, eles começaram a lançar várias magias defensivas, protegendo-se apenas por precaução.

No último segundo, o enorme cadáver de madeira estremeceu. Abruptamente, seu corpo se empurrou para trás, virando enquanto gargalhava.

“Ohhhh, hahahaha! Você viu através de mim! Hahaha! Que prazer!”

Sua voz era penetrante e estridente, um gemido irritante.

Enquanto falava, seu corpo começou a se transformar, a pele queimada se esvaindo, revelando um exterior liso de madeira marrom.

“Você não é um Gigante de Madeira Boorkiano, não é?”

Telmon respondeu, dobrando as mãos em silêncio.

“Hahaha, talvez sim, talvez não? Por que isso importa? O que é a perfeição sem um pouco de diversão?”

Ele riu enquanto falava. Depois que terminou de falar, bateu com o pé no chão, uma Aura incrivelmente densa saiu dela. A luz marrom brilhou, colorindo o ar ao redor.

“Eu, o Número Sete, mostrarei a diversão inerente à perfeição! Hahahaha!”

Sua voz assumiu uma ponta insana. Dezenas de milhares de raízes de madeira começaram a explodir de seu corpo, tremendo com um ar incrivelmente denso de poder.

Uma débil imagem marrom de uma coroa se formou ao redor da cabeça da imensa e enorme criatura de madeira.

“Classe Pseudo-Angelical!”

O rosto de Gwentel empalideceu enquanto ele olhava em choque, seu corpo ficou embaçado enquanto ele recuava para o portal. Era um fato bem conhecido que se um humano enfrentasse uma poderosa linhagem sanguínea da mesma Classe, seria facilmente trucidado.

Os corpos da maioria das bestas eram simplesmente muito, muito fortes quando comparados com a humanidade. Mesmo com magia para compensar, as poderosas habilidades que a maioria das criaturas tornavam uma batalha difícil.

Uma Fera de Classe Pseudo-Angelical era considerada uma partida para um Mago Humano de Classe Angelical.

“Você é poderoso, Rei Mago, segundo o que eu ouvi! Vamos ter uma batalha muito divertida! Hahahaha!”

Os tentáculos de madeira começaram a rasgar-se no espaço enquanto disparavam em direção a Telmon. Surgiram fraturas espaciais, distorcendo a visão de todos os presentes. A aura que envolvia a madeira era corrosiva, dolorosa de se olhar.

Telmon balançou a cabeça,

“Arrogância.”

Ele estalou os dedos.

Imediatamente, uma barreira invisível apareceu ao redor dele. Quando os milhares de tentáculos se chocaram contra essa barreira, eles olharam para fora, as fraturas espaciais se contorcendo e caindo fora da existência.

“Eu vou compartilhar algo divertido com você, meu amigo tolo.”

Ele sorriu.

“Através da minha pesquisa, fiz várias descobertas e estabeleci centenas de teorias. Uma dessas teorias é sobre a própria existência.”

“E minha firme convicção diz que tudo o que existe é composto de pequenas partículas minúsculas. Cada coisa, de você e sua forma, para mim e de minha forma.”

“Tudo na realidade pode ser destacado e reduzido a uma coleção de números e dados, representando o todo. Minúsculas e minúsculas partículas, movendo-se com propósito e energia.”

A essa altura, os milhares de tentáculos de madeira haviam sido completados refletidos na barreira invisível que protegia Telmon. Eles, em vez disso, começaram a cercá-lo, centenas de rachaduras espaciais rasgaram a própria realidade enquanto tentavam chover sobre ele.

Os outros magos tinham há muito tempo recuado através do portal ainda aberto, fazendo uma fuga segura durante a luta. Eles se provariam inúteis em uma partida de tal poder e escala, e tomaram a sábia decisão de sair do caminho.

“Hahahahaha! Morra! Colapse! Rache! Que diversão! Esperei tanto tempo por isso!”

A voz insana de Número Sete cantou sobre os gritos caóticos do espaço quando mais e mais rachaduras apareceram.

“Você sabe o que esse conhecimento significa, meu amigo tolo?”

Telmon continuou, imperturbável.

“Isso significa que não existe nada que possa me impedir.”

Ele juntou as mãos.

“Magia de Criação!”

Ele começou lançando uma magia. Seus olhos brilhavam com luz branca.

“Desconstrução Atômica!”

WHOOSH!

Tudo ao redor de Telmon se transformou em cinzas.

Os milhares de tentáculos, o chão de pedra, tudo a cem metros dele transformava-se em pequenas partículas de cinzas.

O maciço corpo de madeira do Número Sete era a única coisa que restava dentro de uma lacuna de cem metros, todos os seus tentáculos de madeira foram aniquilados.

“Magia de Criação: Prisão Espacial Universal.”

Telmon acenou com as mãos casualmente, lançando outra magia.

Imediatamente, o espaço onde a Anomalia estava em estado de choque foi selado, desaparecendo da realidade enquanto aprisionava a criatura.

Telmon suspirou com desapontamento enquanto olhava em volta para a sala agora destruída. Milhares de rachaduras abertas podiam ser vistas, as ondas espaciais prejudiciais destruiram a câmara de transporte subterrânea. O portal que seus magos usaram para chegar até aqui tinha sido destruído há muito tempo.

“Que aborrecimento.”

Ele balançou sua cabeça.

“Cassiera, peça ao Departamento da Terra para consertar este lugar. Além disso, faça com que o Departamento Espacial trabalhe no estabelecimento de um novo Portal de Rede.”

A maioria dos Departamentos tinha representantes aqui, no mundo natal da Autarquia de Borrel.

“Sim sua Majestade!”

¤¤¤

Dorian se acomodou confortavelmente na cama, alongando seus músculos cansados.

Ele tinha entrado em várias lutas enquanto viajava pela floresta, vários animais selvagens tentaram matá-lo. Ele conseguiu praticar várias das dicas que Helena lhe dera, lentamente estabelecendo uma base para sua própria habilidade marcial. Ele não tinha adquirido nenhuma linhagem sanguínea única ou poderosa, mas a experiência e o conhecimento que ele adquiriu fizeram dela um empreendimento que valeu a pena.

Amanhã, ele decidiu, começaria seus preparativos finais.

Já era hora de partir para o próximo mundo da lista, viajar em direção ao Desfiladeiro das Cinzas e criar um novo corpo para William.

[Denn – Rei Mago Telmon nem é roubado]

[Não esqueçam de comentar e recomendar]

[Não esqueçam de se INSCREVER NO CANAL e acompanhar nossos vídeos]

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!

Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 62
Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 64
COMPARTILHAR
Leitor inveterado Veterano na fundação da internet: "na minha época, isso tudo aqui era mato" Traduz, revisa, erra, conserta e ri.