Reborn: Evolving From Nothing – Capítulo 60

2371
Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 59
Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 61

? Ative o Modo Noturno ?


Tradução: Denn | Revisão: The Careca


Uma Pergunta

“… e esse é o nosso relatório completo.”

Trajano deu um aceno de cabeça quando terminou de falar, com os olhos grudados na figura do Lorde Supremo bem vestido. Ele não deixou uma pista do nervosismo que sentia.

O Grande Senhor era um vampiro incrivelmente poderoso e intimidador. Trajano manteve cada célula sua focada no homem poderoso enquanto falava, não ousando piscar seus olhos por um segundo.

“Entendo.”

Lorde Marcus estava atualmente de pé perto do grande mapa dos 30.000 mundos, disposto ao longo de uma mesa considerável. Um pequeno copo de vinho descansava em sua mão e que ele rodou levemente. O ar ao redor dele pareceu solidificar quando ele continuou.

“Então você está me dizendo que rastreou sua Anomalia, encontrou Helena que se envolveu com ela e perdeu, e então você se envolveu com ela e também perdeu, mas no final foram salvos por um misterioso Demônio, uma espécie antes considerada extinta, que de alguma forma convenceu a Anomalia a sair, falando em Dracônico ou em uma linguagem similar que vocês não podiam entender?”

Sua voz era fria e calma, a imagem de um líder poderoso.

“Sim senhor!”

Probus respondeu, sua voz cheia de total confiança. Trajano enviou-lhe um olhar pelo canto do olho. O próprio Trajano tinha sido o único a tomar todas as decisões, por isso, se alguém estivesse em falta, não seria Probus.

“E que você deixou Helena, que foi ferida, mas também curada pelo misterioso Demônio, sozinha com esse misterioso Demônio, que você nunca mais viu?”

“Sim senhor!”

Probus respondeu instantaneamente, com um sorriso alegre. Trajano enviou-lhe um segundo olhar.

O Grande Senhor Vampiro ficou quieto por um momento. Ele bebeu o vinho em sua taça, contemplando. Trajano sentiu seu coração estremecer.

“Bem, isso parece bastante razoável para mim. Ela é uma vampira forte e independente, e se ela optou por ficar para trás, ela tem suas próprias razões. Ela é um membro dos Reavers, assim como vocês.”

Lorde Marcus acenou com a cabeça, voltando-se para olhá-los.

“Eu acho…”

“A-HEM!”

Antes que o Lorde Supremo pudesse continuar, um barulho alto de tosse interrompeu a conversa.

A Mestre Espiã de cabelo vermelho do Lorde Supremo estava olhando para ele, dando-lhe um olhar mortal.

Marcus revirou os olhos, mas instantaneamente retomou sua aparência senhorial, olhando para seus confusos subordinados.

“Da próxima vez, no entanto, certifique-se de verificar a extensão de seus ferimentos, como deveria fazer com qualquer camarada, e inspecione melhor o humanoide desconhecido.”

Trajano inclinou a cabeça ligeiramente, assentindo. Probus fez o mesmo, com um pequeno sorriso no rosto. Trajano fez uma anotação mental para trazer à tona o deteriorado ecossistema do mundo do vale de O’val. Probus odiava ir a palestras sobre prevenção ambiental.

“Agora, com isso fora do caminho, eu tenho uma nova missão para vocês. Esqueça as Anomalias por enquanto. Nós não estamos mais focando nelas.”

Marcus continuou, um olhar negro apareceu em seus olhos. Seu comportamento parecia se tornar mais rigoroso, cercado pela escuridão.

“O Rei Sombra lançou uma ofensiva contra nós e os territórios controlados pela Família Augustus. Vocês devem juntar-se ao líder dos Reavers, General Carus, no Mundo Petir, e se prepararem.”

Carus, o líder dos Reavers, tecnicamente não era um dos três generais da família. Ele era tão forte quanto um, no entanto, era uma força mortal por si só. Um especialista de Classe Rei extremamente poderoso.

As três poderosas Famílias de Vampiros. A Família Augustus, a Família César e sua própria Família Aurélius.

Sua relação com a Família César foi tensa, devido a conflitos pessoais, mas eles tiveram uma aliança ocasionalmente amigável com a Família Augustus.

Em face de qualquer conflito com pessoas de fora, no entanto, os nobres vampiros esqueceriam seus rancores e se tornariam um grupo coeso, recusando-se a ceder um único centímetro.

Marcus fechou os olhos por um longo momento antes de abri-los, parecendo cansado.

“A guerra está sobre nós, mais uma vez.”

¤¤¤

“É ótimo ver que você finalmente acordou.”

“Obrigado por me salvar na semana passada. Meu nome é Helena.”

O coração de Dorian se acalmou quando ele olhou para a Nobre Vampira, seus olhos se estreitaram. Ele se lembrava dela. Ela era a vampira que ele salvou, a guerreira que desinteressadamente defendeu os inocentes na cidade.

Ela parecia magra e pálida, mas também bastante bonita. Ela usava um vestido fino e azul esta noite, um que acentuava sua pequena figura. Apenas a presença dela dava uma sensação de força, sua presença era incrivelmente forte.

Para ela, ele tinha muito respeito.

“Como devo responder, William?”

Ele murmurou por hábito, pensando em uma resposta.

Helena olhou para ele em confusão.

“Como deve- quem? William? O quê?”

Dorian piscou. Certo. Ela podia ouvi-lo se ele falasse em voz alta. Ele encolheu os ombros mentalmente, aceitando o que era.

“Eu sou Dorian.”

Ele deu alguns passos para frente, estendendo a mão em um gesto amigável.

Helena andou até ele, pegando a mão dele sem um traço de nervosismo ou cautela. Ela sorriu calorosamente quando eles apertaram as mãos.

“Prazer em conhecê-lo!”

Conversar com outra pessoa parecia estranho depois de tanto tempo gasto sozinho. Apesar disso, ele aproveitou o momento. Não ter que apresentar respostas para a outra pessoa tornou a conversa extremamente agradável.

Helena assentiu.

“Seus ferimentos foram curados? Quando chegamos a você, você ficou gravemente ferido e, antes que pudéssemos fazer alguma coisa, você ficou inconsciente. Alguns de meus Magos trabalharam tentando restaurar você, mas os ferimentos em seu corpo pareciam ser daqueles que precisavam de tempo.”

Ela começou, gesticulando abaixo deles, onde seus subordinados estavam dormindo. Ela escolhera uma modesta, mas agradável, pousada, perto do centro da cidade para ficar.

Dorian assentiu, olhando para as mãos. Ele ainda se sentia cansado, mas seus ferimentos desapareceram.

“Eu estou bem. Meu corpo levará cerca de uma semana para cicatrizar totalmente a partir deste estado enfraquecido, mas eu devo estar bem.”

Ele tentou pensar em outra coisa para dizer. Conversar com pessoas reais era mais difícil do que ele lembrava.

Helena olhou para ele.

Dorian olhou para trás.

O silêncio mergulhou no momento.

Sentindo-se como se ele devesse dizer alguma coisa, ele apontou para cima.

“Lindas estrelas esta noite, huh?”

Ele soltou uma frase que ele lembrou vagamente de usar na Terra, uma que nunca o decepcionou antes.

“Estrelas?”

Helena olhou para o céu noturno quase completamente vazio.

Os 30.000 do mundo não tinham estrelas, exceto por um sol místico e uma lua mística que orbitam no espaço caótico perto de cada mundo.

Dorian piscou e então se bateu mentalmente. Ele se sentia como um adolescente.

“Você ter saindo do seu caminho para proteger os inocentes nesta cidade daquele dragão terrível realmente me impressionou.”

Dorian começou, olhando para o lado da cidade adormecida.

“É preciso muita coragem para fazer algo assim.”

Helena se virou com ele, seus olhos eram distantes. Ela suspirou.

“Era minha responsabilidade. Proteger os territórios da Família Aurélius é parte do meu dever.”

“Mesmo assim.”

Dorian respondeu, encolhendo os ombros.

“Você ainda fez isso. É mais do que a maioria poderia dizer.”

Helena sorriu ao olhar para ele e respondeu:

“Bem, e você? Você não apenas conseguiu me curar e salvar minha vida, mas também bloqueou aquela enorme bola de fogo e salvou a cidade.”

Ela acenou com a mão para o oeste, onde a batalha havia ocorrido.

“O que fez você agir?”

Sua voz estava cheia de uma intensa camada de curiosidade. Dorian teve a sensação de que sua resposta aqui significaria muito para ela.

“O que me fez agir?”

Ele falou em voz alta, esfregando o queixo. Ele encolheu os ombros.

“Parecia a coisa certa a fazer.”

O Número Onze só estava aqui por causa dele, afinal de contas. Além disso, ele não deixaria apenas centenas de milhares de pessoas inocentes morrerem sem motivo se ele pudesse pará-lo.

Helena piscou, olhando para ele.

“É isso? Você não lutou buscando uma recompensa? Você não foi enviado aqui pelo Lorde Supremo?”

Juntar-se à Família Aurélio como membro interno era muito difícil, mas tinha muitos benefícios. Geralmente os novos membros tinham que ser poderosos vampiros, ou seres que cometiam grandes feitos a serviço da Família.

“Bem, eu não vou recusar qualquer recompensa se eles oferecerem.”

Ele sorriu descaradamente.

“Ah, sobre esse Lorde Supremo…”

Um pensamento perdido apareceu em sua mente.

“O nome dele é Marcus Aurélius, certo?”

Ele olhou para Helena, seus olhos brilharam.

Helena assentiu, ainda atordoada com a resposta dele.

“E as outras Famílias Vampiras, elas são a Família César e a Família Augustus, certo?”

Ela assentiu novamente.

Dorian franziu a testa.

“O quê? Tem algo errado?”

Ela notou sua expressão.

“Não, são só os nomes…”

Ele deu de ombros.

“E eles?”

“Eles se sentem… preguiçosos.”

Helena olhou para ele estranhamente.

“Bem, eu suponho que só pode haver muitos nomes no mundo.”

Ele deu de ombros pela segunda vez.

Houve um novo silêncio por um breve momento enquanto as duas almas olhavam para a cidade iluminada pela lua, em silêncio. Dorian estudou as luzes cintilantes, a brisa suave, absorvendo tudo. Todas as cores e ruídos eram alegres para ele, prova de que ele não estava mais naquela prisão mental. Ele mal conseguia distinguir algumas áreas queimadas, partes da cidade danificadas pela batalha.

“Eu…”

Helena começou, antes de parar, mordendo o lábio. Sua voz soou perturbada.

“Você…?

 Dorian deu-lhe um sorriso. Ele estava bastante contente apenas em estar na presença de outro ser. Ele se sentiu extremamente despreocupado.

Se os vampiros quisessem matá-lo ou capturá-lo, já o teriam feito. Em seu atual estado enfraquecido, não havia nada que ele pudesse fazer para impedi-los agora, então ele decidiu que poderia muito bem gostar de estar vivo.

Ela se virou para olhar diretamente para Dorian, um pequeno sorriso no rosto.

“Minha mãe me disse, quando eu era muito jovem, que às vezes a melhor maneira de limpar a mente é conversar com um estranho.”

Ela acenou para ele .

“Você se importa se eu compartilhar meus problemas com você, Dorian? Você salvou minha vida, então eu não te considero exatamente um estranho, mas o ponto ainda permanece.”

“Claro vá em frente.”

Ele deu a ela um sorriso tranquilizador.

Quanto mais ele falava com a guerreira vampira que ele salvara, mais jovem ela parecia. Um momento ela era uma guerreira orgulhosa e, no momento seguinte, pareceu como uma jovem nervosa. Ela também era bastante clara e direta, não que ele estivesse reclamando.

“Fui enviada em uma missão para caçar uma criatura, uma anomalia, uma entre muitas que causaram uma grande agitação nos 30.000 mundos. Minha missão era encontrar essa criatura, fazer contato com ela e, se possível, fazer com que ela viesse de volta comigo para conhecer o Lorde Supremo.”

Sua voz era legal

“Se eu levar essa Anomalia de volta comigo, eu temo… não, eu sei que ela não será capaz de se mover livremente por um longo tempo. O Lorde Supremo é gentil e sábio, mas extremamente protetor. Nós já perdemos um grande número de nossos homens e mulheres para as outras Anomalias, e ainda que a Anomalia que estou caçando seja incomum, isso não vai mudar sua opinião.”

Helena sentou-se na beira do telhado, juntando as mãos e apoiando o queixo sobre elas enquanto olhava para a cidade.

O sangue começou a bombear ruidosamente pelas veias de Dorian quando ele ouviu as palavras que ela falou, seu corpo ficou tenso. Ele permaneceu calmo, no entanto, dando-lhe um pequeno aceno de cabeça.

Ela suspirou.

“Mas e se aquela Anomalia fosse muito diferente das outras? Fosse gentil e forte, indo tão longe a ponto de proteger os inocentes, sem desejar recompensas? Mesmo indo tão longe a ponto de salvar minha vida.”

O rosto dela se encolheu quando ela e os olhos de Dorian se cruzaram, um formigamento de eletricidade pareceu brilhar entre eles.

“O que você acha que eu deveria fazer?”

Dorian encolheu os ombros, jogando fora a tensão que o cobria enquanto ele respondia.

“Não é uma pergunta tão difícil se você realmente pensar sobre isso.”

Ele sentou-se ao lado dela, olhando para a cidade como ela.

“Apenas faça a coisa certa, o que quer que seja.”

O silêncio veio mais uma vez.

“Apenas faça a coisa certa, hein?”

Helena sussurrou depois de alguns minutos, um olhar indecifrável apareceu em seu rosto enquanto ela lutava com seus pensamentos.

Dorian simplesmente assentiu, apreciando a beleza do mundo ao seu redor.

A noite passou, assim mesmo. Duas figuras solitárias sentadas em cima de um telhado vazio, olhando para uma cidade cheia de almas adormecidas.

[Careca – Ia mudar o nome do cap para a coisa certa se fazer, só pela zueira, mas não era coisas certa a se fazer. Ainda to meio confuso com os nomes dos imperadores romanos, quando eu me acertar com o Denn eu coloco uma nota no fim do capítulo! Não esqueçam de comentar, sinto falta das discussões!]

[Não esqueçam de comentar e recomendar]

[Não esqueçam de se INSCREVER NO CANAL e acompanhar nossos vídeos]

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!

Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 59
Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 61
COMPARTILHAR
Leitor inveterado Veterano na fundação da internet: "na minha época, isso tudo aqui era mato" Traduz, revisa, erra, conserta e ri.