Reborn: Evolving From Nothing – Capítulo 19

1404
Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 18
Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 20

Ative o Modo Noturno

       

Tradução: Denn | Revisão: The Careca


Voando

Dorian olhou para o penhasco íngreme em que estava e para a florescente floresta abaixo. Milhares de grandes carvalhos se espalharam criando um dossel denso e brilhante, como um oceano de folhas balançando suavemente no mar.

Depois de conversar por vários minutos com William, o Mago que ele conheceu, eles se separaram. O humano tinha compartilhado uma grande quantidade de informações sobre esse mundo e sobre aqueles que os perseguiam.

Ele também dera ao Mágico alguns conselhos de vida que seu pai e o Google haviam lhe dado, de volta à Terra, assim que ele soube da situação do pobre rapaz.

Dorian levou tudo o que o Mago lhe disse como um grão de sal, só por segurança. Ele não achava que o Mago estivesse mentindo, mas era melhor ser cauteloso.

“Ausra, você disse que eu posso fundir linhagens, certo?”

Ele perguntou ao gênio calmo.

“Depois de completar um ciclo de crescimento para qualquer forma de criatura e crescer completamente sua linhagem, você pode fundir essa linhagem com qualquer outra linhagem cultivada, ou qualquer outro grupo, para criar uma criatura híbrida. Criaturas híbridas podem não ser necessariamente mais fortes que as formas básicas. Um número infinito de formas híbridas é possível e a maioria delas eu não contenho dados.”

A resposta de Ausra em sua cabeça era clara.

Ele assentiu, considerando seus planos.

[Dragão Myyr – Estágio de Crescimento: (2/4) Adolescente]

[Progresso do Crescimento – 1.302 / 8.620]

Ele estava fazendo progressos em sua forma Dragão Myyr novamente, ainda que lentamente. Ele não tinha certeza de como seu progresso tinha aumentado a quantidade que tinha, mas adivinhou que tinha algo a ver com o último presente do mago, agora morto, havia dado para ele.

Ele era uma fera de Classe Mestre agora, e ele podia sentir a força em seu corpo. No entanto, havia animais de Classe Grande Mestre nestas montanhas, e ele precisava escolher seu caminho com cuidado.

Segundo William, todo esse universo era mais complexo do que ele pensava originalmente.

Ausra fez com que ele percebesse que havia um enorme número de mundos neste universo e que havia uma infinidade de criaturas e feras entre eles.

Ele agora sabia, no entanto, que esses mundos estavam conectados por enormes faixas de terra chamadas “pontes mundiais”. Essas pontes eram literalmente pontes entre mundos, mas em escala maciça, onde até mesmo os menores tinham mais de 40 quilômetros de largura e centenas de quilômetros de extensão.

Havia três pontes mundiais conectando-se a este mundo. A melhor maneira de escapar de seus perseguidores seria entrar em uma dessas pontes mundiais. Aparentemente, ele estava sendo rastreado através da magia do destino, algum tipo de arte mística que ele não entendia direito.

A Magia do Destino funcionava de maneira estranha nas pontes mundiais, assim como vários outros tipos de magia, devido à interferência espacial e às leis distorcidas que cercavam as pontes mundiais, permitindo que elas existissem.

Se ele conseguisse chegar a uma das pontes mundiais, suas chances de escapar aumentariam muito.

A Ponte Mundial mais próxima levava a um planeta conhecido como Mesor, notavelmente uma das mais longas Pontes Mundiais nos 30.000 mundos. Dorian automaticamente a descartara da lista, porque, de acordo com William, os magos que o procuravam provavelmente vinham daquela ponte mundial e estavam concentrados naquela área.

Em vez disso, ele decidiu, com os olhos voltados para o sul, que seria melhor pegar a ponte mundial encontrada dentro do Império Tandor. Especificamente, aquele localizado fora da Cidade de Mil Cores, a Cidade Yum.

O Império Tandor estava longe de onde ele estava. Facilmente mil milhas. Mesmo para o seu corpo dracônico de Classe Mestre, era uma jornada que levaria algum tempo. Ele não conseguia nem ver a mítica Ponte Mundial que existia, embora ele estivesse animado para dar seu primeiro olhar para ela.

A Ponte Mundial levaria a um planeta conhecido como Taprisha. Era um planeta que agia como uma zona intermediária entre uma das três Famílias de Vampiros e a Autarquia de Borrel.

Acontece também que uma das Pontes Mundiais que existia em Taprisha ia na direção do planeta que o Mago Horhavil tinha dito que continha o Desfiladeiro das Cinzas e o imenso estoque de tesouros que ele encontrara. O Mago havia deixado um pequeno mapa dos mundos próximos a ele naquela esfera de informação, e Taprisha era um deles, ainda que um dos mais distantes.

Dorian sorriu com seus olhos brilhando. Ele precisava de poder, agora mesmo, para ficar de pé e orgulhoso. E ele tinha um plano para consegui-lo.

Com esse pensamento ressoando em sua cabeça, ele começou a correr em direção à borda do penhasco que dava para a floresta, cerca de duzentos metros abaixo.

Com um grito, Dorian se jogou no ar, suas asas de esmeralda brilhavam no meio da luz da tarde, e ele começou a deslizar alto acima das florestas abaixo.

¤¤¤

William esfregou os olhos, movendo-se cuidadosamente pela vegetação rasteira. Ele pisou cautelosamente, seu corpo ainda se recuperando do choque das feridas que ele havia recebido mais cedo e depois cicatrizado à força.

Uma espada de madeira flutuava no ar ao lado dele, o feitiço Magia de Madeira: Armadura Aplicada. Era um feitiço de autodefesa simples, projetado para lidar com qualquer coisa que tentasse atacá-lo.

Ele acabara de sair da perigosa região montanhosa e entrou nas florestas ao sul da cidade de Yor, retornando. Assim que ele se afastou um pouco das montanhas, planejou convocar sua arca voadora para voar de volta para casa.

Sua mente estava agitada agora, com um milhão de pensamentos.

Aquele dragão permaneceu fiel à sua palavra, deixando-o ir sem tentar prejudicá-lo, ou até mesmo chantageá-lo. Tal comportamento era tão atípico para qualquer coisa que ele esperasse, era estranho para ele.

Algo que o dragão lhe disse ressoou em seus ouvidos.

Ele estava respondendo a várias das perguntas do dragão sobre o mundo em que ele vivia, Hasnorth. Muitos deles eram questões simples, como o que estava em qual direção, enquanto outros eram mais complexos, perguntando sobre as pessoas ou seres no poder, ou os Magos que o estavam caçando.

Em determinado momento, William falou de sua própria família e seus problemas com eles. Ele não tinha planejado isso, mas a conversa de alguma forma se inclinou dessa maneira.

Quando o dragão ficou sabendo de como ele era um bastardo e odiava seu pai, e de sua vitória em provar sua força, ele lhe deu um olhar estranho.

“Se você os odeia tanto… por que você se importa em provar alguma coisa para eles?”

A voz do jovem dragão tinha cortado sua alma profundamente, seu ponto ecoando em sua mente.

“Não dependa dos outros para a sua própria felicidade. Procure pela felicidade dentro de você.”

Ele ficou atordoado, incapaz de dar uma resposta. A conversa deles tinha passado rapidamente, mas as palavras que o dragão compartilhou ficaram com ele.

De certo modo, era verdade que ele odiava seu pai. Ele nunca conheceu sua mãe, uma empregada que havia saído logo após dar à luz a ele. Ele tentou procurá-la sem sucesso, mesmo quando contratou um Mago do Destino.

Não havia ninguém em sua família que ele fosse particularmente próximo. Até mesmo seu avô e tio-avô só se importavam com ele porque ele havia conseguido uma quantidade decente de força como um mago Classe Céu.

Ele tinha alguns amigos que fizera com o passar dos anos, alguns mercenários e guerreiros que ele contratou e conheceu em primeiro lugar. Mas nenhum amigo de verdade, ninguém muito próximo.

Os magos tinham uma expectativa de vida mais longa do que aqueles que não praticavam magia, especialmente dependendo da classe mais alta que você alcançou. Mas isso não era desculpa para desperdiçar sua vida.

“O que eu estou tentando fazer aqui?”

Ele murmurou, esfregando o queixo. Ele lançou o pensamento de sua mente, no entanto, enquanto ele se concentrava, apertando as mãos.

“Magia de Madeira: Arca Voadora de Genova!”

Um instante depois que ele terminou de falar, um misterioso aglomerado de símbolos apareceu na frente dele. Uma coleção de madeira irrompeu desse aglomerado, dobrando-se e esticando-se, torcendo-se na forma de um navio de tamanho médio. Ela tinha cerca de vinte metros de comprimento e uma dúzia de metros de largura, construída inteiramente de madeira marrom escura. Um grande pilar ergueu-se do meio do barco, um mastro vazio. Uma pequena cabana podia ser vista em uma extremidade do barco, conduzindo para o interior.

Era um de seus feitiços mais valorizado e complexo que só conseguiu aprender depois de alcançar a Classe Céu.

“Vamos para casa, por enquanto.”

Ele murmurou, decidindo refletir sobre os seus pensamentos mais tarde.

Por agora, ele voltou sua mente para o outro grupo de símbolos em sua alma.

A herança deixada para trás por aquele Imponente mago de Luz.

¤¤¤

Cidade Yor.

Em um grande pátio aberto, pertencente à Família Robel, figuras influentes estavam atualmente em pé, conversando.

Oblong ficou na frente do Chefe da Família Robel no meio de uma discussão sobre o Mago de Madeira caído, dando-lhe um pequeno aceno de cabeça.

“Minhas desculpas, Garibold.”

Ele disse, tentando fazer sua voz sombria. Os olhos de Oblong estavam esticados e exaustos, o estresse do dia puxando-o. Ele mal tinha energia suficiente para ficar acordado e não queria nada mais do que dormir.

“Está bem.”

A figura idosa e magra do chefe da família balançou a cabeça calmamente, encolhendo os ombros.

“A culpa do William que não foi capaz o suficiente. Ele tinha uma quantidade razoável de potencial, mas, como se costuma dizer, quando o sangue é estragado…”

Ele deu de ombros novamente.

“Oblong. Isso é o suficiente com as sutilezas.”

Uma mulher de aparência simples entrou no pátio, seguida por alguns outros Magos do Destino. No final do grupo calmamente estava um homem que fez Oblong arrepiar.

Lorde Hadrion. Um mago de Classe Lorde.

Ele tinha longos cabelos negros e selvagens, com uma aparência física musculosa. Um queixo e mandíbula fortes complementaram seu sorriso áspero, dando-lhe um olhar rude. Pequenas partículas negras de energia pareciam fluir ao redor dele, seguindo-o.

A Aura devastadora que seres poderosos poderiam emitir. A maioria dos magos de Classe Lorde tinham a capacidade de emitir uma Aura, uma manifestação física de sua força e vontade. Hadrion praticou um tipo particularmente virulento de magia, Magia de Raios Negros, e sua Aura foi emitida mesmo sem ele tentar.

Felizmente, apenas uma pequena parte se espalhou, não o suficiente para causar sofrimento às pessoas. Ainda assim, deu-lhe uma aparência incrivelmente feroz. Uma que ele mereceu.

Ao lado de Lorde Hadrion, estava uma mulher idosa usando um vestido roxo e curto, com a insígnia do Império do rio Obsidia adornada. Um dos magos reais do império, o único outro praticante de Magia Espacial.

“Comandante Larah. Lorde Hadrion.”

Oblong virou-se e curvou-se ao ver os superiores que ele estava esperando.

O Mago Real Aymon deu um passo à frente, saudando a dupla também, e então se virou para sorrir e abraçar calorosamente o outro Mago Real.

“Onde está o Graxital?”

A voz de lorde Hadrion era áspera e cativante, cheia de poder.

Oblong engoliu a seco quando ouviu, mas se recuperou suavemente e respondeu:

“Ele está se recuperando lá dentro. Dissipar a última magia levou muito dele, e levará alguns dias para se recuperar.”

Lorde Hadrion assentiu quando ouviu isso, e então olhou para Larah ao seu lado.

A comandante do destino adiantou-se imediatamente, assumindo o comando.

“Oblong, comece uma previsão imediatamente. Precisamos identificar a localização desse dragão antes que ele possa ir longe demais para rastreá-lo.”

Sua voz era severa, sem espaço para discussão.

Oblong não se permitiu suspirar, simplesmente assentindo com atenção. Na frente de Lorde Hadrion, ele não podia se dar ao luxo de parecer mal. O fato dele ter falado com o dragão, bem como ter ficado diante dele, significava que ele era a melhor escolha para rastrear as reverberações no Destino que estava emitindo. Ele estremeceu de novo, no entanto, com a lembrança da Aura que a fera exalava.

Ele juntou as mãos, lançando um feitiço formal.

“Magia do Destino: Previsão.”

O mago que estudou a Magia do Destino teve um entendimento único com o destino. Depois de muitos anos de estudo, especialmente para aqueles da Classe Mestre e acima, um Mago podia adivinhar certas coisas mesmo sem lançar feitiços.

O feitiço formal, Previsão, era o grampo da Magia do Destino. Era uma magia complexa que permitia usar a energia da existência para sentir as conexões do destino que existiam por toda parte. Inúmeros fios invisíveis tecendo uma enorme Tapeçaria da Vida que conectava todos os seres vivos.

Dar sentido à grande Tapeçaria da Vida era difícil até mesmo para os melhores magos do destino, mas o que poderia ser obtido era quase sempre útil e valioso.

Quando Oblong lançou sua Previsão, concentrando-se no pequeno dragão que tinham visto, seus olhos começaram a brilhar com uma leve luz branca.

Ele sentiu sua conexão com o mundo, o maravilhoso e feliz sentimento de contemplar a ilimitada Tapeçaria da Vida.

Ele sentiu as cordas do Destino conectadas a ele, tentando sentir uma que continha reverberações no Destino, criadas por causas desconhecidas.

Assim quando ele estava tentando se concentrar nessa reverberação, no entanto, um flash ofuscante de luz explodiu em seus olhos, tirando-o de sua previsão.

“Arrrgh!!”

Ele gritou em voz alta e caiu no chão, cobrindo os olhos de dor. O chão áspero de pedra do pátio contundiu suas costas e cotovelos, sua barreira inata como um Mago de Classe Mestre foi incapaz de absorver os impactos causados ​​por si mesmo.

Todos no pátio congelaram, olhando para o mago do destino com espanto.

“Meus olhos! Arrrgh!”

Oblong agarrou seus olhos, sentindo-os. Duas linhas de sangue escorriam pelo seu rosto, a área ao redor dos olhos dele estava vermelha e queimada. Ele se recusou a abri-los, e em vez disso imediatamente se forçou a superar sua dor, lançando outro feitiço.

“Magia do destino: Reversão do Destino.”

Ele sentiu uma grande quantidade de energia em seu corpo deixá-lo. Ele não seria capaz de lançar outro feitiço hoje.

A magia do destino não era conhecida por seus feitiços de cura. O único feitiço que Oblong sabia que poderia curá-lo era a magia reversão do destino, que era similar a alguns feitiços do tipo “magia do tempo”, na medida em que inverteu algo que havia acontecido com ele.

Quando a vermelhidão em torno de seu rosto começou a diminuir e seu corpo começou a se curar, a dor que ameaçava deixá-lo inconsciente desapareceu. O cansaço esmagador que ele sentia agora, no entanto, permanecia. Ele também começou a tremer, seu corpo em estado de choque.

“O que diabos foi isso?!”

A voz da Comandante Larah quebrou o silêncio congelado, olhando para Oblong em confusão.

Oblong respondeu, sua voz era áspera e atormentada.

“O dragão parece ter algum tipo de proteção aplicada a ele por causa do destino. Não parecia permanente, mas eu sou incapaz de passar por isso, pelo menos por agora.”

Seus olhos terminaram de curar, totalmente restaurados à condição em que estavam antes.

“O quê? Não podemos nos dar ao luxo de esperar, nós…”

A comandante Larah foi cortada no meio da frase antes que ela pudesse continuar,

“Está tudo bem, Larah.”

A voz de lorde Hadrion era fria, sem demonstrar um pouco de desagrado.

“Qualquer ser que tenha uma alma que torça o próprio Destino está fadado a ser incomum. Está ciente de que estamos caçando ele agora. É natural que ele prepare as salvaguardas.”

Seus olhos brilharam enquanto ele falava, um pequeno sorriso apareceu em seu rosto.

“Oblong, você trabalhou duro. Você se importaria em se tornar uma adição permanente ao meu time?”

O homem se virou para olhar para Oblong, o pequeno sorriso desapareceu quando seus olhos ficaram completamente sérios.

Excitação cortou sua aparência cansada como um relâmpago quando ele se curvou, olhando para o brusco Mago.

“Seria uma honra, Lorde Hadrion.”

No interior, ele estava gritando vitoriosamente. Ele conseguiu! Cada mago do destino precisava de companheiros poderosos para se juntar. Ao ficar ao lado de Lorde Hadrion, era quase garantido que ele seria ricamente recompensado à medida que o tempo passasse, e facilmente subisse para a Classe Grande Mestre.

“Bom. Você vai descansar aqui com Graxital. O resto de nós seguirá em frente para o alvo imediatamente. Nós temos apenas horas, na melhor das hipóteses, até que as equipes dos Departamentos de Escuridão e Divisão cheguem.”

Sua voz era poderosa e cheia de autoridade. Ele se virou para olhar para a Comandante Larah, com os olhos frios, contínuos.

“Larah, faça uma previsão e veja se você pode encontrar qualquer coisa relacionada ao Dragão. Não procure diretamente por ele, vá de uma maneira indireta. Eu duvido que esteja protegido de tudo que nós temos.”

Larah assentiu imediatamente e começou a trabalhar, se preparando para lançar seu feitiço. Oblong recuou para dentro do Pátio que a Família Robel lhes dera, adormecendo quase instantaneamente dentro de um pequeno quarto.

“Magia do Destino: Previsão Maior.”

Uma magia que somente um mago da Classe Grande Mestre poderia lançar. A magia requeria uma enorme quantidade de energia e concentração, algo que apenas uma Alma poderosa poderia aguentar. Larah só podia lançá-lo uma vez se não demorasse muito tempo.

Era uma versão mais poderosa de uma Previsão regular, mas que era mais precisa e direcionada.

Um silêncio tenso se seguiu quando nenhum dos presentes se atreveu a falar, esperando que Larah terminasse seu feitiço. Hadrion observou tudo isso desapaixonadamente, com sua aparência despreocupada. Alguns momentos se passaram.

Os olhos de Larah brilharam quando ela falou em voz alta, olhando para cima de sua magia, sua voz estava cheia de ansiedade.

“Eu não encontrei a perturbação, Senhor Hadrion… Mas eu detectei alguém que poderia nos ajudar a encontrar, ou pelo menos fornecer um link mais próximo.”

A Maga do Destino virou-se para longe de Hadrion para olhar para o Chefe da Família Robel, um olhar estranho em seus olhos brilhantes.

“Parece que seu descendente, o Mago da Madeira, conseguiu sobreviver, afinal.”

[Careca – Galera hoje ainda não é amanhã pro relógio do site, publicação diária ainda ta valendo!]

[Não esqueçam de comentar e recomendar]

Ei, você gosta dessa novel? Acha que o tradutor merece um incentivo para continuar mantendo o bom trabalho? Pois agora ela tem Padrim e você pode contribuir com apenas 2$.

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!

Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 18
Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 20
COMPARTILHAR
Leitor inveterado Veterano na fundação da internet: "na minha época, isso tudo aqui era mato" Traduz, revisa, erra, conserta e ri.