Reborn: Evolving From Nothing – Capítulo 18

3523
Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 17
Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 19

Ative o Modo Noturno


Tradução: Denn | Revisão: The Careca


Necessidades

Os ramos eram uma mistura de branco pálido e marrom quente, espalhados em uma pequena forma de casulo. Eles pareciam ter saído diretamente do chão e emitiam uma aura muito fraca e quente. Um par de árvores rachadas estava ao lado deles, com as cascas quebradas balançando.

Dorian os estudou enquanto ele estava ao lado da pilha, com os olhos curiosos. Amarrado em volta de seu pescoço com um pedaço de couro grosso, reforçado com magia, estava uma pequena bolsa espacial, um dos mais úteis artefatos mágicos nos 30 mil mundos.

Criado pelos magos que estudavam um dos ramos da magia espacial, a bolsa continha um espaço para armazenamento muito maior do que sua aparência externa. Este em particular era de uma classe muito alta, com mais de trinta metros cúbicos de espaço de armazenamento.

Na bolsa havia uma verdadeira variedade de ervas mágicas, tantas que os aromas quase esmagaram a mente de Dorian quando ele abriu a bolsa. Ele usou uma quantidade muito pequena de energia de sua Matriz de Feitiços da Alma para formar uma conexão com a bolsa, permitindo-lhe acessá-la.

“Quanto sangue eu preciso derramar?”

Ele perguntou em voz alta, voltando-se para olhar para a figura fantasmagórica.

O Mago morto parecia um pouco mais fraco do que antes. Depois que Horhavil concordou com Dorian e fez um acordo, ele acenou com as mãos, tirando uma bolsa espacial do nada. O ato de fazê-lo, no entanto, pareceu enfraquecê-lo.

Ele daria a Dorian os detalhes para o esconderijo escondido depois que ele ajudasse o Mago que estava morrendo.

“O suficiente para cobrir os galhos, e mudar a luz que eles emitem para um tom vermelho. Não deve ser muito difícil.”

A voz do homem idoso era calma e plácida, como se ele estivesse pedindo uma refeição em um restaurante.

Dorian olhou para seu corpo, suas escamas verdes brilhavam intensamente na luz do meio da manhã. Ele então se adiantou até estar pairando sobre os galhos das árvores.

“Muito bem.”

Ele disse, e apunhalou a lateral do peito com uma garra, puxando-a para baixo.

Ele estremeceu de dor quando o sangue começou a sair da ferida. Sua tolerância à dor parecia ter saltado imensamente depois de vir a este mundo porque, apesar do quão aguçados eram seus sentidos, e do quão consciente estava do ferimento, ele apenas sentiu um leve sentimento de preocupação.

Seres com uma forma física de Classe Mestre possuem habilidades regenerativas naturais decentemente fortes. Dragões, até mesmo o Dragão Myyr, um ramo inferior, têm propriedades regenerativas muito fortes. Isto significava que sua lesão já estava tentando se regenerar apenas alguns segundos depois de ele ter feito o corte.

Dorian franziu a testa quando viu isso, se cortando novamente, e dessa vez forçando o sangue a respingar sobre os galhos das árvores.

Vários segundos se passaram enquanto ele observava, desapaixonadamente, enquanto os galhos assumiam gradualmente um tom avermelhado. Logo eles começaram a emitir um brilho muito forte e carmesim.

Assim que ele viu, Dorian recuou, permitindo que seus ferimentos começassem a se curar. Ele se sentiu um pouco tonto com a perda de sangue, mas estava bem.

Os galhos das árvores começaram a se contorcer, o brilho vermelho tornou-se mais forte. Eles visivelmente ficaram mais grossos, contorcendo-se em movimentos não naturais e levemente perturbadores.

Enquanto se contorciam, gradualmente a figura de um ser humano apareceu. Um homem com um rosto magro, bonito e de olhos azuis penetrantes, apesar de um rosto que agora estava bastante pálido. Ele parecia estar inconsciente. Gradualmente, sua cabeça e ombros apareceram acima dos galhos antes de parar, a magia de cura continuava a trabalhar nas outras partes feridas de seu corpo.

“Meus mais profundos agradecimentos, jovem dragão.”

A voz do velho ecoou nos ouvidos de Dorian enquanto o homem flutuava para frente, olhando para o casulo do galho de árvore. Seu corpo parecia estar mudando, pedaços dele caiam.

O homem se virou para olhar para Dorian e depois levantou a mão para a cabeça, batendo com um dedo. Instantaneamente, uma esfera larga de luz apareceu. Ele fez um arco suave.

“Isto contém a informação que eu tenho do tesouro encontrado nas ruínas, especificamente no Desfiladeiro das Cinzas. Este esconderijo de tesouro não será fácil de reivindicar, mas para alguém com suas capacidades, você deve ser capaz de lidar com isso. Eu descobri isso apenas alguns anos antes da minha morte. Eu encontrei várias pistas que precisava em minha jornada para alcançar a Ascensão. Infelizmente…”

A voz de Horhavil estava cansada enquanto ele falava, lamento encheu a sua voz.

“Ausra, o que é isso?’”

Ele perguntou, só por segurança. O velho ainda não havia mentido para ele, mas era melhor estar em segurança.

“Um pequeno orbe de energia e essência, extraído de uma alma em meio à dissipação. Algo como isso seria usado na transferência de informações ou memórias.”

A voz de Ausra em sua mente confirmou o que era.

Dorian aceitou o orbe, deixando-o flutuar em sua mão. Assim que ele fez, ele sentiu uma inundação de informações em sua mente. Informações sobre uma misteriosa cordilheira e um grande cânion, cheio de mistério e perigos, em outro mundo.

Ele empurrou isso de lado por um momento, no entanto, focando no que estava acontecendo na frente dele.

“Ah, jovem mago.”

O velho começou a olhar para os galhos de madeira, com a voz cheia de tristeza.

“Eu gostaria de poder ficar mais tempo, para falar com você mais um pouco. Ai, minha alma está a apenas alguns minutos de perecer. De vida em vida, da morte até a morte, o Ciclo continua, sem parar.”

O velho fantasmagórico juntou as mãos. Gradualmente, a esfera dourada de luz que flutuava no centro de seu corpo começou a rachar, partículas minúsculas flutuando no ar.

Essas partículas se formaram lentamente em um rio contorcido, fluindo em direção à cabeça do Mago inconsciente.

Dorian assistiu tudo com interesse. O processado continuou suavemente, a esfera dourada de luz gradualmente ficou cada vez menor.

Abruptamente, no entanto, o corpo do mago ferido começou a tremer, a boca se contorceu. Ruídos estranhos emergiram de sua garganta, ecoando ecos.

“Não!”

A voz do velho homem estava fraca quando ele gritou, seus olhos se arregalando.

“O que está acontecendo?”

Dorian deu um passo à frente, com os olhos alertas. Em seu núcleo, Dorian tentou ser uma boa pessoa. Seu pai, de volta à Terra, sempre lhe dissera que as escolhas mais importantes que você faz foram aquelas que não estariam lá para ver.

Talvez ele não pudesse mais ser o mesmo cara da terra, mas isso não significava que ele abandonaria seus padrões morais.

Como ele já havia se comprometido a ajudar e descobriu que era possível ajudar, ele iria até o fim. Era simplesmente quem ele era, independentemente de ser ou não a decisão que mais o beneficiava.

“Sua alma está servindo como um receptáculo, e absorvendo a raiz da minha experiência e conhecimento. Seu corpo, entretanto, está rejeitando a magia o que está fazendo com que ele sofra Discórdia, uma rejeição entre o corpo e a alma.”

Horhavil rapidamente explicou, olhando para o trêmulo Mago,

“Sua alma foi batizada com as leis da magia várias vezes, mas seu corpo não está reconhecendo que minha herança não é um ataque e está ativamente resistindo.”

O mago fantasmagórico parecia torcer as mãos, uma visão estranha.

“Você quer que eu tente deixa-lo inconsciente?”

Dorian perguntou. Talvez se o homem fosse forçado a ficar completamente inconsciente, forçaria seu corpo a aceitar a mudança.

“Se seu corpo não se acalmar e aceitar as mudanças, ele morrerá. Fisicamente, forçá-lo à inconsciência poderia perturbar sua mente.”

A voz do velho homem era baixa enquanto ele suspirava para si mesmo.

“Ai”

Ele balançou a cabeça lentamente, seus olhos olhavam para baixo. Gradualmente, as partículas ao seu redor começaram a tremer, como se ele estivesse prestes a desaparecer.

Dorian olhou para a situação e franziu a testa. Uma ideia surgiu abruptamente em sua cabeça. Ele percebeu que tinha um jeito de resolver isso. Mas a pura coincidência de seu método pegou-o desprevenido por um momento.

“Eu torço o destino com a minha alma agora, hein? Isso faz parte disso também?”

Ele disse em voz alta quando se adiantou, ainda franzindo a testa.

O velho Mago que estava prestes a se dissipar parou, observando Dorian em confusão.

“Eu tenho uma ideia que pode funcionar. Você disse que fisicamente derrubá-lo não vai ajudar, certo?”

Dorian respondeu, voltando-se para olhar o velho mago.

O mago simplesmente assentiu.

“E se eu usar um sedativo calmante?”

Na mente de Dorian, uma mensagem apareceu.

[Crustáceo Tesouro Marrom (Fase de Crescimento 2/2) Venenoso]

[Quantidade armazenada: 63 mL]

O veneno que ele armazenara há vários dias era de uma criatura mística com laços únicos com o destino. Além disso, era um tipo de veneno que agia como um sedativo. Não havia muito, então duraria apenas alguns minutos no máximo, mas deveria ser o suficiente.

Dorian quis que esse veneno aparecesse, seguindo as instruções que Ausra havia lhe dito sobre isso. Gradualmente, suas garras começaram a brilhar, com o sedativo.

“Sim… sim! Isso poderia funcionar, jovem dragão!”

O velho feiticeiro bateu palmas, sua forma que parecia estar à beira de desaparecer de repente, ganhou nova vitalidade.

“Rápido por favor!”

Urgência apareceu na voz do velho desvanecido enquanto ele gesticulava, quase implorando.

Dorian deu um passo à frente e cuidadosamente colocou suas garras no pescoço do homem que tremia, tentando não apunhalá-lo acidentalmente. Muito ligeiramente, ele perfurou levemente a pele do pescoço do homem, desenhando uma pequena linha de sangue.

Ao mesmo tempo, ele sentiu o veneno em suas garras fluir para o homem. Desaparecendo em um instante, totalmente absorvido.

Alguns segundos depois, o homem se acalmou, seu corpo voltou ao normal. Quando isso aconteceu, o rio dourado de partículas de luz continuou a fluir em sua cabeça, suavemente e sem erros.

Quando Dorian recuou, ele ouviu uma voz grata gritar.

“Dragão, eu não posso te agradecer o suficiente. Se eu tivesse mais tesouros para dar, eu te daria. Tudo o que me resta são coisas insubstanciais, o resto foi destruído ou tirado do meu corpo.”

O velho olhou para ele com os olhos brilhando intensamente.

Dorian balançou a cabeça, dizendo simplesmente:

“Está tudo bem. Foi a coisa certa a se fazer.”

Um momento silencioso passou entre eles e depois outro. Logo aquele momento tornou-se um minuto e depois dois. Por fim, o rio de partículas douradas terminou de fluir para o homem em repouso e tudo foi feito. A figura esmaecida do velho mago estudou-o uma última vez.

“Enquanto eu passo deste mundo, deixe-me dar um último presente, como meu último agradecimento a você.”

A voz do homem começou a desvanecer-se, tornando-se mais silenciosa do que um sussurro.

“As reverberações no Destino que sua alma libera desaparecerão, gradualmente, em uma semana ou duas. Eu posso ajudá-lo a escondê-las por um dia, talvez dois. O resto é com você, jovem dragão. Boa sorte para você, e que o Ciclo continue inabalável…”

Algumas partículas brancas se espalharam e pousaram em Dorian. Ele estremeceu, sentindo como se tivesse sido mergulhado em um tanque de água fria.

Ele piscou e, no instante seguinte, ao abrir os olhos, percebeu que estava sozinho.

A figura daquele velho mago foi embora.

“Então essa foi a última magia do Mago Horhavil Candor…”

Dorian murmurou baixinho, inclinando a cabeça em silêncio em respeito.

Depois de alguns momentos, ele se virou, olhando para o jovem mago que agora estava acordando.

“AHHH!”

¤¤¤

William Robel se sentiu horrível. Sua cabeça estava apertada e cheia de dor. Seu corpo parecia ter sido arrastado ao longo de uma carroça por dias, espancado e machucado. Seu único consolo era a sensação quente e fluida que sentia, envolvendo sua forma ferida, curando-o.

Ele acordou gradualmente. Ao fazê-lo, as lembranças do dia anterior entraram em sua mente cansada.

A batalha com aquele estranho dragão dançarino, o cruel ataque que ele sofrera daqueles vampiros desprezíveis, e agora seu aparente abandono pelos magos do Departamento, e até seus próprios guardas da Família. Ele não tinha lembrança do que aconteceu depois de ter sido ferido, açoitado pelo ataque, mas estava quase certo de que o haviam deixado de lado e fugido.

Aqueles vampiros pareciam ser más notícias. Ele não tinha certeza se até mesmo os Magos do Raio Negro poderiam lidar com eles.

Ele apertou os dentes e cerrou os punhos, sentindo-se humilhado e com raiva. Pelo menos ele ainda estava vivo.

Depois de alguns segundos, ele conseguiu piscar e lentamente abriu os olhos. A luz brilhante do dia o cegou enquanto ele olhava em volta. Quase imediatamente seu coração caiu quando viu um enorme dragão de 3 metros de altura bem na frente dele.

“AHHH!”

Involuntariamente, ele soltou um grito. Ao fazê-lo, outra onda de lembranças surgiu em sua mente.

Memórias de uma estranha conversa com um velho estranho, um homem que conversou com ele sobre lhe dar uma herança de magia. Ele percebeu de repente que essa conversa era algo que realmente acontecera quando ele sentia em sua alma.

Em sua alma, o orbe de luz branca que representava ele e sua matriz de feitiços da alma, William podia sentir o que parecia ser uma segunda matriz de feitiços da alma, flutuando ao lado da sua. Essa matriz, no entanto, era apenas uma cópia pálida, uma comparação pobre, com a original. Ainda assim, dentro dessa matriz, ele podia sentir um vasto estoque de lembranças e experiências, de um homem idoso e gentilmente velho.

Lágrimas começaram a escorrer pelo seu rosto quando ele percebeu o que o velho mago havia feito por ele. Dar a alguém uma herança como essa deveria ser um ritual intimamente sagrado, reservado para seus parentes mais próximos. Para dar uma herança para um completo estranho como ele… era praticamente inédito.

Mentalmente, ele fez uma promessa de que não iria desperdiçá-la. Ele desistiria de sua medíocre Magia de Madeira e imediatamente treinaria com o velho, não, o estimado Horhavil Candor, Mago da Luz.

Quando essas lembranças continuaram a entrar, ele percebeu que o dragão à sua frente ajudara a salvar sua vida. Ele conseguiu recuperar um pouco de sua consciência depois de algum tempo em seu feitiço de cura, e ouviu por acaso a conversa deles. E, ele percebeu, apesar de sua forma grosseira, que era de alguma forma o mesmo pequeno dragão que eles tentaram capturar, e falharam, antes.

Ele olhou em confusão, sem entender. O que exatamente aconteceu depois que ele caiu inconsciente? Quanto tempo passou?

“Um… olá.”

Ele cuspiu fora.

Enquanto ele falava, ele percebeu que não podia se mover ainda. Ele estremeceu enquanto tentava, sentindo seu corpo tremer de dor. O feitiço de cura que ele havia conjurado anteriormente ainda estava ativo, embora agora fluísse com um poder vibrante e completo que ele não conseguia reproduzir. A parte que o dragão tinha dado para ajudar a salvar sua vida.

“Você deveria ficar parado por enquanto. Você ainda está se curando.”

A voz do dragão era suave e sibilante, cheia de confiança forte e poderosa. William estremeceu ao ouvi-lo, olhando para as belas escamas verdes do dragão. Ele notou uma cicatriz pequena que ainda estava se curando no peito do dragão, estranhamente na forma de uma das garras do dragão, como se tivesse se esfaqueado. Ele sacudiu o pensamento de sua cabeça, no entanto, sabendo que nenhum dragão seria tão tolo.

William estava uma bagunça de emoções enquanto olhava para o dragão. Raiva e dor ao ser abandonado por seus companheiros, alegria e surpresa por ainda estar vivo, gratidão e felicidade por ter recebido uma herança. O medo que ele sentiu desapareceu quando ele olhou para a fera, apenas querendo saber uma coisa.

“Por que você me salvou? As recompensas que o mago ofereceu, você e eu sabemos que valeriam pouco para um Dragão como você. Ervas Mágicas prosperam nessas montanhas, e mesmo que ele tenha algumas extremamente raras, não deveria ser uma diferença muito grande.”

Sua voz carregava uma paixão estranha, cheia de emoção. Isso era algo que ele precisava saber. Ele não sabia por que, ele só sabia que precisava saber disso, mesmo que isso lhe custasse a vida. Ele se sentiu estranhamente compelido.

¤¤¤

Dorian deu de ombros enquanto olhava para o humano ferido, pensando em sua pergunta e respondendo.

“Eu acho que porque parecia a coisa certa a fazer.”

Se ele pudesse fazer algo para ajudar, ele faria. Talvez se ele pensasse que suas ações não conseguiriam nada, ele não teria tentado salvar o Mago.

Mas sabendo que ele podia… Além do mais, a recompensa não era tão pequena quanto o mago ferido fazia parecer. Ter cerca de 200 Ervas Mágicas armazenadas com ele era definitivamente útil para quando ele deixasse esta área, e as informações sobre o tesouro foram extremamente atraentes.

Além disso, havia uma chance de que ele pudesse obter informações sobre os homens que acompanhavam o homem ferido e sobre o mundo ao seu redor.

“O que?!”

O mago abaixo dele lutou em choque, seu rosto corou.

“Eu sou seu inimigo! Eu tentei capturar você! Eu até ajudei a guiá-los até você.”

Enquanto o Mago falava, o tom de sua voz subiu, gaguejando.

“Se você fosse inteligente, você me mataria agora! Como você sabe que eu não vou levá-los para você de novo?”

Dorian sentiu um tom estranho na voz do homem, que o fez escolher sua resposta com cuidado.

Dorian olhou para o mago ainda se curando, levando um momento para pensar.

Era verdade. Este é um mundo brutal. É matar ou morrer. Ao deixar este homem vivo, ele podia estar trazendo problemas para si mesmo no futuro.

A coisa mais inteligente a fazer seria matá-lo aqui e agora e silenciar essa questão. Ele poderia até mesmo absorver sua linhagem e criar um corpo humano, se assim o desejasse. Talvez de alguma forma roubasse essa herança, mesmo sem receber o batismo de qualquer alma mágica que o Mago disse que precisava. Havia uma chance, de qualquer maneira.

Mas, ele se arrependeria de fazer isso? Quando o pensamento tocou sua mente, ele sentiu que chegava a uma certa paz interior.

Ele decidiu que viveria sem arrependimentos neste mundo.

Não foi a decisão mais sábia ou lógica de deixar o Mago ir.

Talvez realmente seja um erro.

Em sua forma de salamandra vermelha, o mago tentou atacá-lo, pensando que ele era apenas uma fera perdida. Em sua forma dracônica, ele tentou capturá-lo. No mínimo, eles não estavam em termos amigáveis.

Apesar disso, Dorian sentiu que o homem não era um tipo ruim. Talvez os outros o chamassem de idiota por isso, mas ele não se importava.

“Eu não sei se você não vai levá-los para mim.”

Dorian começou balançando a cabeça, com seus olhos brilhando.

“Mas eu vou viver como eu escolhi viver, e nenhuma coisa maldita neste universo vai mudar isso. Talvez, agora, eu não tenha força para apoiar essas palavras.”

Sua mente foi para seu pai, o maior homem que ele conhecia, e o que ele faria em uma situação como essa.

“Mas um dia eu vou. Que tipo de huma… ahem, que tipo de Dragão eu seria, se eu não vivesse de acordo com o que eu acredito?”

Ele olhou para o jovem mago e sorriu.

“Eu sou um dragão com princípios, afinal de contas.”

Ele sorriu mais largo.

“Mas, mas…?!”

O Mago balbuciou para ele, incrédulo.

“Sem desculpas.”

Os olhos de Dorian se iluminaram quando a inspiração chegou

“A vida é sobre as necessidades básicas, jovem mago.”

Ele disse, acenando com a cabeça sabiamente: “As necessidades simples e básicas. Apenas esqueça suas preocupações e sua luta.”

“Agora, chega disso. Antes de nos separarmos aqui, você se importaria de responder algumas perguntas que eu tenho sobre esse mundo?”

[Careca – Galera esse é o primeiro capítulo de um teste de postagem diária, se ta curtindo a série, não se esqueça de recomendar e comentar, isso é um grande apoio pra gente e nos motiva a continuar!]

[Não esqueçam de comentar e recomendar]

Ei, você gosta dessa novel? Acha que o tradutor merece um incentivo para continuar mantendo o bom trabalho? Pois agora ela tem Padrim e você pode contribuir com apenas 2$.

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!

Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 17
Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 19
COMPARTILHAR
Leitor inveterado Veterano na fundação da internet: "na minha época, isso tudo aqui era mato" Traduz, revisa, erra, conserta e ri.