Reborn: Evolving From Nothing – Capítulo 163

585
Reborn: Evolving From Nothing – Capítulo 162
Reborn: Evolving From Nothing – Capítulo 164

Tradução: Denn | Revisão: The Careca


A Zona dos Sonhos dos Anos de Vida

“Tudo bem.” Dorian pensou, sorrindo. O progresso que eles fizeram foi incrível e eles nem sequer encontraram obstáculos. Esse era o tipo de viagem que ele gostava.

Ele conseguiu fazer isso sem problemas em vários mundos sem ser parado ou atacado. Até agora, ninguém realmente o confrontou e as coisas estavam indo bem.

A única exceção foi da Anomalia chamada Quinze, que o atacou. O confronto com essa anomalia havia sido perigoso e mortal, um ataque que surgiu do nada. Quinze ainda mencionou que estaria esperando Dorian nas Ruínas Demoníacas.

A Anomalia também falou que ele havia sido enviado aqui para investigar sobre ele. Ele claramente fazia parte de uma força maior, não agindo por conta própria.

“Mas quem? Ou o que? Não pode ser a liderança dos Sombras diretamente ou a Igreja da Luz, caso contrário, eles simplesmente teriam atuado abertamente. Portanto, deve ser alguém subterrâneo ou oculto.” Ele esfregou o queixo, pensativo.

“Acho que não ofendi ninguém por perto, exceto a Igreja da Luz. Eles só estão me investigando por causa da cena que causei?” Ele suspirou.

Sua maior preocupação estava no destino. Quando ele e Helena rasgaram o Espaço Caótico, Dorian tinha 100% de certeza de que haviam deixado algum tipo de trilha perceptível. Assim, depois que ele chegou, a primeira coisa que ele queria fazer era ofuscar isso e se afastar o mais rápido possível.

Especialmente considerando que Helena era uma vampira, e os Sombras estavam atualmente em guerra com os Vampiros. Se os Sombras descobriram que Helena não era apenas uma poderosa vampira, mas também em um estado enfraquecido, bem como um dos orgulhosos Aurelius Reavers…

Os olhos dele endureceram.

Dorian não tinha dúvida de que pelo menos alguns dos Sombras aqui tentariam matá-la.

“O que eu faço… O que eu faço…” Ele pensou, franzindo a testa.

Ele não queria ter que matar ninguém ou colocar em risco a vida das pessoas. Mas uma das poucas pessoas que ele conhecia e se importava profundamente neste universo estava atualmente tendo seu lar e sua vida em perigo. Os Sombras estavam tentando acabar com sua raça, ou pelo menos o controle de seus mundos sobre sua raça.

“Não pense neles como um monólito, Dorian.” Ele lembrou a si mesmo. Só porque o Rei Sombra estava forçando a guerra não significava que todos os outros a apoiavam. Isso significava apenas que a influência nas mãos do Rei Sombra era considerável.

“Por que o Rei Sombra teve que ir à guerra, afinal?” Ele pensou frustrado. Por que arriscar a vida de seu povo? Comuna já controlava um pouco mais de 2.000 mundos. Pegar algumas dezenas ou mais realmente importaria tanto?

“Quaisquer brigas insignificantes que você teve com a espécie deles, você não poderia simplesmente ter ignorado ou discutido isso e deixado seu povo em paz e harmonia?” Ele suspirou de novo.

Ele queria fazer a coisa certa. Mas ele viu, agora, que nem sempre era fácil descobrir o que exatamente isso significava.

“Não quero machucar ninguém. Mas farei o que for preciso para protegê-la.” O coração de Dorian estava perturbado, mas estava decidido.

Mesmo que isso significasse ser um pouco desonesto e enganar várias dezenas de Sombras para ajudá-lo a curá-la e escapar.

“Será uma viagem um pouco longa para Shaptle a partir daqui, uma jornada completa de 4 dias através desta Ponte Mundial, mesmo com este Navio Voador em ritmo acelerado. Esta é uma das Pontes Mundiais mais longas dos 30.000 Mundos.” O Guia dos Sonhos Walter falou enquanto caminhava ao lado de Dorian, explicando algumas informações úteis a Dorian pelo lado. O navio voador em que eles estavam começou a progredir na Ponte Mundial, em direção ao portal brilhante que o separava no espaço caótico, longe do mundo exótico de Ballians.

“Estou ciente.” Ele era o Guia dos Sonhos, assim como alguns dos recém-formados subordinados da Força de Libertação da Moria, informaram-no há algum tempo sobre isso. Com sua Memória Jade, era impossível para ele esquecer.

“Nós apenas precisamos-huh-o que é isso…?”

WHOOSH!

O mundo ficou preto.

Dorian piscou.

“Huh, o que foi isso? Eu cochilei?” Dorian bocejou quando ele limpou os olhos, observando o ambiente ao acordar. Ele levantou as mãos claramente humanas, examinando-as curiosamente por um momento. Tudo estava normal.

Ele estava do lado de fora do Catalana Hotel-by-the-Water em Sydney, Austrália. Os sons da água pressionando contra o píer próximo eram reconfortantes, lembrando-o da praia em casa.

[Denn – Deixei o nome do Hotel em inglês porque, na história, ele existe no nosso mundo]

“Estou… certo. Estou com meus pais e alguns primos de férias. Todos voltaram para jantar enquanto eu disse que estava indo dar uma volta.” Por alguma razão, Dorian sentiu como se o mundo ao seu redor fosse estranhamente surreal. Ele esfregou a cabeça, massageando as têmporas.

Ele deu alguns passos à frente. As pessoas passaram lentamente por ele. Ele viu alguns casais admirando a vista, uma família rindo quando criança perseguindo uma gaivota e duas meninas correndo atrás dele. Era fim de tarde, com a luz quente começando a diminuir lentamente.

Ele desceu o píer, sentindo o cheiro do ar espumoso do mar. Eles estavam situados bem perto do oceano, em uma suíte de hotel de luxo que seu pai havia reservado especialmente. Em particular, o hotel ficava perto de uma pequena península. Do outro lado da faixa do oceano, outro hotel grande e luxuoso podia ser visto, com vários barcos se movendo na água.

“É lindo.” Ele pensou, olhando a água do oceano cintilante.

* splash *

Ele virou à direita, olhando para a estátua de um grande leão em escamas. Era uma fonte de algum tipo, atirando água no oceano.

“Huh, um leão. Isso me lembra algo…” Ele murmurou, olhando-o com curiosidade.

WHOOSH!

KEEEEEEEE!

Uma sensação de queimação se espalhou pela cabeça de Dorian quando ele ouviu um ruído inquietante de eco. Ele apertou a testa quando isso aconteceu, gemendo de dor.

“Uh, senhor, você está bem?” Um dos casais notou Dorian quando ele caiu sobre um joelho. O orador era uma mulher de 30 anos, cabelos castanho escuro e uma expressão preocupada no rosto. Ela estendeu a mão para ajudá-lo, pensando que ele havia caído.

“Memórias… Minhas memórias…” Dorian sussurrou, ignorando-a. A dor em sua cabeça continuou, como se duas partes de sua mente se chocassem. A dor continuou a aumentar quando ele se levantou, afastando a mão amiga da mulher.

“GRRRRR!” Dorian rugiu alto, seus olhos brilhando. Ele apertou os punhos, forçando o caminho através da dor apenas com força de vontade.

“Devolva minhas memórias!” Sua voz ecoou como um trovão, sacudindo o ar ao seu redor.

BUMM!

Abruptamente, a dolorosa resistência na mente de Dorian desapareceu. Um milésimo de segundo depois, uma onda de memórias voltou a inundá-lo.

Memórias de morrer aqui na Terra e de ser transportado para um estranho novo universo. Memórias de tornar-se dezenas de criaturas diferentes, de formas e formas inconstantes. De aprender técnicas poderosas ou criar seus próprios ataques de combate.

De fazer amigos e derrotar inimigos.

Memórias que ele não conseguia esquecer. Memórias que ele nunca iria querer esquecer, mesmo que seu criador alegasse que não era dele.

“Ahhh!” Dorian piscou, sentindo sua mente se restaurar completamente.

Ele sorriu.

“Memória de Jade, obrigado por isso.” Ele falou em voz alta, nomeando e agradecendo a habilidade que tinha vindo em seu socorro.

“Um leão… um dos rumores sobre a tribo dracônica decaída era que havia sido exterminada por um leão enorme.” Ele murmurou e depois sacudiu o pensamento perdido da cabeça.

“Então esta é uma zona de sonho, hein? Como isso nos atingiu na Ponte Mundial?” Ele olhou para a paisagem incrivelmente realista espalhada sobre ele. Ao seu redor, vários casais e famílias olhavam furiosos para ele, graças ao seu surto aleatório. Alguns deles estavam levando seus filhos embora, dando-lhe olhares silenciosos, como se Dorian pudesse ser uma ameaça para eles.

“Tentou afastar minhas memórias, ou algo assim. Mas, devido à minha habilidade Memória de Jade, não consigo esquecer nada. Não é possível. Portanto, as duas forças opostas colidiram e acabei escapando por algum tipo da brecha.” Ele assentiu. Tudo fazia sentido, pelo menos nesse aspecto.

Afinal, quantos seres tinham uma habilidade perfeitamente adaptada à memória? Provavelmente um número extremamente pequeno. Colocar algum tipo de salvaguarda para isso, se fosse possível, seria provavelmente considerado um desperdício de tempo e esforço.

“Mas e agora? Eu ainda estou aqui.” Ele olhou ao redor do cais por um momento antes de fechar os olhos. O Guia dos Sonhos havia afirmado que quase todas as zonas dos sonhos variavam. A principal maneira de sair de qualquer Zona de Sonho era ‘romper o núcleo do sonho’, o que poderia significar qualquer coisa, dependendo da pessoa. Conselho decididamente inútil.

WHOOSH!

Energia bruta e poderosa inundou o corpo de Dorian, aumentando sua força e físico tremendamente. O poder da Lei da Bravura condensou a energia em suas veias e músculos, aumentando enormemente sua força.

“Ainda posso usar todas as minhas técnicas, ao que parece. Pelo menos, posso recorrer às Leis aqui.” Uma sensação de alívio apareceu ao notar isso. Se era assim, ele não tinha medo.

“Ausra, você ainda está aqui?” Ele perguntou internamente.

“Sim.” Uma voz fria em sua cabeça respondeu.

Dorian assentiu com a resposta, voltando seu foco para o mundo ao seu redor.

De acordo com o Guia dos Sonhos, embora as zonas de sonho possam ser perigosas se alguém for pego em uma delas, elas não são uma sentença de morte. De fato, na maioria das vezes apenas uma era pega, era apenas uma questão de escapar e acordar.

E até o Guia dos Sonhos de classe Grande Mestre era capaz de escapar de muitas Zonas de Sonho e o havia feito várias vezes.

Assim, Dorian não estava muito preocupado.

“Só… como eu vou embora?” Ele começou a descer o píer, ignorando todas as pessoas olhando para ele. Embora Dorian não tenha percebido conscientemente, seu senso próprio e força de vontade cresceram a níveis tremendos ao longo do tempo em que existiu nos 30.000 mundos, em parte devido ao crescimento de sua alma poderosa. Mesmo se mil pessoas o encarassem, ele não ficaria nem um pouco perturbado.

Ele se afastou do píer e foi para a frente do hotel em que sua família estava hospedada. Ele podia ver vários carros estacionados na frente. Algumas palmeiras ergueram-se no ar, balançando com uma leve brisa.

“Oh uau, carros. Faz muito tempo desde que eu vi.” Ele murmurou enquanto caminhava até um deles, um Toyota Camry vermelho. Ele bateu no capô algumas vezes, passando os dedos sobre ele.

Se ele contava todo o tempo em que esteve nos 30.000 mundos, incluindo o tempo que passou preso naquela prisão mental quando foi forçado a curar sua alma, ele não via um carro há anos.

*ting*

Ele bateu o capô do carro com muito cuidado, assentindo enquanto ouvia um eco metálico retumbante.

“Esse sonho com certeza é incrivelmente realista.” Ele examinou, franzindo a testa. Se suas Memórias de Jade não tivessem restaurado sua mente completamente, Dorian não tinha dúvida de que ele estaria completamente convencido de que este era o mundo real.

Ele se afastou dos carros e entrou no saguão do hotel.

“Bem-vindo ao Catalana, como posso ajudá-lo?” Assim que ele entrou, uma mulher em pé na recepção o cumprimentou calorosamente. Ela usava um vestido azul apertado com o símbolo do hotel.

“Estou bem, obrigada.” Ele acenou para ela enquanto entrava e em direção ao centro do saguão, passando pela recepção. O hotel era caro, decorado com pinturas grandes e decorações de arte caras. O lobby do hotel era enorme, com vários quartos amplos, um restaurante aberto e um lago circular.

“Isso é exatamente como minhas memórias.” Dorian disse lentamente, perdendo-se de nostalgia enquanto olhava em volta. Ele caminhou até a lagoa, olhando os vários peixes nadando nela. No fundo, uma música relaxante tocava enquanto a brisa fresca de um ar condicionado varria seu corpo.

Tudo parecia e parecia semelhante ao que ele tinha visto e sentido aqui, há tanto tempo.

Abruptamente, seu coração caiu quando ele percebeu alguma coisa. Sua cabeça torceu quando ele olhou em direção ao restaurante aberto no saguão, seus olhos examinando tudo. Havia cerca de três dúzias de mesas de madeira, a maioria pela metade. O chão embaixo das mesas era de azulejos, de uma cor cinza pacífica.

Alguns segundos depois, ele encontrou o que estava procurando.

Uma família pequena que jantava em uma das mesas de madeira. Uma mulher que parecia ter 50 e poucos anos vestindo um confortável vestido amarelo. Ela tinha cabelos castanhos compridos e olhos azuis frios, com um sorriso pronto no rosto enquanto falava animadamente com o homem sentado ao lado dela.

Um homem que tinha uma linha do queixo forte, com cabelos castanhos curtos e olhos azuis brilhantes, um homem que parecia muito com a forma humana de Dorian. Seus olhos azuis estavam cheios de bondade e sabedoria, linhas de riso bem gastas cobrindo seu rosto.

O pai e a mãe dele.

“Tia Ella, Kelly continua cutucando meu hambúrguer!”

“Eu não fiz! Foi o Kyle!!”

A audição de Dorian se concentrou naquela mesa enquanto seus sentidos poderosos se concentravam, deixando-o ouvir um surto de conversa.

Conversas vindas dos outros dois membros da mesa. Uma menina de 12 anos com longos cabelos loiros amarrados em uma trança e um garoto de 10 anos vestindo um conjunto de sunga azul brilhante.

“Hahaha, oh, vocês dois. Kelly, não cutuque a comida do seu irmão. Kyle, não cutuque ela de volta.” O coração de Dorian doeu ao ouvir a voz velha, mas alegre, da mulher falando. Uma voz que trouxe de volta memórias fervilhando dentro dele.

“Escute a velha senhora, pequenos!” Ele ouviu o pai responder com uma risada calorosa.

“Oi, quem você está chamando de velhinha, seu idiota!” Sua mãe se virou e olhou para o pai, balançando um dedo para ele. Dorian não pôde deixar de sorrir, sorrindo como um tolo.

“Isso mesmo… nesta viagem, levamos os filhos da minha tia conosco, porque ela teve que sair por algumas semanas em uma viagem de negócios. Eles planejaram isso com antecedência.” Seus olhos se arregalaram enquanto ele processava isso, seus olhos avidamente bebendo na cena como um homem perdido no deserto bebendo água.

Isso foi idêntico. Tudo estava igual. Até os pequenos detalhes da vida, como os filhos de sua tia jantando com seus pais…

Foi tudo exatamente o mesmo.

“Mãe… Pai…” Dorian olhou para eles, quieto e pensativo. Suas mãos tremiam quando uma sensação avassaladora de desejo o encheu.

“Eu não me despedi da última vez…” Emoções varreram seu coração quando ele as viu. Independentemente de essas memórias serem realmente suas ou não, Dorian já havia decidido há muito tempo que as aceitaria como reais.

Vendo seus pais novamente depois de tanto tempo, depois de tudo o que ele passou …

Ele fechou os olhos, sentindo as bochechas úmidas. Sua morte repentina na Terra fora abrupta demais. O destino havia escolhido aquele momento para reivindicar sua alma, afastando-o da terra que ele conhecia. Havia tantas coisas que ele queria dizer a seu pai, a sua mãe. Para que eles soubessem que ele os amava, para pedir desculpas por todas as pequenas coisas que ele deixara impedi-lo.

No entanto, quando seu coração tremia de emoção, ele também se encheu de determinação.

“Ah. Então essa é a armadilha. Bem colocada, Zona dos Sonhos. Isso não é real.” Ele abriu os olhos e respirou fundo, forçando-se a controlar-se. Lágrimas escorreram por seu rosto quando ele desviou o olhar de sua família, não se permitindo ser pego pela visão. Tanto quanto ele queria, ele sabia que não podia se apegar.

Não quando Helena estava dependendo dele.

“Helena…” A respiração de Dorian era irregular quando ele começou a andar de volta pelo saguão, sentindo como se cada passo que ele dava pesasse mil libras. Seu corpo inteiro parecia estar gritando para ele parar, se virar e abraçar seu pai. Contar a eles tudo o que ele passou, tudo o que aconteceu, que eles soubessem o quanto ele sentia falta deles.

“Se fosse um momento mais simples, aqui na Terra, eu perguntaria se você queria sair para um encontro.” Ele esfregou os olhos enquanto seus pensamentos avançavam. Ele não podia permitir-se esperar aqui nem um momento. Ele afastou seus pensamentos, concentrando-se em Helena. O maravilhoso vampiro que literalmente caiu em sua vida. Ele fechou os olhos novamente enquanto se movia, fazendo todo o possível para se afastar.

Se ele se demorasse, temia não ser capaz de se virar novamente.

“Talvez eu possa chamar isso de encontro prolongado. Afinal, tecnicamente dormimos juntos. Bem, pelo menos, dormimos no mesmo quarto, embora em camas diferentes. Perto o suficiente. Provavelmente não deveria deixá-la me ouvir dizer isso.” De qualquer forma, ele se cumprimentou, conseguindo forçar um pequeno sorriso ao sair do hotel. Ao sair daquelas portas, sentiu um peso subir de seus ombros.

Parecia que ele finalmente se libertara de um passado que estava tentando arrastá-lo de volta. Ao mesmo tempo, no entanto, um sentimento pesado encheu seu coração. Um sentimento de perda, de solidão. De melancolia e tristeza. Como se ele estivesse desistindo de algo, algo que ele não poderia voltar.

Ele avançou sozinho do lado de fora, com os ombros encolhidos enquanto deixava para trás uma família que nunca mais veria.

[Careca: Capítulos atrasados dessa semana, volto amanhã normalmente e com um surpresa pros leitores das novels aqui do site!]


[Não esqueçam de comentar e recomendar]

[Leiam BEYOND?! O Denn finalizou a novel!]

Reborn: Evolving From Nothing – Capítulo 162
Reborn: Evolving From Nothing – Capítulo 164
COMPARTILHAR
Leitor inveterado Veterano na fundação da internet: "na minha época, isso tudo aqui era mato" Traduz, revisa, erra, conserta e ri.