Reborn: Evolving From Nothing – Capítulo 139

1057
Reborn: Evolving From Nothing – Capítulo 138
Reborn: Evolving From Nothing – Capítulo 140

Tradução: Denn | Revisão: The Careca


Futuro

“Bem-vindo à Porta do Esplendor, desafiante!” A voz de Ausra da Ruína ecoou na cabeça de Dorian quando ele tocou a grande porta e se teleportou mais uma vez, para uma das provações mágicas que Yukeli havia montado.

“Sim! Funcionou!” Dorian pensou alegremente, retornando à sua forma de Vampiro da Ira. Ele olhou para suas roupas com aprovação. Elas não tinham se destruído. Comprar o conjunto foi provavelmente uma das suas melhores compras até hoje.

Ele conseguiu escapar do Príncipe Santo usando o seu plano de backup.

Se ele não pudesse blefar ou lutar para sair, ele sempre poderia fugir usando suas habilidades como uma Anomalia. No momento antes dele ter sido atacado por aquele golpe final, Dorian percebeu que seu inimigo era simplesmente poderoso demais para encarar de frente, pelo menos agora. A capacidade de reviver era muito forte e, mesmo sem isso, o Príncipe Sagrado era um inimigo mortal.

¤¤¤

Dorian – Alma

Estágio da Alma: Classe Lorde (Alta)

Saúde: Perfeito

Energia: 17,218 / 112,221

¤¤¤

“Nossa. Isso chegou perto demais.” Ele pensou ao verificar seu status, balançando a cabeça.

Ele só conseguiu levar o Príncipe para fora tantas vezes devido a pegá-lo de surpresa e constantemente mantendo a pressão. Com suas reservas de energia baixas, Dorian optou por fugir em vez de continuar em combate.

Então, pouco antes da lança atravessá-lo, Dorian havia se transformado em sua forma de Salamandra Vermelha e imediatamente a condensou novamente, tornando-se um lagarto bebê.

Isso fez com que a lança sentisse a falta dele inteiramente.

Ele então se aproveitou do choque de Isaac para correr até a Porta do Esplendor e colocar uma pequena garra nela, ativando o desafio.

“No entanto, isso só vai funcionar com ele uma vez.” Dorian pensou, esfregando o queixo. Ele não seria capaz de usar esse plano contra a mesma pessoa duas vezes.

Ele sacudiu os pensamentos de sua cabeça enquanto olhava ao redor, levando em conta onde ele havia sido deixado.

Ele foi teletransportado para uma nova sala. Semelhante ao pátio, era uma sala escassamente decorada, com paredes de pedra cinza, um piso de pedra cinza e um teto de pedra cinza. Tudo parecia monótono.

Exceto pela entrada e saída do quarto. Uma cópia idêntica, embora muito menor, da porta que havia sido colocada naquele pátio. A porta do esplendor.

“Hã?” Ele murmurou, olhando para ele. Enquanto ele falava em voz alta, o Ausra da ruína respondeu:

“Desafiador, Este julgamento é um teste de sua força de vontade! Abra esta Porta do Esplendor e encontre por ela a sua recompensa destinada!” Seu conselho foi um pouco mais útil do que o Ausra em sua cabeça normalmente era.

“Tudo bem…” Ele deu de ombros e bateu em seu Anel Espacial.

WHOOSH!

Uma capa encadernada de papel apareceu em suas mãos. Diário de Yukeli.

Dorian abriu-a e começou a olhar através dele, deslizando sobre tudo até que, eventualmente, encontrou algo sobre o desafio que estava enfrentando no momento.

“Hoje, terminamos a construção do primeiro desafio nas Ruínas da Ascensão, como decidimos chamá-los!”

“Um desafio que chamamos de Porta do Esplendor!”

“Esta é uma das nossas maiores incursões em experimentar com o destino. Ausra e eu queríamos criar algo que pudesse fazer com que o Destino manipulasse a si mesmo de bom grado. Como estamos agora, nem Ausra nem eu possuímos o poder de mudar o destino, e devemos confiar em fatores externos.”

“O desafio é simples. Ele testa a força de vontade do desafiante. Ele explora as forças do próprio Destino, projetando uma visão de um possível futuro que o desafiante temeria.”

“Tudo o que mostra é uma possibilidade real que pode ocorrer. O futuro mostrado é apenas um de muitos, e não há garantia de que o futuro se tornará realidade, pois as forças do Destino são abstrusas. Mesmo eu não posso julgar verdadeiramente os méritos do que a porta mostra.”

“Enquanto o desafiante puder ver qualquer futuro que for lançado sem entrar em colapso, e qualquer um que espere absorver o forte conhecimento ou tesouro que deixei para trás deve ter pelo menos essa força de vontade, eles serão recompensados é o que eles mais desejam nas ruínas da Ascensão.”

“A construção deste desafio levou meses e foi incrivelmente caro, mas acho que, hoje, finalmente chegamos a um ponto em que estou satisfeito! Este é um dos maiores desafios e um dos mais importantes!”

Dorian colocou o diário no chão, seus olhos estavam brilhando.

Se ele passasse isso, ele seria recompensado com o que quer que ele mais desejasse?

Isso não significa que ele estava apenas a um passo de salvar Will? Tudo o que ele queria era um vasto suprimento de tesouros e se sua recompensa por completar esse desafio era o que ele queria…

“Como eu começo o desafio, Ausra # 2? Ou, eu acho que você é a Ausra original, hein?” Dorian perguntou, ficando um pouco fora do caminho certo. O diário não continha quaisquer outras especificidades sobre a composição do julgamento.

Ausra # 2 não respondeu. Dorian franziu a testa, mas então percebeu que ela não devia ser um gênio como o seu Ausra era. A voz provavelmente foi pré-gravada e não responderia a perguntas.

“Eu provavelmente vou até a porta.” Dorian deu de ombros quando chegou a essa conclusão.

Ele não hesitou quando deu um passo à frente, caminhando até ela. Ele parou bem na frente da porta resplandecente, olhando para ela com a respiração suspensa.

Ele descansou a mão direita sobre ele.

E instantaneamente sentiu o mundo ao seu redor tremer.

De repente, sem nenhuma fanfarra, Dorian se viu parado no topo de uma colina gramada sozinho. A luz agonizante do sol iluminou o céu noturno, dando às árvores mortas que estavam de pé, dobradas e quebradas perto de Dorian, uma aparência misteriosa.

“Huh…” Dorian murmurou, olhando para as mãos. Elas eram humanas. Seu corpo havia se transformado no corpo humano por algum motivo.

“Não.” Ele pensou, balançando a cabeça. Ele levantou as mãos para o sol.

Suas mãos eram translúcidas. Ele havia se tornado uma espécie de espírito ou forma insubstancial de algum tipo. Dorian ainda via sua alma como humana, ele imaginou que era isso.

“Hahaha!” O riso de uma criança atraiu a atenção de Dorian para o sopé da colina.

Na base da colina, Dorian podia ver o que parecia ser uma vila velha, quase destruída. Na periferia, Dorian conseguia distinguir uma mulher de aparência atormentada arrastando ao longo de um trio de crianças, dois meninos e uma menina. Um quarto filho, um menino de cabelos castanhos e olhos alegres, correu à frente, rindo despreocupadamente enquanto levantava uma pedra brilhante. Todos usavam roupas desarrumadas, sem graça e sem cor, e não podiam ter mais de 5 ou 6 anos de idade.

“Não! Bori! Calma! Não agora!” A mulher gritou, seu corpo ficando embaçado quando ela correu para frente e o agarrou. Ela olhou em volta furiosamente, as mãos tremendo.

WHOOSH!

Eeeeeeeeee…

Fracamente, ao fundo, Dorian ouviu uma brisa sinistra ecoar. Um ruído estranho e agudo acompanhou-o, que o fez estremecer.

Ao ouvi-lo, Dorian percebeu alguma coisa. Ele reconheceu a mulher.

Era Helena.

Todas as crianças pareciam ser meio vampiro, meio humano. Mas não uma raça normal de humanos, observou Dorian. As crianças pareciam ter um brilho mágico sobre elas, como se fossem especiais de alguma forma que Dorian não conseguia distinguir de vista.

“Quieto Bori, crianças! Aqui agora, rapidamente.” Sua voz era silenciosa, ainda carregou todo o caminho até a colina para Dorian. Helena correu para um dos prédios decadentes, carregando as quatro crianças ao mesmo tempo.

“Helena! Helena, sou eu!” Dorian tentou gritar, sem efeito. Ele descobriu que não podia chamar, sua voz incapaz de fazer um barulho. Ele observou enquanto ela se movia passivamente, incapaz de entender o que estava acontecendo.

No entanto, quando ela ouviu os ruídos estranhos e lúgubres, um olhar de desespero cobriu seu rosto, que foi rapidamente reprimido. Ela colocou os três garotos e uma garota para baixo, rapidamente empurrando-os para dentro da casa.

“Mamãe tem que sair, Bori, Hella, Lawrence, Micheal.” Helena começou, dando a todos um sorriso caloroso. Suas mãos tremiam atrás das costas enquanto ela falava, escondida das crianças.

“Mais uma vez mãe? Me desculpe!” O rosto de Bori estava cheio de medo, emoções que uma criança nunca deveria sentir-se aparecendo. As outras crianças se amontoaram juntas, agarrando-se umas às outras em busca de apoio, seus pequenos braços se segurando firmemente.

“Tudo bem. Eu voltarei em algumas horas, meus bebês. E se eu não fizer, todos vocês sabem o que fazer, certo?” Helena disse, dando-lhes todos os sorrisos quentes.

“Sim, mãe! Vamos continuar em direção ao Último Paraíso.” As crianças sussurraram baixinho. Todos eles imediatamente se viraram e correram para dentro da casa, se escondendo.

“Sim, crianças…” Helena sussurrou, sua voz tensa, tão cheia de dor que Dorian sentiu como se estivesse prestes a ficar doente, desesperado para ajudá-la.

“Talvez esse homem… possa protegê-lo… eu não sou mais suficiente…” Ela fechou os olhos em silêncio por um breve momento. Uma única lágrima caiu pelo rosto dela.

ESTRONDO!

Uma explosão soou, agitando o ar. Dorian se virou para procurá-lo, não vendo nada que pudesse ter causado isso.

Helena, no entanto, saiu da porta, olhando para o céu. Seu corpo começou a tremer, mas seus olhos eram como aço, ferozes e inflexíveis. Dorian podia sentir uma grande coragem nela, valor indescritível.

“Helena!” Ele tentou gritar de novo, agarrando seu cabelo. Ela o ignorou, continuando a correr até que estivesse a várias centenas de metros da casa em que as crianças estavam se escondendo.

BAQUE!

Helena parou quando um baque retumbante ecoou, atraindo a atenção de Dorian e Helena.

Ela estava na entrada norte da cidade decadente, a Praça da Cidade. Videiras e capim coberto cobriam o chão de pedra, dando ao lugar uma aparência antiga e arruinada.

No meio deste pátio havia um ser do tipo que Dorian nunca tinha visto.

Era um humanoide razoavelmente demoníaco, coberto de escamas pretas e cinzas. Era grande, com cerca de 3 metros e meio de altura. Seu corpo era espesso e extremamente musculoso, produzindo uma sensação de força. A luz da energia verde parecia fluir dentro do corpo da criatura, ligeiramente visível dentro da balança. Dois grandes chifres curvos jaziam sobre a cabeça, brilhando com energia verde.

Nas suas costas havia um conjunto de asas negras dobradas, a sempre presente energia verde pálida visível dentro delas, enquanto uma cauda longa e grossa saía da formidável parte inferior das costas da criatura.

O ser não usava roupas, as escamas pretas cobriam quase cada centímetro de seu corpo, proporcionando-lhe uma ampla proteção. Seu rosto era cinza, um rosto em grande parte humanoide com uma mandíbula forte, um nariz regular e dois olhos que brilhavam com a luz verde pálida.

[Denn – Forma do Demônio]

“Corra, Helena! Não lute contra isso!” Dorian gritou com toda a força enquanto tentava fazer Helena fugir, olhando horrorizada enquanto ela confrontava o ser. A criatura inteira emitia tal senso de poder que Dorian sabia que ele próprio seria achatado por um instante.

O próprio ar parecia girar em torno da criatura, como se tentasse escapar, mas incapaz.

“Eu finalmente te encontrei pessoalmente, minha querida Vampira.” O Demônio falou, sua voz surpreendentemente rica e suave, desmentindo sua aparência temível. Dorian estremeceu ao ouvi-lo, no entanto. Parecia estranhamente familiar.

O corpo de Helena pareceu balançar quando ela olhou para a criatura poderosa. Ela respirou fundo.

Um lindo halo branco apareceu flutuando acima de sua cabeça. O ar ao seu redor parecia fluir mais rápido enquanto ela permanecia sozinha, encarando o ser como se fosse o maior inimigo que já enfrentara.

“Até você também vai ficar contra mim, Helena?” O Demônio soou desapontado, sacudindo sua grande cabeça.

“Depois de tudo que passamos juntos, você desistiria disso?” A criatura suspirou.

“O que você fez?” Helena falou em voz alta, seus olhos eram frios quando ela olhou para o ser.

A criatura de escama preta suspirou novamente.

“Você não entende nada, Helena. Eu realmente entendi aquilo que Ele, Yukeli, buscou. Perfeição… não pode ser encontrado na realidade. A única maneira de encontrar a perfeição é reformular a própria realidade. Esse caminho… só ficou óbvio depois de viver verdadeiramente novamente, enquanto carregava suas memórias e experiências.” A voz do ser estava cheia de paixão enquanto falava, uma sensação de grandeza e mistério se espalhando.

“O que você fez.” Ela cuspiu em voz alta, seus braços tremiam ligeiramente.

“Eu fiz o que eu disse que faria. Eu fiz a coisa certa.” Sua voz estava calma quando ele respondeu:

“Separei todas as pontes do mundo que ligavam os 30.000 mundos ao Mundo Fonte. A separação durou apenas 30 segundos. Afinal, não quero destruir os 30.000 mundos. Longe disso. Estou aqui para salvá-los.”

“Mundo Fonte? Separado?” Dorian não entendeu, mas teve uma sensação de afundamento em seu estômago.

“Não… Não…” Helena balançou a cabeça, as lágrimas saindo de seus olhos. Sua boca se abriu em horror, uma sensação de grande e enorme perda a preenchendo.

“Sim, Helena. Tinha que ser feito.”

“As tempestades espaciais que a destruição desencadeada não pode destruir um mundo, não em 30 segundos. Eles só podem acabar com todos, ou a maioria, da vida nele. Mesmo que um mundo seja destruído, pelas Leis do Universo ele irá se reformar depois de dez milhões de anos, enquanto o Mundo Fonte ainda estiver conectado.” O ser disse, acenando com a cabeça.

“Eu dei nova vida aos 30.000 mundos. A vida que, sob minha mão orientadora, terá a chance de alcançar a perfeição.”

“Não a vida abandonada como inútil pelos muitos.”

“Não a vida que é ridicularizada e torturada, brutalmente morta por aqueles mais fortes.”

“Não a vida onde os fracos passam fome enquanto os poderosos são glutões.”

“Uma vida de igualdade e justiça. Onde todos os seres vivem juntos em harmonia. Nenhuma matança sem sentido, nenhum caos sem sentido. Paz e felicidade devem reinar.”

“Você… você é um monstro.” Helena cuspiu, o ar ao seu redor tremeu quando ela colocou as mãos para cima, encarando a criatura.

“Sim… eu sou um monstro. Mas eu fiz o que precisava ser feito. Você viu a violência, o ódio, dessa realidade. O mal que as pessoas espalham.” O ser suspirou, balançando a cabeça tristemente.

“Trilhões de inocentes morreram em suas mãos e você tem a ousadia de parecer triste? Como se atreve. Como você se atreve!” Os olhos de Helena assumiram um brilho feroz e ardente. Sua voz estava cheia de partes iguais de ódio e horror,

“E pensar que uma vez eu te amei.” Ela cuspiu puro veneno.

“Eu ainda amo você, minha querida.” O ser disse de volta, olhando para Helena em voz baixa.

Helena fechou os olhos por um breve momento, outra lágrima escorrendo pelo rosto.

“Adeus, Dorian.” Helena abriu os olhos. Nenhum amor ou tristeza apareceu em seus olhos mais. Apenas pura e violenta raiva e determinação.

Dorian, do futuro, suspirou.

“Adeus, Helena.”

WHOOSH!

ESTRONDO

A visão de Dorian ficou branca.

Um segundo depois, ele reapareceu no quarto com a Porta do Esplendor.

De pé sozinho, todo o seu corpo tremia quando ele se recuperou do que acabara de ver. Uma visão de um futuro possível.

“ACEITAR OU CAIR, A ESCOLHA É SUA!” Enquanto Dorian tremia, com o coração em um milhão de direções, uma poderosa voz autoritária apareceu em sua mente, cheia de força. A voz mais jovem de Yukeli.

O julgamento julgou o estado emocional de Dorian e sua capacidade de lidar com ele mesmo.

Emoções ameaçaram invadir Dorian quando a visão se estabeleceu nele. Ele cerrou os punhos, no entanto, recusando-se a recuar, mantendo um pensamento forte em sua mente.

“É apenas uma possibilidade. Não é uma realidade certa. Apenas uma possibilidade.” Ele disse, repetidamente, forçando de volta a incrível sensação de dor, horror e medo que ele sentia tentando se espalhar sobre ele. O fato de ter sido ele, matando trilhões, até matando Helena, forçando as crianças a se esconderem em terror…

Como isso aconteceu?

Alguns segundos se passaram enquanto ele estava trancado em uma intensa batalha interna, forçando seu corpo a parar de tremer.

Mais alguns segundos se passaram em silêncio.

WHOOSH!

O corpo de Dorian pareceu flutuar e desaparecer.

Ele havia passado com sucesso a Primeira Prova das Ruínas da Ascensão.

[Careca – Ka-ra-le-ooooo! Que foi isso!]


[Não esqueçam de comentar e recomendar]

[Leiam BEYOND?! O Denn finalizou a novel!]

Reborn: Evolving From Nothing – Capítulo 138
Reborn: Evolving From Nothing – Capítulo 140
COMPARTILHAR
Leitor inveterado Veterano na fundação da internet: "na minha época, isso tudo aqui era mato" Traduz, revisa, erra, conserta e ri.