Reborn: Evolving From Nothing – Capítulo 137

88
Reborn: Evolving From Nothing – Capítulo 136
Reborn: Evolving From Nothing – Capítulo 138

Tradução: Denn | Revisão: The Careca


A Porta

Dorian poderia tentar blefar com as duas Anomalias e era possível que ele pudesse ter sucesso.

Mas quando Mello começou a falar, Dorian o reconheceu. Quando as outras duas Anomalias, a que se chamava Veritas e um dos clones de Mello, começaram a desencadear suas Auras, Dorian tomou uma decisão em fração de segundo.

Ele estava certo no limite de toda a sua jornada, uma longa viagem com um objetivo singular: salvar a vida de um amigo.

Essas duas Anomalias podiam competir com tudo o que queriam, por tudo que ele se importava. O que mais importava para ele agora era reviver Will. Depois disso, ele avançaria um passo de cada vez.

Como eles disseram na Terra, ‘Discrição é a melhor parte do valor.’

Baque!

Baque!

Os pés de Dorian soaram enquanto ele corria pelo corredor de pedra, correndo para longe do escritório de Yukeli. Quando ele fez uma retirada tática, ele observou a área ao redor dele.

O corredor era monótono e não muito comprido, apenas alguns metros. Havia algumas outras portas para outras salas nas laterais, mas o que Dorian estava mais interessado estava na frente dele.

Uma abertura arqueada que levava a um grande castelo.

Em apenas alguns segundos, ele cruzou a distância até o arco.

Assim que ele tocou, no entanto, o mundo ao redor de Dorian estremeceu. A vista através do arco ondulava, como se ele estivesse tocando uma poça de água.

“Hã? É um portal de algum tipo?” O primeiro pensamento de Dorian foi que este era algum tipo de portal ou ferramenta de transporte. Quando ele enfiou a mão por ele, sentiu o ar quente roçando nas pontas dos dedos, uma brisa que não existia naquele lado do arco que fluía.

ESTRONDO

WHOOSH!

Atrás de Dorian, uma explosão de energia veio do estúdio quando uma briga começou entre as duas outras Anomalias.

“Bem…” Dorian pensou, esfregando o queixo.

“Pelo menos eu peguei isso.” De seu Anel Espacial, Dorian retirou uma coleção encadernada de papel envelhecido, um diário antigo, que havia sido perfurado por uma pequena lâmina em sua metade inferior direita.

Diário de Yukeli.

No momento em que ele se virou para fugir, Dorian havia sacado uma pequena adaga, apunhalando o diário que ele havia deixado de lado. Logo depois, ele ativou sua capacidade de manipulação magnética básica, puxando o diário para ele.

Ele então reservou, tudo em um movimento suave, enviando o diário para o seu Anel Espacial.

“Está um pouco danificado, mas deve estar bem legível.” A faca que ele havia jogado fora uma das mais de uma dúzia que ele pegou quando reabasteceu alguns dias atrás. Era pequena, apenas meia polegada ou mais e ainda mais fino.

ESTRONDO

Outra explosão de energia se espalhou pelo corredor enquanto as duas anomalias realmente começavam a lutar.

Dorian enfiou o diário de volta em seu Anel Espacial e, em seguida, caminhou para frente, seu coração estava cheio de determinação.

“Eu estou indo te salvar, Will.” Ele murmurou em voz alta, os olhos ferozes e determinados.

Ele caminhou completamente através do arco do portal e foi imediatamente transportado para longe. Atrás dele, os sons de combate continuaram quando o clone de Mello lutou contra a Anomalia de Classe Rei Veritas.

Deixando ninguém ciente das figuras que podiam ser vistas se movendo perto da base do castelo, onde um par de Vampiros estava enfrentando, com uma garota de orelhas de raposa no reboque.

¤¤¤

“Trajano! O que você acha que está fazendo?! Você não pode simplesmente sair assim!” A voz de Helena era áspera, mas cheia de autoridade enquanto ela olhava para seu companheiro de equipe, um Vampiro que ela considerava um amigo.

Ela estava de pé na periferia de um enorme castelo de pedra. Ao redor dela, uma paisagem estéril e rochosa se espalhava, algumas árvores mortas pontilhando-a. Um grande fosso de dez metros de largura estava entre ela e o castelo. O céu acima estava coberto de nevoeiro, tornando o teto impossível de ver. Da mesma forma, a distância estava envolta em neblina, significando que a única coisa visível era o castelo próximo e a paisagem árida.

O castelo era feito de pedra e coberto de raias frias de energia branca. Enquanto Helena olhava para ela, ela percebeu que se sentia vagamente ameaçada por aquela energia. Parecia que escalar o castelo ou tentar passar por cima seria uma péssima ideia.

“Pare de me seguir, Helena. Estou fazendo o que preciso fazer.” A voz de Trajano estava rouca quando ele olhou para Helena. Ele estava do outro lado do fosso, longe dela e perto do castelo.

Quando os portais foram ativados, todos dentro deles foram transportados para longe. Trajano havia se encontrado do lado de fora do castelo, separado de seu grupo. Não importava em qual entrada você estivesse, todos os seres em um portal seriam teleportados aleatoriamente, independentemente do agrupamento.

Quando ele apareceu no chão, ele coincidentemente encontrou Helena. O outro vampiro apareceu não muito longe dele e o viu ao longe.

“Você não pode se vingar por conta própria! Eu entendo que a morte de Probus bateu forte em você, mas…” Helena começou, sua voz urgente. Ela foi cortada, no entanto.

“Eu não estou tentando me vingar.” Trajano interveio, sua voz calma e fria.

“Vou trazer o Probus de volta.” A voz de Trajano continha fervor dentro deles, seus punhos cerrados.

Helena olhou de volta para ele, uma expressão confusa no rosto.

“Trajano… Probus caiu. Você não pode trazer de volta os mortos…” Ela começou, sacudindo a cabeça.

“Não, Helena. Aqui… Aqui os mortos podem ser trazidos de volta. Eu sei disso de fato.” Trajano lançou-lhe um olhar e depois se virou, dirigindo-se a uma das várias entradas das grandes muralhas que cercavam o grande castelo de pedra.

Cada entrada tinha vários metros de largura e altos buracos esparsos na grande fortaleza que estava orgulhosamente aberta.

“Trajano! Você sabe que isso não pode ser verdade!” Helena voltou, sacudindo a cabeça.

Trajano a ignorou, no entanto, enquanto continuava a se afastar.

“Trajano! Trajano! Maldito!” Ela gritou atrás dele, batendo com o punho na palma da mão em frustração. O ar bateu ao redor dela no impacto, tremendo pela força.

“É verdade… eu preciso que seja…” Trajano sussurrou baixinho, a forma dele se desfazendo enquanto ele corria para a entrada de pedra. Ele desapareceu através dele, desaparecendo.

Helena observou-o ir embora, o rosto amargo e pensativo enquanto tentava descobrir o que fazer.

“Por que você se incomodou em tentar? Ele claramente não quer sua ajuda.” A voz de Arial estava quieta enquanto ela falava, puxando a gola que estava presa ao pescoço.

Helena se virou e olhou para ela, sacudindo a cabeça.

“Eu não vou desistir dele só porque ele não quer minha ajuda. Eu posso consertar isso.” Ela respondeu, voltando-se para olhar para o fosso e a entrada. Uma pequena ponte cruzava o fosso a apenas alguns metros de distância. Ela começou a se mover em direção a ele, apontando para Arial seguir. Com o colarinho mágico enrolado no pescoço de Arial, a Raposa Usa Luz tinha pouca escolha.

“Mas o que você está fazendo, Trajano? Você não pode trazer os mortos de volta à vida… Nem mesmo aqui no Magm…” Enquanto ela falava consigo mesma, ela se interrompeu abruptamente quando uma lembrança brilhou em sua mente.

Uma lembrança de um homem que ela admirava conversando com ela.

Dizendo a ela como ele iria resgatar seu amigo.

Não, não apenas resgate.

Ele ia reviver seu amigo.

Aqui, no planeta Magmor.

“Dorian. Dorian deve estar aqui, em algum lugar! E ele saberá!” Ela falou em voz alta, os olhos iluminados de excitação. Se Trajano acreditava que havia uma maneira de reviver Probus aqui, então provavelmente havia algo sobre isso. Dorian dissera que iria reviver seu amigo em Magmor também.

Não poderia haver tal coincidência.

Indo pelo tempo que eles viajaram… era provável que este fosse o lugar que Dorian estava falando! Na verdade, era possível que ele estivesse aqui agora!

“Trajano! Espere! Eu vou te ajudar!” Imediatamente Helena explodiu em uma corrida, correndo para frente. Arial correu atrás dela, com seu peito arfando.

Não de esforço, no entanto.

Mas a partir de uma única palavra.

Quando Helena gritou o nome ‘Dorian’, os olhos de Arial se arregalaram em choque, sua boca se torcendo.

“Do… Dorian?” Seus olhos ficaram embaçados enquanto corria atrás de Helena, apreensão enchendo-os.

¤¤¤

“As Ruínas da Ascensão são preenchidas com uma variedade de provações e tribulações. Cada um é destinado a testar o conhecimento, habilidade ou força de vontade de um participante.”

Dorian leu a linha do diário em sua cabeça, ponderando enquanto olhava ao redor da entrada do grande castelo coberto de energia.

Ele apareceu do lado de fora do castelo, no meio de uma paisagem árida, quando atravessou o arco. Parecia tê-lo transportado totalmente, sem deixá-lo voltar para a área escondida, pelo menos não diretamente.

“Este castelo na minha frente deveria ser as próprias ruínas.” Dorian murmurou, esfregando o queixo.

A quantidade de trabalho e esforço dedicados a criar essas Ruínas, para torná-las tão fatídicas quanto possível, deve ter sido obscena. Yukeli tinha sido extremamente dedicado aos seus esforços.

“Bem, eu poderia muito bem passar por isso.” Dorian deu alguns passos para frente.

Ele estava em pé em uma das entradas do castelo, depois de atravessar um fosso para chegar até aqui. A entrada era um buraco de pedra cinza, quase como se tivesse sido lapidado diretamente no próprio castelo, sem decoração ou outras indicações de uma porta.

No final da entrada curta, Dorian podia ver um pátio aberto. Era pequeno, apenas uma dúzia de metros de largura e comprimento. Não parecia haver uma entrada ou saída óbvia para o pátio, pelo menos não para Dorian ver a partir daqui.

Sem esperar, Dorian atravessou a entrada.

WHOOSH!

Assim que ele entrou no pátio, uma brisa passou por ele. Ao mesmo tempo, ele ouviu uma voz soar em sua cabeça,

“Bem-vindo, desafiante, às ruínas da Ascensão. Teste seu conhecimento, habilidade e força, buscando as recompensas estabelecidas para os descendentes dos 30.000 mundos. Capacitem-se, busquem a perfeição e alcancem a Ascensão.”

Uma mensagem de boas-vindas soou cheia de potencial promissor e épico. Enquanto Dorian ouvia isso, no entanto, as palavras se desvaneceram ao fundo quando ele reconheceu a própria voz.

“Ausra! É você!”

O gênio em sua Matriz de Feitiços da Alma não respondeu, não inesperadamente.

A voz que ele ouviu foi exatamente a mesma que a de Ausra.

“Eles realmente trabalharam juntos nisso… Só para ele matar você…” A pena da pobre mulher encheu o coração de Dorian.

“Você é o 48º desafiante a chegar. Você será automaticamente transportado para o Grande Pátio, onde todos os outros competidores estão esperando. Se prepare.” A voz falou na cabeça de Dorian novamente.

“Espere um pouco…” Dorian começou, seus olhos se arregalando. Isso não fazia parte do seu plano.

Antes que ele pudesse objetar mais, no entanto, a luz brilhou ao redor dele em um crescente, temporariamente cegando-o. O mundo parecia se estender ao redor dele quando, mais uma vez, ele se teletransportou, desaparecendo do pequeno pátio em que ele estava parado. O som pareceu se estender e sumir quando seus sentidos se descontrolaram.

“Hup!” Dorian grunhiu quando se sentiu aterrissar. Ele piscou os olhos furiosamente, limpando-os quando o som retornou.

Olhando para um grande pátio de cem metros de largura. O chão era feito de pedras finamente cortadas neste pátio, esculpidas em padrões intricados. A energia branca flutuava a cerca de 50 metros acima, cortando o acesso ao céu. As paredes subiam até a energia branca, coberta de representações artísticas de anjos subindo ao céu, dragões voando livremente, fênix subindo das cinzas e várias outras lendas épicas.

Na frente do pátio, e a única entrada ou saída que Dorian podia ver, havia uma porta gigante de 20 metros de altura, coberta de ouro e prata. A porta era imponente, com uma presença pesada, quase como se fosse um poderoso guerreiro em vez de, bem, uma porta. As paredes ao lado da porta eram translúcidas e nebulosas, permitindo que o resto do grande castelo fosse visível, dando uma grande imagem de esplendor.

O pátio não estava vazio.

Longe disso, na verdade foi preenchido com uma variedade de pessoas.

Humanos, Sombras, algumas outras raças. Alguns em pé juntos, outros separados. Cerca de 20 pessoas no total.

Todos eles parados, olhando para uma grande porta de 20 metros de altura que levava à entrada principal do castelo.

Assim que Dorian apareceu, vários dos outros desafiantes se viraram e olharam para ele.

“Bem-vindo, desafiante. O primeiro desafio diante de você aguarda. A porta do esplendor. Passe por ele para ser recompensado.” A voz na cabeça de Dorian ecoou enquanto o informava do desafio, embora não lhe desse muito para trabalhar.

Apesar de ser o 48º desafiante, de acordo com o Ausra da Ruína, restavam apenas 20 pessoas aqui. Os outros 28 já devem ter seguido em frente.

Dorian ignorou quase completamente isso, no entanto, seus olhos atraídos por uma visão que o deixou chocado.

Ao lado do pátio, algumas figuras podiam ser vistas à distância. Duas dessas figuras estavam conversando entre si de maneira animada. Um deles era um Vampiro de cabelos curtos, vestindo um conjunto de armadura de couro, enquanto o outro parecia ser um Mago Vampiro cego usando um conjunto de vestes cinza.

“Helena?! Eu encontrei você!” O coração de Dorian pulou alegremente quando a viu, querendo correr para frente e se declarar instantaneamente.

Ela estava conversando com outra figura que Dorian reconheceu, Trajano, um de seus aliados.

A figura atrás de Helena, no entanto, foi o que quase o deixou em choque.

“Isso é… Arial?” Raiva e confusão foram as únicas emoções que Dorian sentiu quando avistou a Raposa Usa Luz que o traíra e o deixara morto na Blizzaria.

“O que você está fazendo com Helena?” A protetividade encheu Dorian quando ele viu isso, seus punhos cerrados.

WHOOSH!

No entanto, quando ele estava prestes a dar um passo à frente, uma rajada de ar ecoou quando uma nova figura apareceu.

Um homem vestindo um conjunto de armaduras de couro cinza desbotado com a insígnia de um sol dourado estampado nele.

O homem, não, Dorian se corrigiu enquanto o estudava, o Sombra, olhou ao redor do pátio, examinando a todos. Quando os olhos do Sombra correram por ele, Dorian sentiu uma sensação fria e nervosa se espalhar sobre ele, como se estivesse enfrentando um poderoso inimigo.

O Sombra se portava com um senso de realeza e autoridade, quase como se ele fosse um rei ou príncipe.

Os olhos do Sombra pareciam acender quando eles pousaram no grupo de Helena ao lado. Especificamente, como eles pousaram em Arial. O ar ao seu redor estava repleto de força, uma pura Aura real libertadora.

¤¤¤

Espécie: Sombra

Classe – Classe Rei (Médio)

Nível Máximo de Energia: 1,102,630

¤¤¤

“Ah, nos encontramos de novo, pequena raposa! Temo que você não vá escapar tão facilmente desta vez.”

[Careca – E minhas semanas viajando não terminam!! Cap de quarta hoje e de hoje saí amanhã. Beijo me amem! ]


[Não esqueçam de comentar e recomendar]

[Leiam BEYOND?! O Denn finalizou a novel!]

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!

Reborn: Evolving From Nothing – Capítulo 136
Reborn: Evolving From Nothing – Capítulo 138
COMPARTILHAR
Leitor inveterado Veterano na fundação da internet: "na minha época, isso tudo aqui era mato" Traduz, revisa, erra, conserta e ri.