Reborn: Evolving From Nothing – Capítulo 11 – Dia de Sorte

3525
Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 10 - Chegando Perto
Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 12 - Confusão

Ative o Modo Noturno


Tradução: Denn | Revisão: The Careca


A região montanhosa em que Dorian se encontrava era conhecida como as Montanhas Nebra. A grande floresta ao sul se chamava Floresta dos Mil Carvalhos. As montanhas se estendiam por várias dezenas de quilômetros, enquanto as florestas se estendiam por quase trezentos quilômetros, ocupando enormes extensões de terra, todas cheias de feras.

O local em que Dorian originalmente havia aparecido se encontrava a cerca de 30 quilômetros das Montanhas Nebra, em uma pequena clareira perto de um rio. Uma cratera de terra áspera marcava esse local pitoresco, uma cratera em que a grama e as plantas estavam começando a reclamar.

No córrego desse rio, uma jovem salamandra com escamas verdes, com cerca de três quartos de metro de comprimento, se movia lentamente, olhando para baixo com cuidado. Suas garras brilhavam enquanto se preparava para atacar qualquer peixe infeliz que se aproximasse. O rio brilhava com um cintilante azul perolado, com a luz do sol da manhã refletindo-se nele.

No momento que a salamandra estava se preparando para atacar, uma figura borrada surgiu por trás e a golpeou pelas costas, perfurando diretamente o coração da salamandra. Uma pesada aura de sangue rodeava essa figura, dando-lhe um apelo sinistro.

A salamandra morreu instantaneamente, sangue vermelho caiu no chão tingindo o riacho próximo por alguns segundos.

“Brutus como sempre Brutus.”

Uma voz suave e cativante ecoou de longe quando outra figura falou com o primeiro ser.

Era uma mulher pequena que parecia humana, exceto por uma leve coloração cinza em sua pele. Seu rosto era bonito, lábios perfeitamente proporcionados e lindos olhos de cor violeta. Um nariz pequeno e delicado complementava seu sorriso delicado, enquanto seus longos cabelos ruivos balançavam levemente na brisa, fazendo-a parecer uma espécie de fada etérea. Ela usava um conjunto apertado de couro preto que não fazia nada para esconder suas curvas.

“É a primeira vez que vejo este mundo, Gaia.”

O homem encolheu os ombros, jogando o cadáver da salamandra morto para o lado.

Ele era um homem grande e bruto, com músculos inchados cobertos apenas pela camisa preta solta que ele usava, e um par de calças de couro preto, com cerca de dois metros de altura. Ele tinha cabelos ruivos e curtos, com um rosto áspero que mostrava um belo charme. Um queixo forte e proporções quase perfeitas foram marcados por duas cicatrizes vermelhas muito grandes, cruzando o rosto em um padrão X que começava em cada orelha e atravessava as bochechas, o nariz e as laterais do pescoço. Sua pele era de um tom semelhante ao da mulher, levemente acinzentada.

“Magia de Sangue: Levante-se.”

Brutus disse, batendo palmas. Alguns pequenos anéis de ouro nas mãos dele brilharam, tilintando baixinho enquanto colidiam.

Imediatamente, o corpo da salamandra morta se contorceu. Uma luz vermelha brilhante apareceu ao redor quando se levantou, virando-se lentamente para encarar o homem musculoso.

Brutus virou-se para olhar para Gaia, dando-lhe um sorriso brilhante, revelando um conjunto perfeito de dentes brancos. A única esquisitice em seu sorriso eram os dois pares de dentes pontiagudos, dois no topo e dois no fundo, que apareciam em sua boca, brilhando suavemente.

“Depois de você, milady.”

Ele se curvou grosseiramente.

Gaia revirou os olhos, fazendo o parecer tão bonito enquanto ela seguia. Ela acenou com a mão casualmente para o lado.

De aparentemente do nada, um cajado longo e vermelho com um cristal branco brilhante em forma de um globo ocular apareceu, emitindo uma aura ligeiramente demoníaca. Gaia segurou o cajado diante dela, voltando-se para se concentrar no corpo da salamandra verde.

“Magia de Sangue: Desenhando o Destino.”

Ela fechou os olhos enquanto falava, concentrando-se totalmente em lançar seu feitiço.

Fracas linhas vermelhas começaram a se elevar da Salamandra, conectando-se lentamente com o cajado brilhante. Símbolos vermelhos apareceram no ar e desapareceram misteriosamente.

Depois de um longo momento, Gaia abriu os olhos novamente.

“Para o norte, a Anomalia do Destino está para o norte. As reverberações estão ficando mais fracas a cada dia que passa. Depois de mais algumas semanas, será impossível rastrear.”

Sua voz soou, com um toque de excitação.

Brutus encolheu os ombros.

“Enquanto pudermos encontrá-lo antes dos humanos ou das sombras, o Lorde Marcus não se importará. É uma pena que nenhum dos distúrbios tenha aparecido em dos nossos mundos. Tivemos a sorte de estar em um planeta conector próximo.”

A voz de Brutus se encheu de reverência ao mencionar o nome Marcus.

Gaia simplesmente balançou a cabeça e depois acenou com a mão casualmente. Imediatamente, uma poça de sangue vermelho começou a aparecer, tentáculos de sangue vermelho chicoteando para a frente e para trás, formando um enorme lobo de 3 metros de altura.

“Salum!”

Ela sussurrou enquanto acariciava suavemente o lado do Lobo de Sangue, com seus olhos cheios de amor e carinho.

“Me leve até aquele que perturbou o destino.”

¤¤¤

Dorian sorriu alegremente quando olhou para a carne na frente dele. Hoje realmente foi seu dia de sorte.

Depois que ele se levantou, ele partiu para caçar. Seu objetivo hoje era apenas vagar até que ele fosse capaz de evoluir para uma forma mais forte. Sua forma atual era rápida, mas não muito forte.

Portanto, para encher seu estômago, ele decidiu caçar alguns peixes do rio e depois procurar por algumas Ervas Mágicas.

Quando ele deixou sua caverna escondida, no entanto, ele encontrou um pequeno grupo de cervos da montanha pastando junto ao rio.

De acordo com Ausra, a maioria dos Cervos da Montanha eram seres de classe Terra ou Mortal. Mesmo como um filhote de Dragão Myyr, ele deveria ser capaz de lidar com algo assim.

Especialmente com sua habilidade Garras Flamejantes.

De acordo com Ausra, toda habilidade que ele aprendesse ficaria com ele, não importando a forma física que ele tivesse. Foi um benefício muito útil que ele absolutamente aproveitaria.

Dorian havia perseguido o cervo, lentamente subindo em uma árvore ao lado do vale. Ele então silenciosamente pulou de árvore em árvore, concentrando-se no cervo abaixo.

Logo ele alcançou um dos caminhos que levavam ao rio do vale, desgastado por milhares de animais que se moviam ao longo do tempo.

Ele se escondeu em um galho de árvore, permanecendo absolutamente imóvel enquanto observava o cervo.

Os Cervos da Montanha eram grandes, mas não anormalmente grandes. Eles eram apenas um pouco maiores que cervos regulares, da Terra, com pele de couro marrom mais dura, e cascos pretos muito sólidos.

Por fim, o cervo começou a sair do vale, depois de ter bebido bastante água. Havia aproximadamente vinte deles, um grupo considerável.

Eles começaram a se dirigir para o caminho que Dorian estava esperando.

Dorian não escolheu esse caminho por acaso. Depois de observar o cervo antes, ele sabia que seu tipo era arisco e que se manteria na rotina. Este caminho não era apenas um que estava decentemente aberto por todos os lados, com apenas algumas árvores bloqueando a visão de alguém, mas o caminho mais bem gasto no vale.

Quando o cervo começou a viajar sob ele, Dorian esperou seu tempo, escolhendo seu alvo. Um grande e carnudo cervo na parte de trás do bando.

Ele considerou ir para um mais fraco, mas decidiu contra isso. Com suas capacidades atuais, ele não deveria ter problemas em eliminar um cervo dessa estatura.

Os segundos tensos se passaram e logo aquele cervo grande estava bem abaixo dele.

Movendo-se rapidamente, Dorian pulou do galho em que estava e atacou ativando sua habilidade de garras flamejantes. Ele praticou a habilidade com frequência suficiente para que pudesse usá-la instantaneamente agora.

Suas garras brilhavam com um brilhante vermelho vivo enquanto mergulhavam na carne do cervo. Uma fração de segundo depois, a manada de veados se dispersou, em pânico ao ver um predador. O cheiro de carne cozida começou a flutuar, crepitante.

O cervo carnudo atacado por Dorian saltou no ar e lutou, tentando jogar Dorian para fora. Seus ombros musculosos faziam seus movimentos muito mais fortes do que os de qualquer cervo comum na Terra, cada um deles exercendo centenas de quilos de pressão.

Dorian foi implacável em sua busca, no entanto, e mergulhou suas garras mais profundamente, sentindo a resistência do cervo enfraquecer.

Alguns segundos se passaram e o cervo desmoronou, seu corpo estava imóvel.

Dorian piscou quando ele olhou para baixo, finalmente percebendo alguma coisa.

O cheiro de carne cozida neste corpo… cheirava… delicioso!

Quando ele estava em sua forma Salamandra Vermelha, ele não se importava se a carne de um animal que ele caçava era cozida ou não. O gosto rico e cru de sangue tinha sido uma delícia para sua língua.

Nesse corpo, no entanto… Dorian não tinha certeza se suas papilas gustativas haviam mudado, mas o cheiro do cervo na frente dele era de dar água na boca.

Ele franziu a testa enquanto olhava para as mãos, no entanto. O fogo de suas garras estava um pouco quente demais. A carne do cervo onde suas garras haviam aterrissado tinha sido carbonizada de preto. Se ele quisesse assar esse cervo, precisaria descobrir uma maneira de atenuar o calor de suas garras ou usar algum outro método.

Enquanto ele pensava sobre isso, ele se virou para o lado, olhando a árvore ao lado dele. Em particular, um conjunto de longos galhos grossos de 5 centímetros, uma ideia passou por sua mente.

¤¤¤

“Magia Espacial: Navio Transparente!”

A voz do Mago Real Aymon estremeceu quando ele bateu palmas, tirando energia de sua matriz de feitiços da alma para energizar o feitiço. Ele fez vários movimentos confusos com as mãos, uma corrente de símbolos brancos brilhantes se formou no ar.

Depois de alguns momentos, o contorno vago de um pequeno barco branco flutuante tomou forma no ar. Deu leves reverberações que abalaram o ar, mistificando ondas de energia que eram quase impossíveis de entender.

William ficou admirado com o navio flutuante e transparente, com os olhos curiosos.

Eles estavam atualmente do lado de fora da cidade de Yor. A cidade em si tinha cerca de 5 quilômetros de largura, uma das maiores cidades a oeste do Império do Rio Obsidia. As paredes da cidade eram uma das suas peças centrais, imensas paredes de pedra de 10 metros de altura, encantadas com feitiços para reforçá-las. A cidade era uma poderosa fortaleza, outrora usada como uma cidade de fronteira para eliminar várias feras.

O Império do Rio Obsidia ainda estava em processo de expansão e conquista de novos territórios.

Depois de tocar na base da Família Robel, os governantes de fato da cidade de Yor, os magos do Departamento haviam permanecido no complexo da Família Robel. Até a manhã do dia seguinte.

Um dos feitiços de William criou uma embarcação de transporte como essa. Mas só de olhar para o navio flutuante, William já sabia que este superava em muito o seu.

“Excelente magia!”

O falador mago do destino Oblong disse alegremente quando o navio flutuante começou a pousar, pronto para ser embarcado.

“Vamos nos mexer.”

Oblong virou-se para olhar para William, sorrindo alegremente. O mago do destino ficou extremamente satisfeito com os resultados de sua previsão. Ele já havia enviado uma mensagem para o Feiticeiro do Destino em pé com Lorde Hadrion. Se as coisas saírem bem, essa poderia ser a chance de sorte que ele precisava para fazer o nome dele e obter os recursos de que precisava para entrar na Classe Grande Mestre.

“Sim senhor.”

William disse, rapidamente se adiantando. Atrás de William estavam vários guerreiros da Família Robel, enviados pelo chefe da família para protegê-lo.

Depois que o Departamento dos Magos partiu para descansar, o Chefe da Família o puxou para o lado, pedindo-lhe que cooperasse plenamente. Se ele pudesse causar uma boa impressão, era perfeitamente possível que ele frequentasse uma das Academias do Departamento. Afinal, havia um Departamento de Magia de Madeira.

Qualquer família que tivesse um bruxo em um dos 108 departamentos era uma família destinada à grandeza, muito além de governar uma pequena extensão de terra em um mundo menor como Hasnorth.

William ansiosamente pulou a bordo, andando com cuidado. Com sua sensibilidade mágica, ele conseguiu distinguir claramente o contorno do navio, mas a transparência era desorientadora.

Atrás dele, o Mago chamado Graxital subiu a bordo, seguido pelos Guardas de Ferro Negros que o Império do Rio Obsidia havia providenciado. Estes poderosos guerreiros eram alguns dos mais bem classificados lutadores de todo o país, membros do Batalhão de Ferro Negro de 5.000 homens.

Oblong e Aymon embarcaram por último. Quando eles se instalaram, o Mago Espacial Aymon levantou as mãos, agitando-as no ar diante dele antes de se virar para encarar William com expectativa.

“Agora, por favor, mostre meu curso, jovem mago.”

[Não esqueçam de comentar e recomendar]

Ei, você gosta dessa novel? Acha que o tradutor merece um incentivo para continuar mantendo o bom trabalho? Pois agora ela tem Padrim e você pode contribuir com apenas 2$.

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!

Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 10 - Chegando Perto
Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 12 - Confusão
COMPARTILHAR
Leitor inveterado Veterano na fundação da internet: "na minha época, isso tudo aqui era mato" Traduz, revisa, erra, conserta e ri.