Reborn: Evolving From Nothing – Capítulo 105

282
Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 104
Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 106

🌞 Ative o Modo Noturno 🌚

       

Tradução: Denn | Revisão: The Careca


Lutando Contra

“Sênior. Perdoe a minha aparência rude.”

Yukeli olhou para o demônio de Classe Rei. Ele podia ver o orgulho em seus olhos, um orgulho que se inclinava quando pedia perdão. Parecia pensar que ele era seu sênior.

“Ah, eu liberei reverberações da Lei da Ira por causa do Dragão da Ira.” Ele assentiu internamente. Seus olhos se estreitaram quando ele olhou para o Demônio.

BUMM!

Seus braços ficaram borrados, muito rápidos para rastrear quando ele esmagou o Demônio para o lado, jogando-o a várias centenas de metros de distância. Ele caiu na casa da fazenda, lançando fragmentos de madeira e pedra no ar.

“Desculpas não me farão poupar você.” Seus olhos estavam frios.

Um demônio a menos no mundo era uma coisa boa.

“Ahhh!” Seus olhos se contraíram, no entanto, quando um grito agudo atingiu seus ouvidos. Ele se virou, olhando para a figura de uma leiteira trêmula.

Uma garota loira, com cerca de um metro e meio de altura, usando um par de roupas desgastadas. Ela tinha uma coleção de sardas pontilhando seu rosto, fazendo-a parecer estranhamente fofa, apesar da sujeira em que estava coberta. Isso o lembrava de um velho amigo.

Foi uma pena que ele tivesse que matá-la.

“Eu não posso permitir que nada perto de uma testemunha sobreviva depois de me ver. Minhas desculpas. Culpe as correntes que são o Destino.” Seus olhos eram insensíveis quando ele se inclinou e a pegou pela garganta.

A garota agarrou a mão dele, sua voz fraca. Seu corpo tremia com seus movimentos de pânico, o desespero enchendo seus olhos enquanto ela olhava para ele com horror.

Yukeli não hesitou. Sem pensar duas vezes, ele apertou e esmagou sua garganta.

Ou melhor, ele tentou.

“Outra vida perdida na jornada para a perfeição, seu sacrifício será…” Yukeli congelou, parando seu monólogo enquanto olhava para o braço direito.

A leiteira ainda estava agarrada, arranhando inutilmente a mão dele.

Sua garganta foi decididamente não esmagada.

“O que?”

“Morra!” Seus olhos brilharam quando ele colocou toda a sua força no golpe, apertando seu punho com força suficiente para esmagar um escudo de metal. Ele sentiu a energia em sua mão subir, tremendo.

Mais uma vez, ela permaneceu ilesa.

Yukeli jogou a garota para baixo, assumindo uma postura marcial quando ele olhou para ela, em guarda completa. Seus olhos estudaram cada movimento dela, nem uma única coisa que ela escapou de sua visão.

Depois de um momento, no entanto, ele fez uma pausa, confusão enchendo-o.

“Você é apenas um mortal normal. Como você pode resistir a mim?” Ele não entendeu.

Ele pulou para frente para ficar ao lado dela, movendo-se muito rapidamente para ser visivelmente escolhido.

“Terra Partida: Borda da Montanha!”

Sua mão cortou em um arco, o lado dele assumindo uma incrivelmente afiada concentração de energia. Toda a sua postura parecia anormalmente sólida, como se nada no mundo pudesse detê-lo.

WHOOSH!

No ar, antes que a mão pudesse pousar na leiteira, pairando logo acima do pescoço, o braço dele congelou.

Um brilho de compreensão apareceu nos olhos de Yukeli. Ele sorriu. Um sorriso frio e cruel.

“Você está acordado, hein? E você desaprova que eu a mate?” Ele falou em voz alta, falando aparentemente com ninguém.

Abruptamente, o corpo de Dorian explodiu com energia, o ar ao redor dele chicoteando de um lado para o outro enquanto uma Aura indescritivelmente antiga e poderosa surgia.

“EU SOU UM DEUS! Você não pode resistir a mim! Você nada mais é do que um mortal, um humano fraco agraciado pela minha presença! EU DESTRUIREI TODOS OS MUNDOS! Uma única vida não é nada para mim!” Suas palavras sacudiram o ar em si.

A garota tremeu no chão, chorando de medo. O braço de Yukeli se aproximou, ameaçando acabar com a vida dela.

Seu braço direito tremeu e, depois de um momento, recuou lentamente para longe do pescoço da garota.

Yukeli balançou a cabeça, a insatisfação presente em seus olhos.

“Você não deveria ser capaz de me obstruir. Mais desvios do meu futuro planejado…”

“Por que razão? Por que você iria lutar comigo? Você e eu somos um e o mesmo. Seu destino está ligado ao meu. Mesmo que você resista agora, no futuro, você se unirá a mim de bom grado.” Seu corpo inteiro tremeu.

“Deixar uma testemunha viva é como pedir para ser rastreada pelo Destino. Não há razão para poupá-la. A missão que lhe dei foi buscar a perfeição na destruição. Não poupar fazendeiros aleatórios. Ao poupá-la, você nos em grave perigo.”

O corpo de Dorian tremeu. Abruptamente, palavras vieram de sua boca novamente. Palavras que carregavam um tom diferente, sem a antiga dor e insatisfação de Yukeli.

Palavras do próprio Dorian.

“Eu faço o que eu quiser. Fantasma de merda. Este é o meu corpo.” As palavras de Dorian foram sufocadas enquanto ele falava, gaguejando uma resposta.

Yukeli franziu a testa. Seus olhos se encheram de ainda mais desprazer quando sentiu que Dorian lentamente começava a se recuperar, tornando-se plenamente consciente.

“Você não entende nada. O que você faria se aquele Demônio voltasse aqui? Sem mim, você estaria morto.”

“Eu… eu… eu defendo a quinta.” Dorian cuspiu para fora, tentando encarar Yukeli sem sucesso, pois ele se referia a uma lei da Terra, uma sobre se recusar a responder perguntas. Sua mente estava desordenada, e as lembranças de sua vida na Terra continuavam atirando para frente, por algum motivo estranho.

Yukeli reconheceu vagamente o termo, mas não entendeu completamente, mas poderia dizer que estava sendo ridicularizado.

Seus olhos brilharam uma última vez quando ele sentiu sua consciência se esvaindo. Ele só poderia ficar na superfície temporariamente, como uma parte remanescente da escuridão que corria na alma de Dorian.

“Tudo bem, ‘Dorian’. Faça do seu jeito.” Quando ele disse o nome de Dorian, ele torceu, fazendo o ar vibrar.

“Se você deseja se libertar de mim, continue para as Ruínas da Ascensão em Magmor. Procure a Câmara da Vida no centro das ruínas. Lá, você obterá o que precisa para trazer de volta seu amigo, William.” Sua voz estava cheia de sabedoria antiga enquanto ele falava, misterioso e autoritário. Dorian sabia, instintivamente, que ele não estava mentindo.

“Lá você verá as respostas para todas as suas perguntas. Lá você verá a verdade.”

“Mas esteja avisado…” Sua voz tomou um tom cruel, completamente despreocupado, como se soubesse que tudo cairia a seu favor.

“Você pode não gostar do que vai encontrar.”

WHOOSH!

A escuridão na alma de Dorian flutuou. Debaixo de toda aquela escuridão, uma pequena luz brilhava contra ela, impedindo-a de engolir completamente a alma de Dorian. Um brilho de luz que se originou da alma adormecida de William.

Abruptamente, Dorian sentiu-se completamente no controle, a presença de Yukeli desaparecendo.

“Huff! Huff!” Dorian fechou os olhos e estremeceu por um momento antes de respirar fundo, seus punhos cerrados. Seu coração batia e lentamente começou a se acalmar, o sangue bombeando em suas veias.

“Por favor, não me mate!”

A voz de uma menina aterrorizada, tão quieta que era quase um sussurro, chamou a atenção de Dorian. A leiteira que Yukeli tentou assassinar.

Seus olhos brilharam sombriamente

“Seu desgraçado. Eu vejo porque você pegou minha alma e fez um corpo agora. Você só queria assumir o meu corpo. É provavelmente o mesmo para as outras anomalias, huh? Bem, não pense que será assim tão fácil.”

Dorian se abaixou, estendendo as mãos,

“Eu não vou me machucar”

“Por favor!!” O corpo da leiteira tremeu de terror quando ela se arrastou para trás, tremendo quando Dorian se ajoelhou e se aproximou. Ela olhou para Dorian, uma mistura de puro medo e uma pitada de ódio pelo ser tentando matá-la.

Dorian congelou e depois recuou lentamente. Seu coração estava partido quando ele olhou para a garota, sentindo seu estado de horror.

“Eu sinto muitíssimo.” Ele se curvou profundamente e recuou. Não havia nada que ele pudesse fazer aqui.

Ele andou uma dúzia de metros de distância, seus olhos pensativos. Ele se virou para olhar a distância. Uma enorme coluna de fumaça podia ser vista subindo no ar. Remanescentes do ataque que o Demônio havia enviado.

Yukeli conseguiu controlar seu corpo quando ele ficou inconsciente. Dorian poderia lembrar vagamente de suas ações. Ele também podia sentir alguma coisa agora.

Uma presença sombria, agarrada em sua mente e alma. Ele olhou para as mãos, olhando para elas.

A luz do entardecer apagou suas mãos na sombra, manchando-as com a escuridão. Parecia quase como se a escuridão fosse realmente uma parte dele agora, a última luz oscilante do sol lutando desesperadamente para permanecer viva.

“Eu sou Dorian…” Ele murmurou, fechando os olhos com força.

Ele ficou lá por um longo momento.

Os gemidos da leiteira desapareceram quando ela fugiu. Uma suave brisa pegou, escovando o ar ao redor. O cheiro de terra rica, trigo fresco e vários animais navegavam com o vento.

Depois de alguns instantes, ele abriu os olhos e olhou para baixo.

“…”

“Ainda estou nu…”

Ele suspirou e tirou uma muda de roupa de seu Anel Espacial, vestindo-as.

“Senhor da Ira. Minhas mais humildes desculpas.” Uma voz chamou a atenção de Dorian. Ele virou.

Era o demônio que Yukeli lutara, aquele que empunhava um arco. Sua roupa estava rasgada, e o humanoide estava coberto de feridas, com sangue vazando de seus lábios. Apesar disso, seus olhos estavam cheios de genuíno respeito e humildade, mesmo com a Aura orgulhosa que o rodeava.

Internamente, Dorian não sentiu medo.

Tudo o que ele sentia estava cansado. Puxado em um milhão de direções.

“…”

Seus olhos brilharam, no entanto, determinação enchendo-o.

Ele tinha uma missão para completar e um amigo para salvar. Isso era tudo o que importava.

E nada iria detê-lo. Ele estava tão perto.

Ele se virou para olhar diretamente para o demônio. Era hora de fazer o que ele fazia melhor.

“Diga-me seu nome.” Sua voz assumiu um tom grandioso e antigo enquanto falava, imitando como Yukeli soava.

Os olhos do Demônio pareciam brilhar quando olhou para Dorian, seus ombros levantando de alívio.

“Meu nome é Líder, Senhor. Um Herdeiro do Orgulho.” Ele abaixou a cabeça, apenas ligeiramente.

Dorian assentiu, seus olhos frios.

“Excelente. Líder, você passou no meu teste. Sua força é suficiente.” Sua voz soou em voz alta.

“Você deve acompanhar este Demônio Divino. Um julgamento do grande destino nos aguarda. Um que mudará o destino dos 30.000 mundos em sua totalidade!” Ele fez o seu plano ao longo do caminho, uma ideia se formando.

“Qualquer lugar que seu senhor quiser, eu devo acompanhar!” A voz de Líder estava cheia de fervor. Apesar de sua natureza orgulhosa, Líder respeitava a força, em primeiro lugar. Foi a primeira vez que Líder encontrava um Herdeiro dos Sete Grandes que era mais forte que ele.

“Então venha.” Dorian disse, virando-se para olhar na direção da cidade Ocapal. Ele deu uma olhada para a área onde o Senhor da Noite tinha estado antes de se virar. Ele podia se lembrar vagamente de uma imagem borrada do dono do cassino fugindo aterrorizado quando Yukeli examinou o ambiente.

“Magmor nos espera.”

¤¤¤

“Estamos chegando perto!” Um dos Rastreadores de Sangue de Helena gritou, olhando para a distância. O vapor do Mar de Magma nublou sua visão.

Magmor era um mundo que consistia principalmente de lava. Dito isto, havia outras propriedades únicas para o mundo exótico. Uma dessas propriedades eram os milhares de caminhos únicos de pedra que cruzavam o mundo.

Ilhas flutuantes e trilhas de pedra que ficavam acima do nível do magma, “Caminhos de Pedra” eram geralmente um pouco estreitos, com apenas algumas dezenas de metros de largura, mas muitas vezes dezenas de milhares de metros de comprimento. Esses caminhos conectavam várias ilhas maiores entre si e eram usados ​​para atravessar o oceano de lava, em grande parte estéril.

O vôo era quase impossível devido às correntes mortais no vento que o Mar de Magma gerou.

Helena esfregou o rosto, enxugando um brilho de suor. Seus olhos estavam frios enquanto ela examinava os arredores. Atrás dela, ela podia ouvir brigas de Trajano e Xaphan, como de costume. Probus e Aron estavam na parte traseira, bem mais para trás.

Eles estavam viajando em um desses caminhos de pedra mística. Era uma feita de pedra negra, coberta de rachaduras e pedras salientes. Ocasionalmente eles passavam por Ervas Mágicas que eram resistentes ao calor, brotando de rachaduras. O que Magmor não tinha na vegetação normal, compensava em Ervas Mágicas.

“Espere! Lá, ali mesmo! Nós encontramos nossa conexão! Aquela que tem fortes laços com os Sombras!” O Rastreador de Sangue acenou para frente, apontando mais para baixo o Caminho de Pedra que eles estavam andando.

Ao longe, eles podiam ver uma figura humanoide batalhando contra o que pareciam ser vários Gigantes de Magma.

Uma das outras propriedades únicas do mundo exótico de Magmor foram as criaturas únicas que nele viviam. Alguns supunham que a maioria das feras que viviam aqui não eram animais de verdade, mas criações de magia que haviam evoluído e se tornado descontroladas.

Uma dessas criaturas era um Gigante de Magma. Um humanoide vagamente feito de magma e rocha derretida, eles geralmente tinham em torno de 10 a 20 metros de altura e possuíam grande força. Eles eram resistentes a muitos tipos de ataques e podiam nadar ou deslizar sobre o Mar de Magma a grande velocidade. Eles eram caçadores obstinados que não parariam uma perseguição até que fossem mortos ou perdessem seu alvo de vista.

WHOOSH!

WHOOSH!

Helena observou enquanto o humanoide à distância jogava o que pareciam ser várias espadas feitas de pura luz nos gigantes de magma. As lâminas afundaram no exterior dos Gigantes de Magma antes de parar, tendo pouco impacto.

BUMMM!

Uma explosão de fogo surgiu, lançando uma enorme gota de vapor e fumaça que choveu sobre o crepitante Mar de Magma ao acaso.

“Eu não posso deixar nossa conexão morrer assim que a encontramos.” Seus olhos brilharam. Um momento depois, uma robusta Aura de Poder rodeava seu corpo, aumentando muito sua força e poder.

Uma aura que estava quase perfeita, prestes a entrar na Classe Rei.

Depois que ela falou com Dorian, sobre a vida e o futuro, ela teve uma espécie de epifania. Sua compreensão da Lei do Poder havia saltado e tudo parecia estar claro para ela. Ela agora estava apenas a um passo da Classe Rei.

WHOOSH!

Helena navegou pelo ar, seu corpo ficou embaçado enquanto avançava a uma velocidade extrema. Em apenas alguns segundos, ela conseguiu cruzar a distância entre ela e sua conexão.

Os Gigantes de Magma eram enormes e emitiam uma forte sensação de calor. O fogo corria em sua pele, envolvendo-os como um vestido confortável. Cada um deles possuía sua própria Aura de Fogo, complementando seus poderes.

“Oh? Ela é uma mulher também?” Ela captou uma imagem borrada do lutador em apuros quando o humanoide se esquivou entre socos dos imponentes Gigantes de Magma.

“Magia de Impacto: Impacto Real Série Doze.” Ela juntou as mãos e correu para um dos gigantes.

“Impacto da Cachoeira Mundial!”

BUMMM!

A força de uma vasta cachoeira de quase oito quilômetros atingiu o Gigante, lançando-o no ar. Uma explosão de fogo ocorreu na colisão, uma que ela desviou suavemente, dando um passo para a direita.

Seu ataque abriu uma brecha para o humanoide escapar, um que a garota prontamente utilizou.

“Obrigado!” Um grito apressado soou quando a garota pulou pela abertura, escapando dos gigantes de magma ao redor. A garota tropeçou enquanto corria, seu corpo tremendo de exaustão.

“Magia de Chuva: Punho do Gigante!” A voz de Trajano cresceu no fundo. Um momento depois, um punho colossal feito de água bateu na cabeça de Helena, derrubando todos os Gigantes restantes na lava.

“Prove minha espada, criatura!” A voz rouca da Anomalia Aron cortou o ar quando o resto do grupo se aproximou e engajou os Gigantes, fazendo um pequeno trabalho com eles. Sua equipe consistia de elites entre as elites, mesmo que algumas delas fossem feridas. Eles eram uma força a ser reconhecida e não seriam facilmente derrotados por qualquer coisa.

Helena ajudou a garota a se levantar, tentando dar-lhe um sorriso vencedor.

“Você está bem?”

A garota era pequena, com um par de orelhas de raposa e uma bonita aparência. Ela estava coberta de suor, as roupas rasgadas e sujas. Ela olhou para Helena, agradecida em seu rosto.

“Obrigado! Eu estava viajando sozinha quando me deparei com problemas e não pude me livrar deles. Meus preparativos não foram suficientes. Obrigado por me salvar!” Ela balançou a cabeça, sua voz depreciativa.

“Não se preocupe com isso.” Helena sorriu, uma lembrança surgindo.

“Era a coisa certa a se fazer.”

Os dois se entreolharam.

“Meu nome é Helena, Helena Aurelius.” Ela estendeu sua mão,

A garota pequena pegou e respondeu com um sorriso.

“Arial. Arial V’ich.”

[Denn – Yukeli mais demoníaco que os próprios demônios, Dorian mostrando que ele é um excelente ator e Helena e Arial virando BFFS kkkkk]

[Careca – Galera, capítulo ta meio cagado, prometo arrumar amanhã cedo!!]

[Não esqueçam de comentar e recomendar]

[Não esqueçam de se INSCREVER NO CANAL e acompanhar nossos vídeos]

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!

Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 104
Reborn: Evolving From Nothing - Capítulo 106
COMPARTILHAR
Leitor inveterado Veterano na fundação da internet: "na minha época, isso tudo aqui era mato" Traduz, revisa, erra, conserta e ri.