Noite de Halloween, Guerra no Fronte Leste: Capítulo 89

90
Noite de Halloween - "Aviso"
Noite de Halloween: O desespero dos Fracos.

 

 

Cap. 89

Razões

A nave acabava de sair de um imenso portal prateado com imensas descargas elétricas por toda parte, e uma paisagem morta e sem vida surgia.

A terra estava em placas ressecadas pelo sol, as poucas árvores que ali haviam estavam secas e retorcidas e o vento soprava fortemente fazendo poeira voar longe.

O time estava na parte superior frontal da aeronave, onde as aeronaves menores podiam pousar. Alguns goblins e Coragem observavam a montanha que se aproximava.

— Montanha Apice Fusco… — disse Coragem com os cabelos balançando.

— Apesar do nosso setor de tecnologia ter errado os botões e quase ter nos matado algumas vezes… finalmente chegamos. —  disse Fleck olhando com os olhos estreitados para os irmãos goblins.

— Ó, o senhor tá vendo? — dizia número 12 mostrando o arco na costa — Arqueiro, não piloto de nave espacial.

— Fleck por que vocês vão lutar? Por que não fogem? Não existem muitos mundos?

O líder goblins que segurava uma garrafa de cerveja passou a encarar a paisagem sem dizer nada e os goblins que ali estavam também não disseram nada.

— Sabe Coragem, um monstro de verdade precisa assumir as suas responsabilidades e fazer o que se deve fazer, mesmo que isto lhe custe a vida —  dizia Fleck fazendo uma pausa para um gole e logo continuou:

— E sem falar que não há escapatória… A aliança goblin é um refúgio para muitos e era também para nós… Mas agora, nosso último refúgio nos tem como traidores da causa… — e emendou — E se tem algo que é bem pago, é cabeça de traidor…

— E se nós vencermos?

Então Flack se vira para os outros goblins e diz:

— O vencedor leva tudo! — disse Flack erguendo o punho cerrado.

Então os outros goblins sem dizerem nada sorriram e ergueram suas mãos.
Mas Coragem sentia que todos estavam com medo e desta vez não havia muita esperança.

— E onde Zig e Dam foram com Noah? —  perguntou Coragem para mudar de assunto.

— Zig disse que tinha uma surpresa para todos nós e principalmente para Noah —  respondeu Flack.

E Flack acabando de falar, todos se viram rapidamente, pois haviam sentido algo terrível atrás deles e quando se viram Noah estava com sua cabeça em um corpo semelhante a de um goblin, com a diferença que o seu novo corpo era cinza e meio branco, muito magro e vestia apenas uma pequena tanga rasgada.

E em exatamente 1 segundo e meio, todos explodiram em gargalhadas.

— HahahhhahahhahhHhhahhhahah

E mesmo Zig e Dam que estavam ao lado não aguentaram e começam a rir também.

— Podem rir o quanto quiserem! Mas assim que eu conseguir meu corpo de volta vou me vingar de todos vocês! — dizia o vampiro tentando fazer suas garras crescerem mas ao olhar para sua mão, suas unhas continuavam pequenas…

— Hahahhaha o mané tentou fazer as unhas esticarem e nada aconteceu!!! Hahhahhahhsha — gargalhava número 12 se ajoelhando de tanto rir.

— Olha o tamanho da cabeça dele! Parece até uma Jaca no palito! — gargalhava Bim caindo no chão de tanto rir.

— Isso aí não é um capacete não? — dizia número 13 rindo e um pouco confuso.

— É não bro, é de verdade!

Zig que estava logo atrás de Noah, começava a fazer mimicas com Dam, Dam enchia uma bomba de pressão imaginária um balão e Zig fazia com as mãos como se cada vez mais crescesse. E o pior, Zig conseguia fazer seus olhos saírem um tanto para fora das órbitas.

Os que assistiam a cena e já não tinham mais ar para rir, mas ainda sim riam com gosto.

Noah estava com a cara fechada olhando para o chão, queria assassinar a todos, mas não podia, aquele corpo não era bom pra nada e até o andar era complicado.

— O balão mágico está nervoso gente! — gargalhava 12 entre risadas e longas respirações.

Flack que gargalhava tanto que não conseguia nem pensar direito, conseguiu se levantar do chão e ir até o lado de Noah para o defender e acabar com aquilo, pois por mais que a piada fosse boa, eles precisavam se preparar para a batalha.

Mas ao parar ao lado de Noah e Noah por sua vez ao olhar para cima (Flack era quase meio palmo maior) e mostrar suas presas tentando o intimidar, Flack explodiu novamente em gargalhadas:

“Pfffffffffffffffffffffffffff!!!!!”

— Super fantástico — e caiu no chão gargalhando.

— Puta que pariu Flack essa música é velha! — gargalhava Dam de joelhos no chão.

— Eu sei! E sabe de uma coisa?

— O… O. que? — perguntava Dam tentando parar de rir com todas as suas forças, mas não conseguindo

— Eu me mijei todo! — gargalhava Flack erguendo uma das mãos para o alto onde supostamente havia urina.

E as piadas e as gargalhadas continuaram por quase uma hora, até todos se acalmarem. E só parou mesmo quando Zig foi buscar um lençol para tapar o corpo de Noah, pois caso contrário não teriam parado.

— Chega chega chega, todos já rimos, todos já desopilamos, agora vamos aos negócios… — disse Flack dando uma última olhada para Noah — Então… Era uma vez um vampiro cabeçudo…

Ninguém aguentava mais rir, mas todos voltaram a rir. Noah já havia desistido faz tempo de enfrentar eles, tudo que ele sabia sobre intimidação, dominação de mentes, e guerra psicológica de nada servia ali. Sua solução foi fazer cara de paisagem e tentar não guardar nenhum complexo de inferioridade, pois o bulling ali estava em outro nível.

— Zig, apesar de eu ter achado a melhor piada da minha vida, ainda sim seria útil ter mais um aliado com um corpo apto para lutas… Quando nos roubamos essa coisa — disse Flack olhando para aeronave — E demos um jeito nos tripulantes, tenho certeza que tinha dois ou três com corpos melhores que estes.

— E tinha Coronel, mas o sangue dele rejeitou todos os corpos e por algum motivo só este corpo serviu para ele… —  respondeu Dam com dores nas bochechas de tanto rir.

— Bom… Se não tem jeito… Então vai assim mesmo, há lembrei daquele velho ditado “Dragão dado não se olha os dentes”, talvez até devamos levar umas cervejas para ele abrir com os dentes… — disse Flack olhando malignamente para Noah.

— Malditos…

— Estamos quase chegando do local e da hora aguardada, Coragem, poderia nos contar novamente o que vai acontecer?

Coragem massageava suas bochechas e sua barriga, suas calças estavam encharcadas de urina. Mas ele achou que cada gota de urina valeu a piada.

— Pelo que Irae me disse, eles estão em uma espécie de Fortaleza que fica saltando entre as dimensões e segundo a previsão de Mariane, ele estaria aqui nessa montanha no dia de hoje, e daqui a alguns minutos… — dizia Coragem olhando para um relógio que estava na parte de dentro do seu pulso (havia pego na aeronave).

— E depois? — perguntou Flack.

— E aí eu vou apontar o meu mala, que é essa pulseira cheia de bolinhas para o topo da montanha e segundo Irae nós vamos poder acessar a dimensão que a fortaleza está. —  Concluiu Coragem.

— E depois? —  perguntou 13 olhando para os outros —  Nós entramos metendo bala?

— Oxi mas é claro que sim, olha o tamanho dos trabucos que nos temos nessa coisa! —  dizia Bim dando uns tapinhas no metal da nave.

— E se o alfa Lorde estiver lá? —  perguntou número 12.

— Se ele estiver lá provavelmente o meu pai também estará e então teremos chance de sobreviver — dizia Noah cruzando os braços.

— Falou o funko —  disse número 13 batendo os punhos com os irmãos.

— Falta um minuto —  dizia Flack consultando um relógio no próprio pulso.

Entao o relógio fez um pequeno apito. Coragem um pouco hesitoso deu um passo para frente e ergueu seu braço direito. E no topo da montanha, descargas elétricas passaram a ocorrer como se envolvessem algo, cada vez mais e mais as descargas aumentavam até um grande estalo ocorrer com faíscas e raios explodirem por toda parte, então uma grande ilha flutuante com um castelo encima surge.

— Uau! —  Disseram todos ao mesmo tempo, menos Noah.

A ilha era grande o suficiente para conter uma pequena floresta e mais próximo do núcleo havia uma pequena cidade ao estilo gótico e mais para frente havia uma montanha e nela estava um grande castelo.

O castelo parecia uma mistura de fantasia com estilo gótico, e com mais oito “planetas”, mais o sol e a lua.

Ao redor do castelo e por toda a montanha haviam colunas longas e finas que sustentavam pontes que estavam por toda a montanha ligando a pagodas, salões isolados, casarões, casebres, longas e finas torres, ou mesmo entradas que levavam para o interior da montanha.

O castelo em si era grandioso e extremamente requintado, haviam detalhes do estilo clássico por toda parte e seus telhados inclinados e altos deixavam bem claro que ali o estilo gótico era predominante.

Mas o que mais tornava o castelo interessante era que orbitava ao redor deles oito “planetas” mais o Sol e a Lua, ou pelo menos a intenção era essa, Coragem não sabia o material, mas sabia que aquelas coisas redondas eram grandes e de alguma forma estavam ao redor da montanha.

— Que beleza de lugar ein? — dizia Flack— E o melhor de tudo é que ainda não estão atirando em nós.

“Aohhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh”

Uma sirene passava a ser tocada e holofotes eram acendidos. E metralhadoras passavam a ser disparadas em suas direções.

— Agora parece que nos viram! — dizia Flack sorrindo.

— Flack! Não tem mesmo como vocês fugirem? Eu e o Noah podemos muito bem nos infiltrarmos aqui e dar um jeito e ligar para Halloween, fora que eu também estou contando com Irae aparecer e nos salvar!

— Não há mais nada a ser discutido. — disse Flack rispidamente e se virando e entrando dentro da nave com os outros goblins.

— Mas Flack…

— Você não entende idiota? O próprio Clã goblin lhes virou as costas, eles nao tem mais nada e pelo que os outros dois goblins lá dentro me contaram foi uma bela de uma traição.

— Mas…

— A mais ou menos 150 anos houve uma grande mudança na política goblin, todos os líderes dos clãs goblins se uniram e criaram um único clã, uma unidade — e emendou — Eles cresceram ouvindo que só dentro do clã goblin é que há confiança e segurança, e agora são traídos por aqueles que um dia lhe prometeram segurança… para eles deve ter sido a pior de todas as traições. Até eu, meio que os entendo.

— Eu não. Eu e os goblins não somos da mesma espécie nem parentes, mas mesmo assim eu os considero como a minha família, então eles não deveriam correr o risco da morte só por vingança. Poderiam muito bem viver em paz em um outro mundo e esquecer isso!

— Nem eu te entendo, mas é muito claro o que eles vão fazer agora e não há nada que você possa fazer para os parar, pois agora eles farão de tudo até conseguirem o que desejam.

— O que?

— Vingança.

 

Noite de Halloween - "Aviso"
Noite de Halloween: O desespero dos Fracos.