Noite de Halloween, O árduo caminho da Coragem: Capítulo 68

94
Noite de Halloween, O árduo caminho da Coragem: Capítulo 67
Noite de Halloween, O árduo caminho da Coragem: Capítulo 69

Autor: Allan | Revisão: Allan

Cap.68

Coragem VS Noah parte 2

— Zen! Você sabia que ele estava sendo estudado também? — perguntou Gíbi cheio de aflição.

— Mas é claro, alguns dos parceiros de treino dele, foram enviados pela general Isabel para estudar seus movimentos. Então, eu tomei certas medidas… — dizia Zen pondo seu óculos de aviador, acendendo um charuto e por fim dando um “Jóia” para Coragem.

Coragem avança em direção de Noah, que desfere um soco em direção de Coragem que para a alguns milímetros antes do soco o acertar então chuta com toda sua força o queixo do vampiro que voa para o alto.

Então o agarra pela cintura e lhe aplica um suplex alemão!

“Pown!!!!!!”

A cabeça de Noah é enfiada no assoalho de madeira.

— UM SUPLÉX ALEMÃO!!!

— Éhhhhhh!!!— grita Zen e os demais!

— Levanta vampiro e para de brincar! — dizia Coragem chutando a perna do vampiro e voltando para o outro lado do ringue e se alongando mais um pouco.

Lentamente o corpo do vampiro levita e tira sua cabeça do chão e fica de pé, só que agora com a cara mais fechada.

Noah então levanta os punhos juntos ao corpo e fica em uma postura defensiva do boxe.

Coragem por sua vez não levanta postura alguma e investe novamente contra Noah mas agora com um declarado chute em seu braço esquerda e Noah defende com seu braço mas então:

“Crack!”

O vampiro faz uma careta de dor, mas revida com um gancho, mas as duas mãos de Coragem já estavam prontas para bloquear o soco:

“Poft!”

Coragem cai no chão e avança novamente com uma poderosa joelhada que o vampiro defende com os dois braços e novamente se ouve:

“Crack!”

— Coragem É ESPETACULAR SENHORAS E SENHORES!!! TODOS OS SEUS GOLPES SÃO CARREGADOS DE ENERGIA!!!

Coragem investe novamente com outra joelhada nos braços do vampiro! E outra e outra e outra! Sem parar Coragem investe joelhada após joelhada contra Noah que bloqueia com seus braços onde apenas os dois ouvem:

“Crack!”

“Crack!”

“Crack!”

“Crack!”

“Crack!”

Quando a guarda de Noah falha e o joelho de Coragem encontra o nariz de Noah!

“Poft!!!”

E o sangue de seu nariz espirra por toda parte!

— Não acabei ainda! — E Coragem faz clinche em Noah e começa a desferir joelhadas sem parar!

“Poft!”

“Poft!”

“Poft!”

“Poft!”

“Poft!”

“Poft!”

“Poft!”

“Poft!”

“Poft!”

“Poft!”

“Poft!”

“Poft!”

E o vampiro caí no chão desacordado! O juiz entra frente de Coragem e inicia a contagem:

— 1!

— 2!

—3!

Coragem pressente algo terrível vai acontecer e salta para trás com sua postura de combate.

E o braço de Noah atravessa o peito do narrador!

— Pode parar de contar? — diz Noah puxando seu braço branco manchado de sangue do narrador.

E Noah agora estava com seus dois ante braços negros e suas unhas agora eram verdadeiras garras. Seu rosto estava apavorante, seus delicados traços agora haviam sido trocados por um rosto levemente demoníaco.

— Vem chupa-cabra! — dizia Coragem esticando seu braço direito e fazendo “vem” com os dedos.

Noah surge atrás de Coragem e lhe chuta, Coragem percebe o chute e se agacha e rola para o lado e mesmo sem ver o que vinha, e ergue suas mãos em postura defensiva. E outro chute vem justamente de onde ele achava que ia vir, mas o chute acaba que tendo mais energia que Coragem achava e vários dos seus dedos se quebram:

“Cracks!”

E um soco acerta em cheio sua testa que o joga do outro lado do ringue.

— E não estou nem em 25% do meu poder total! — dizia o vampiro com os braços abertos.

— Bixa!!! — grita Coragem pondo ele mesmo seus dedos de volta no lugar.

“Tim” “Tim” “Tim”

O sino de intervalo tocava e as portas eram abertas e quatro monstros de máscaras de carrasco e grandes músculos entravam no ringue, um foi até Noah e o fez ir para o seu canto do ringue e o outro fez o mesmo com Coragem. Os outros dois foram pegar o corpo do narrador.

— Coragem! Deixe eu ver esses seus dedos! E como você dormiu por uma semana?! — dizia Zen entrando no ringue e colocando um banquinho para o garoto se sentar.

— Eu estava em um lugar dourado! — dizia enquanto bebia uma bebida que Gíbi punha em sua boca com um canudinho. E Dr. Guido segurava o pulso de Coragem e olhava para um relógio de bolso na outra mão.

— Você não tem força, velocidade, experiência, instinto, resistência, habilidade e nem energia para vencer ele! Você precisa seguir o plano!

— Eu sei! — dizia Coragem que não tirava os olhos do vampiro que era massageado por vários médicos da praga e que sorria convencidamente para Coragem.

— Plano?! — dizia Gíbi olhando confuso para Dr. Guido que deu de ombros.

— Até aquele vampiro tem limite! Você precisa pressionar ele! E usar aquela coisa!

— Você só vai aguentar mais um round, use com sabedoria o restante de energia que você tem guardado — dizia Dr. Guido.

— Eu sei! Eu vou com tudo no próximo round!

“Tim!”

— Detona ele!!! — grita Zen!

Um orc branco, maior que o normal, usando um terno que parecia que ia rasgar a qualquer momento entra no ringue.

— Eu vou ser o próximo, juiz, se um dos dois me desobedecer, eu esmago, se tentar me matar eu esmago. Fui claro? — disse o orc olhando especialmente para Noah.

Mas nenhum dos dois respondeu, apenas se encaravam. Então o orc bateu o pé no chão e todo o lugar tremeu.

— Entederam?! — disse o Orc com raiva e saliva espirrando no rosto dos dois.

— Sim. — respondeu Coragem encarando o vampiro que estava na sua frente.

— Sim… — disse o vampiro que piscou para Coragem. Que não deixa de barato e acerta um soco no meio da boca do vampiro fazendo uma outra presa voar.

“Poft!!!”

— E bater sem eu autor… — e antes do Orc terminar de falar Coragem recebe um soco que lhe quebra o nariz.

O orc junta os braços e faz os dois baterem a cabeça um no outro:

“Pawn!”

Os dois ficam zonzos enquanto o orc continua com os dois erguidos no ar pela nuca com as pontas dos dedos.

— Não se batam até eu autorizar…

E o orc coloca os dois no chão e dá um passo para trás.

“Tim!”

— Se bat…

E mal encostando os pés no chão ambos os punhos acertam o rosto um do outro novamente. Fazendo o sangue e dentes espirrarem.

— Pelea calejera? Sério? — dizia o vampiro recebendo um chute no ouvido e ouvindo um zumbido.

— Cala a boca! — responde Coragem dando um soco que foi esquivado.

— E cadê aquele seu estilo imbatível? O famoso kung fu que venceu mesmo mestres do rank B+! — dizia Noah dando um soco de cima para baixo fazendo Coragem vacilar para trás.

— Cala boca! — diz Coragem fingindo que ia para um lado e enganando o vampiro e pisando novamente no pé do vampiro. Mas desta vez ele fez uma careta.

— Doeu né?

“Poft!”

Coragem recebe uma cotovelada que lhe joga para trás alguns centímetros, mas avança novamente volta para a troca de socos.

— Mas as suas células inteligentes já estão no limite? — dizia o vampiro sorrindo.

Coragem investe novamente e o vampiro desfere um soco e novamente Coragem para a alguns milímetros do golpe, mas desta vez se lança de lado com uma cotovelada na cabeça do Noah que recua alguns passos para trás.

— É impressão ou seus golpes estão bem mais fracos que antes? — e o vampiro lhe dá um soco na costela que o faz cuspir sangue.

— Você, seja lá o que você for… Não passa de um plebeu enfrentando o resultado de milhares de anos em melhorias genéticas e o refinamento toneladas de energia maligna… Energia vinda diretamente do meu pai… — dizia Noah no ouvido de Coragem.

Coragem respira fundo e salta e enfia os dois pés no meio do peito do vampiro que dá vários passos para trás e em seguida Coragem dá um quebra mola e fica de pé novamente, mas ainda cuspindo sangue.

— Vamos ver se você agüenta 50% — dizia o vampiro calmamente e imediatamente o seu veias verdes aparecem por todo seu corpo e seus músculos definem ainda mais.

Noah desfere um soco de direita, Coragem se defende com os ante-braços e energia, mas o soco é tão pesado que o braço de Coragem fica dormente. Noah desfere com o outro braço outro soco e com o mesmo braço que ante tinha defendido Coragem defende novamente e gira o corpo dando uma cotovelada com o outro braço. Acerta Noah em cheio no pescoço.

Noah apenas sorri.

Coragem recua e avança novamente com socos e chutes rápidos, o vampiro apenas desvia sem se mover, apenas dava pequenos “tapas” que desviavam os golpes.

“Pown!!!”

Coragem recebe um contra golpe direto na boca do estomago e cai ajoelhado no chão cuspindo sangue e água.

— Foi um pouco trabalhoso aguentar toda aquela energia maligna dentro do meu corpo… O calabouço de Guildengard também foi difícil… Mas agora eu sinto todo esse poder… Valeu a pena… — dizia o vampiro sorrindo enquanto olhava para si mesmo.

E novamente erguendo Coragem no ar pelos cabelos:

— Nós dois só estamos começando certo? — dizia Noah ao pé do ouvido de Coragem.

Noah o lança para o alto e o chuta na boca do estomago, o chute é forte o suficiente para o fazer parar do outro lado do ringue.

Coragem não sentia seu braço direito e cada respiração o fazia sentir uma dor aguda na região das costelas. Mas Coragem se levanta e ergue sua defesa.

“Cof-Cof!”

— Vem… Tranqüilo… — diz Coragem se obrigando a sorrir.

O vampiro se enche de raiva e surge novamente atrás de Coragem que tenta dar uma cotovelada para trás mas o vampiro agarra seu braço e lhe morde o pescoço.

— Háhhhhhhhhh!!!

O vampiro crava fundo suas presas no pescoço de Coragem, mas Coragem agarra Noah pelos cabelos e concentra o seu máximo de energia nos seus pés e pisa com força em ambos os pés do vampiro que vacila, Coragem joga seu peso para frente e ainda agarrado aos cabelos de Noah, Coragem “arremessa”  o vampiro para frente e em direção do chão o fazendo quebrar novamente a madeira do chão:

“Crack”

Mas mesmo assim o vampiro não o solta e continua com seus dentes cravados em seu pescoço e ainda passando a beber o sangue de Coragem.

— Coragem!!! — gritam Zen e Gíbi.

Quase sem energia Coragem se levanta e se joga para trás e faz o vampiro bater as costas na grade da gaiola e reuni suas últimas reservas de energia nos dedos de suas mãos e agarra as costelas de Noah a ponto do seus dedos atravessarem a fina parede de músculo que protegia seus oblíquos.

“!!!!!!!!”

E os puxa para fora!!!

“Háhhhhh!!! — grita Noah abrindo a boca.

Mas Coragem não perde essa oportunidade e quebra as últimas costelas de cada lado de Noah e se vira com uma cotovelada que faz o vampiro cair no chão desorientado.

Coragem se afasta enquanto o vampiro está atordoado, o lado direito do seu pescoço escorria muito sangue.

— Dói né? Puxar as costelas para fora dói bem mais que um chute lá… Bem mais… — dizia Coragem respirando profundamente e tentando concentrar sua energia em seu pescoço para regenerar mais rapidamente.

A dor que Noah sentia era desesperadora, por mais que estivesse acostumado a lutas frenéticas com muito sangue e mutilações. A dor que ele sentia era uma das piores que já havia sentido até hoje. E era a primeira vez que queria chorar de tanta dor, realmente doía muito mais que um golpe nas partes íntimas, bem mais.

O vampiro via tudo rodando, a dor das suas costelas o fazia não querer mais se mover e uma forte ânsia de vomito o dominava, suas pernas ficavam cada vez mais fracas.

Coragem via o vampiro caído no chão tentando se levantar mas não conseguia, o juiz orc se aproxima para fazer a contagem, mas Coragem olha para o orc como quem pede para ele não se aproximar.

Noah continua desorientado no chão e seu estado cada vez ficava pior.

— Você não está passando mal só por causa do golpe…

Noah olha confuso para Coragem sem entender o que acontecia. Coragem por sua vez apenas sorria de satisfação.

— O sangue… — disse o vampiro acabando de perceber.

— Não apenas o sangue.

E Coragem sorriu.

— Você burlou as regras — dizia o vampiro se levantando e vomitando o sangue — Tomou algo que não estava na lista e sabia que eu ia tentar te morder!

Coragem andava de um lado para o outro, o sangramento no seu pescoço já tinha parado.

— Você é forte Noah, mas a sua principal fraqueza é a sua arrogância… — dizia Coragem apontando o dedo para o vampiro.

— Arrogância? Com quem você acha que está falando?! — dizia o vampiro limpando o sangue do canto da sua boca.

— Você vai perder por um conjunto de fatores cuidadosamente planejados pelo meu treinador Zen! — disse Coragem apontando o dedo para Zen que fez um jóia com o polegar.

E todas as câmeras do lugar focaram em Zen que sorriu e fez o sinal da paz com as mãos.

— O bastão de Guildengard é uma faca de gumes Noah.

Ao ouvir a palavra “Guildengard” Noah ficou em choque e até olhou para sua irmã que acompanhava a luta com olhos cheios de fúria.

— Como sabe?

— Na verdade, nós não sabíamos o que era, quando Gíbi espiava vocês com um telescópio ele viu aquele bastão com dragões prateados, então fomos investigar do que se tratava e não encontramos nada… Mas então eu fui até Irae e perguntei o que era.

— Impossível!!! — grita Noah dando um passo para frente.

— O bastão de Guildengard, além de abrir caminho para uma dimensão secreta, também permite acumular a energia dessas dimensões e ser usada para aumentar o poder…  Então vocês treinam com essa energia colossal até nivelarem seu poder com os diferentes graus de poder das infinitas dimensões. Em outras palavras o poder não vem do seu pai, mas sim destas dimensões.

A maior parte da platéia não ouvia o que era falado no ringue, mas Isabel que estava do lado de fora agarrada na grade estava com os olhos arregalados e ao mesmo tempo tomada pela fúria.

— E com certeza colocaram em você mais energia que a sua mente e corpo aguentam… Ou você não percebeu que você está tremendo desde o começo da luta? Será que o medo de perder te fez dar um passo maior que a perna?

Noah olha para as próprias mãos e Coragem diz a verdade, realmente suas mãos tremiam.

— Em uma luta curta duração eu não teria a menor chance contra você, por isso eu treinei muito a minha resistência, ficava dias e mais dias sem comer ou dormir só lutando e me exercitando com aqueles pesos infernais… Para aguentar a pior das condições e o pior cenário possível. Só esperando e criando brechas para você se destruir sozinho… Ou você achou mesmo que era tão bom?

“Uahhhhgggggggg”

E Noah vomita novamente.

— Ah… Outra coisa… Achou que ia beber o meu sangue e ia ficar tudo bem? Não achou que eu seria tão inocente assim não é? — dizia Coragem estralando os dedos.

— Você me envenenou!!! — rugiu Noah.

— Não sabe que os mutagênicos inteligentes uma vez que se adaptam a um dna, no caso o meu, todo e qualquer resto que não tenha o meu dna eles irão atacar? — disse Coragem sorrindo — Mas é claro que o vampiro ia tentar morder meu pescoço… E eu contava com isso…

— Acha que isso é suficiente para me derrubar?!!! — gritou o vampiro se endireitando e fazendo suas garras crescerem ainda mais.

— Claro que não, mas agora, acho que estamos pareados, em força, velocidade, regeneração e instintos. A luta agora será definida pela habilidade, sem truques, sem magia, sem genética ou mesmo guerra psicológica. Somente artes marciais!

E Coragem faz uma postura de combate e diz: “Vem” com as mãos.


[Não esqueçam de comentar e recomendar]

[Leiam BEYOND? O Denn finalizou a novel!]

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!

Noite de Halloween, O árduo caminho da Coragem: Capítulo 67
Noite de Halloween, O árduo caminho da Coragem: Capítulo 69