Noite de Halloween, O árduo caminho da Coragem: Capítulo 66

126
Noite de Halloween, O árduo caminho da Coragem: Capítulo 65
Noite de Halloween, O árduo caminho da Coragem: Capítulo 67

 

“Caros leitores, acho que assim como qualquer um eu também não gosto das coisas legais em partes, por isso postarei a luta completa entre Coragem e Noah. Espero que gostem.”

Autor: Allan | Revisão: Allan

Cap.66

Cristal Dourado.

Ao ver seu amigo e mestre desaparecendo Coragem ficou um tempo fora de si. Por mais de três anos ele havia vivido todos os dias com Irae, quando chegou no acampamento agradeceu aos céus por poder ficar longe de Irae, já que ele ficava vários dias sumido com os outros generais e só aparecendo tarde da noite para espiar se Coragem dormia.

“Irae?”

Sem ter o que fazer e com a esperança que seu mestre voltasse em breve, Coragem voltou para sua tenda, agora, um pouco vazia…

“O melhor remédio para tristeza e o medo é ainda a meditação!” pensava o garoto olhando para o espelho que havia em sua sala de estar.

E foi para o seu quarto e pegou dentro de uma caixinha de madeira o seu cristal dourado, mas ao se aproximar do cristal com seu pulso seu mala imediatamente “puxou” e entrou no cordão junto com as outras contas.

“Uai!” pensava o garoto cutucando o mala em seu pulso agora com um cristal dourado junto.

“Ufa! Achei que eu ia ter de conviver com mais um objeto vivo!”

“Mas parece que o cristal encolheu?” pensava o garoto analisando o cristal.

“Será que não grudam os outros também não?”

E ao aproximar o mala dos outros cristais, nada ocorreu.

“É… É só mesmo o cristal dourado…”

E foi no meio da sala e encontrou três incensos que não haviam sido usados por Irae e os acendeu e no incensário dourado a sua frente, cruzou as pernas e colocou as mãos levemente sobre as pernas dobradas.

“Hora de meditar”

Coragem respirou profundamente e soltou e puxou o ar o máximo que podia, soltava bem devagar… Fazendo isto várias e várias vezes. Se concentrava apenas em sua respiração… E assim foi acalmando a sua mente e o seu corpo.

Focava inteiramente em sua respiração, calmamente, tranquilamente, sua mente foi se serenando… Sua mente rebelde queria voltar a se pré ocupar com coisas que estavam além do seu controle e muitas vezes, ao seu entendimento. Mas depois de três anos meditando em uma casa da árvore cercado de inimigos mortais, aprendeu com Irae que “Nem o seu pior inimigo pode te fazer tanto mau quanto você mesmo e isto já dizia alguém mais sábio do que eu” disse Irae após Coragem ter várias e várias noites de febre alta pelo fato que milhões de zumbis guerreiros planejavam o matar. Neste dia percebeu que ele mesmo que se auto agredia e neste dia boa parte dos seus piores medos se foram e passou a aceitar a possibilidade da morte como natural e também inevitável.

Com a mente calma e serena, passou a apertar o cristal dourado que estava em seu mala e desta vez sentiu algo, um opaco brilho dourado veio a sua mente. Sentia algo muito maravilhoso, mas não entendia o que era… Apenas, sentia.

E com a mente ainda calma, passou a sentir cada vez mais e mais a luz dourada, quando percebe o que antes já havia sentido das outras vezes: “Um funil”, não literalmente um funil, mas sim, um gargalo que não o deixava passar para o próximo degrau e ir ainda mais profundo na luz dourada. Mas desta vez, ele persistiu ainda mais e com a mente vazia ficou encarando aquele gargalo. Ou melhor, ficou “sentindo” e depois de muitos minutos, teve um “click”

“Mas é claro! A luz dourada também sou eu! Por mais que isto não me faça sentido algum!!!”

E sentiu uma sensação maravilhosa, a sensação de ter “des-coberto” algo que sempre esteve ali.

E ao abrir os olhos se espantou! E se viu em um oceano e céu de cor dourada, uma energia etérea e majestosa soprava delicadamente seu rosto e pétalas brancas voavam por toda parte.

O ar era sutil e rico, cada respiração sua ali, lhe fazia sentir-se cada vez mais cheio de energia e vida. Sentia-se protegido e acolhido por toda a infinita paisagem. Era como estar em casa depois de muitos anos de morando na rua.

Dentro dele só havia paz e harmonia. E olhando ao redor passou a flutuar junto as pétalas e naquele tranqüilo permanecer, ali ficou, sem tempo e nem espaço, apenas descansava a sua mente naquele estado, sem pré-ocupações, medos, desejos, raivas e pensamentos aflitosos, só paz e harmonia.

E neste estado misterioso e transcendental Coragem ficou e ficou…

 

***

 

— Você o jogou mesmo no Calabouço Guildengard? — disse um homem de elegantes roupas vitorianas, cartola e pele pálida.

— Sim Oto — dizia a mulher com armadura no meio da sala de sua tenda luxuosa.

Ambos olhavam um portal no chão e dentro um grande escuro, gritos e rugidos de monstros eram ouvidos.

— Apesar de tudo ele está melhor com você do que com o irmão mais velho…

— Veio aqui por algum motivo ou só para contestar os meus métodos? — disse a bela mulher lhe dando um olhar mortal.

— Não não princesa, de forma alguma, vim aqui para fazer o seu dia melhor e pior ao mesmo tempo.

— Pode falar.

— Alguém falou.

— Sobre Dies Irae ou sobre o Marechal?

— Ambos.

— Fale.

— Vox, Mercúrio e Dellmonte foram flagrados em uma reunião — dizia o homem mostrando fotografias.

As fotografias mostravam os três monstros com elegantes roupas no meio de uma clareira de uma floresta conversando.

— E os relatórios da Noite a dentro e do Dragão oculto sobre o paradeiro destes três nesta hora?

— O de sempre, tirando Vox que ninguém sabe de muita coisa, Dellmonte e Mercúrio estavam em suas habituais funções — respondia Oto.

— Então Dellmonte anda conversando com amigos novos… E ainda por cima com um truque novo…

— Sim senhorita, mas o que me chamou atenção foi o detalhe das bengalas.

— O que tem elas? — dizia Isabel olhando melhor a fotografia.

— Elas são iguais?

— Sim, todas tem a mesma pedra verde na ponta.

— E os nossos inimigos tem olhos com brilho verde… Coincidência? — dizia Isabel colocando a foto na mesa e indo preparar uma bebida em uma mesa ao lado.

— Não podemos afirmar nada se eles tem ou não envolvimento com os Brilhosos, mas que Dellmonte e Mercúrio andam se envolvendo com o mais procurado de Halloween, isso é claro.

— Mercúrio sempre foi problemático… Mas se envolver com conspirações contra Halloween é um pouco demais… — e Isabel foi ao balcão de bebidas — Ainda gosta de vodka Oto?

— Sim senhorita— pegando o copo e bebendo em goles pequenos — A senhorita e Mercúrio, nunca mais conversaram?

Isabel apenas olha para Oto que engole seco arrependido de suas ultimas palavras e se cala. Isabel continua olhar a foto.

— Quando e onde isso ocorreu?!

— São de poucos minutos atrás em uma dimensão oculta.

— Mas essa informação veio da recompensa, ou você usou os seus poderes novamente nos lideres do Dragão oculto ou no líder da Noite adentro?

— De um agente, pelo menos eu acho que era um agente, ele apareceu com esse envelope.

— Você correu para confirmar com os seus próprios olhos? Pode ser que haja uma conspiração entre as agências de inteligência para proteger Mercúrio e Dellmonte.

— Sim senhora. Assim que recebi esse envelope abri um portal e fui confirmar onde o Marechal estava e usei vários meios diferentes para confirmar se era ele mesmo. E fiz o mesmo com Mercúrio. E segundo as datas e os horários, todos estavam conversando, usei alguns métodos de desconfusão temporal e realmente parecia haver duplicatas deles, todos estavam em dois lugares ao mesmo tempo.

— Isto é um mistério… — dizia Isabel andando pela luxuosa tenda com a fotografia em mãos.

— Mas em todo caso sabemos que o líder da guilda dos mercadores está trabalhando com o maior terrorista de Halloween.

— Ah Mercúrio… Você sempre foi um idealista…

— Assim como a Sophia.

— Não compare aquele verme traidor com Sophia, minha irmã era quase tão grandiosa quanto Dies Irae, não em poder bruto, mas sua capacidade diplomática estava além do nosso entendimento.

O homem ficou em silêncio olhando para o chão.

— Tem mais alguma coisa para falar? — disse Isabel rispidamente.

— Sim senhora… — disse o homem pegando uma outra fotografia que estava na mesa e a virando e mostrando uma frase atrás da foto.

“Guerra de espiões”

— O que isso siguinifica?

— Entrei em contato com dezenas de agentes e alguns informantes e incluindo o que me passou essa informação e já não consigo contato com nenhum.

— Talvez a situação seja ainda mais delicada que achamos que seja…

— Acredito que Vox esteja fazendo algo por trás das cortinas.

— O que vamos fazer senhorita?

— Você mais nada, agora é comigo.


[Não esqueçam de comentar e recomendar]

[Leiam BEYOND? O Denn finalizou a novel!]

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!

 

Noite de Halloween, O árduo caminho da Coragem: Capítulo 65
Noite de Halloween, O árduo caminho da Coragem: Capítulo 67