Noite de Halloween, O árduo caminho da Coragem: Capítulo 64

116
Noite de Halloween, O árduo caminho da Coragem: Capítulo 63
Noite de Halloween, O árduo caminho da Coragem: Capítulo 65

Autor: Allan | Revisão: Allan

Cap.64

Supremacia questionada

A oeste do acampamento militar, no subterrâneo de um conjunto de imensas montanhas, estava uma caverna, unicamente acessada por meio de portais. Estalactites vinham do teto e estalagmites vinham do chão. Chamas flutuavam por toda parte e sua luz mostrava quão colossal era aquela caverna.

Ao redor de uma mesa oca e redonda, treze monstros contando o Marechal Dellmonte, fora Irae discutiam sobre o massacre ocorrido no alto da montanha:

— Como assim “Esqueçam esse assunto e poderão continuar a viver.”?! – gritava Isabel batendo as mãos na mesa de aço afundando-a.

— Calma Isabel, tenho certeza que o general Irae tem bom motivos para dizer isso – dizia o Schnauzer acendendo um charuto.

— Marechal! Um guerreiro inimigo invadiu nosso acampamento e matou sozinho cento e vinte dois categorias C e C+ e mais vinte dois guerreiros de categoria B! e cinco categorias A que estavam por perto. E todos lutavam juntos contra ele! — dizia a vampira com os olhos totalmente negros.

— Concordo Marechal! O general Irae está guardando informações imprescindíveis para a segurança do acampamento! — disse uma grande criatura com manto negro e armadura de aço vermelho pontiaguda.

Então todos os treze generais passaram a discutir enfaticamente entre eles próprios. A metade tinha muita admiração por Irae e estes o defendiam e a outra metade o invejavam profundamente, mas não ousavam nada contra ele, pois o medo que o gato de olhos vermelhos causava em seus corações era maior do que a inveja que tinham.

Então o Marechal levantou a mão e todos se calaram.

— Por favor General Irae, peço que compreenda a situação e nos oriente de uma forma que fique clara a todos.

Irae que estava encima da mesa parava de se lamber e agora respondia:

— Em alguns minutos a “Noite a dentro” vai aparecer e “pedir” que os generais esqueçam dessa situação e oriente todos os envolvidos a fazer o mesmo. E se eles sentirem qualquer um de vocês indo atrás disso, provavelmente não serão gentis, pois entre uma dúzia de generais e a verdade sobre a “supremacia” de Halloween, com certeza a cabeça de vocês vai rolar primeiro.

Todos os generais inclusive o Marechal Dellmonte ficaram em choque, pois o mais novo ali tinha mais de um século de vida e nunca haviam ouvido tal coisa. Era a primeira vez que ouviam alguém colocar em dúvida a supremacia militar de Halloween.

— Está louco. – disse a vampira sorrindo ironicamente e olhando para os outros generais que por sua vez concordaram com ela.

Irae por sua vez, a ignorou e voltou a se lamber. E um terrível silêncio dominou o lugar.

No fundo todos estavam “balançados”, um conceito, uma “verdade” que havia sido ensinado a eles desde que eram bebês e em uma única frase, vinda de um gato negro que se lambia, conseguiu colocar o conceito de uma vida inteira em dúvida.

Mas o que mais mexia com todos era o pouco caso que Irae tinha com os generais, a indiferença do gato era a pior das torturas.

— O serviço secreto logo vai estar aqui? – perguntou general Sosso olhando para os lados.

— Eles já estão aqui.

Então algo começa a surgir no meio do círculo da mesa, que pouco a pouco se materializava. Lembrava um cadáver, mas de consistência etérea, mais espírito que matéria. Seus poucos cabelos flutuavam lentamente no ar, como se estivesse no fundo de um oceano verde e podre.

E silenciosamente passou a deslizar sobre o chão rochoso em direção ao Marechal Dellmonte. A criatura estende a própria mão com a palma virada para cima para o Marechal, então como num passe de mágica um envelope surge. Era acinzentado com um selo de cera vermelha, que delicadamente caiu na mão do Marechal.

— Noite a dentro… – disse o Marechal olhando bem para o selo da carta que era um olho coberto por uma faixa.

Rapidamente o Marechal abre o envelope e passa a lê-lo e depois em voz alta lê para todos ouvirem:

— “Por ordem do conselho dos anciões, é ordenado ao Marechal Dellmonte, atual comandante do fronte Oeste de Jóia Verde, que ajude na supressão a qualquer coisa relacionado ao massacre ocorrido na montanha Ymir. Fica autorizado pelo próprio conselho dos anciões da noite que o Marechal possa usar qualquer meio ou recurso para suprimir a divulgação do ocorrido, agora investigado pela própria Noite a dentro.

Caso qualquer um investigue ou mesmo divulgue informações sigilosas referente ao ocorrido, acarretará em abatimento instantâneo, não importando a patente ou clã.

Ass: Noite a dentro.”

Ao terminar de ler a carta todos estavam embasbacados, nunca em suas vidas tinham passado por ameaça tão séria, ainda mais vindo do segundo maior poder institucional de Halloween.

— Caso encerrado — disse Irae saltando da mesa e indo embora.


[Não esqueçam de comentar e recomendar]

[Leiam BEYOND? O Denn finalizou a novel!]

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!

Noite de Halloween, O árduo caminho da Coragem: Capítulo 63
Noite de Halloween, O árduo caminho da Coragem: Capítulo 65