Noite de Halloween, O árduo caminho da Coragem: Capítulo 54

83
Noite de Halloween, O árduo caminho da Coragem: Capítulo 53
Noite de Halloween, O árduo caminho da Coragem: Capítulo 55

 

“Olá meus jovens, como estão? Estão usando lavando as mãos? Usando álcool gel? Espero que sim. Meus jovens, venho lhes dizer que estas nuvens negras que atualmente estamos vivendo vai passar, todos vamos ficar bem, tenham certeza disso. Eu vou aumentar aumentar o número de capítulos a serem postados para quem sabe dar alguma diversão extra. Mas olha, se vocês quiserem comentar e falar o que estão achando… Sintam-se livres… (Ego precisando de massagem hahaha). Abraços.”

Autor: Allan | Revisão: Allan

Cap.54

Zen e Coragem, Mariane e Fleck.

 —Ficou louco! — gritava Zen acabando de entrar na tenda de Coragem.

— Não há de que! — dizia o menino tirando sua gravata.

— O general Irae vai me matar e depois pegar o meu espírito e torturar por mil anos! — dizia Zen pondo a mão na testa.

— Fique tranqüilo, tenho confiança que vencerei um categoria B com um pouco de treinamento.

— Por que uma coisa pequena e anêmica como você tem tanta confiança?! — dizia Zen cruzando os braços.

— Pois no passado, eu já derrotei vários categorias rank C e alguns de categoria B, com algumas poções e com a minha fabulosa esgrima! Creio que vencerei esse categoria B também.

Após Coragem acabar de dizer sua última frase os olhos de Zen se esbugalharam e veias surgiram por todo seu corpo e sentindo que ia trucidar Coragem, respirou fundo várias vezes e depois foi até uma mesa com bebidas caras e passou a encher um copo.

— Só tem dois problemas… — dizia Zen jogando a bebida na garganta.

— Pois diga por favor — disse o menino pondo as duas mãos na cintura.

— O primeiro problema é que será um combate corpo a corpo, sem armas, mano a mano, porradaria e o segundo… Se te pegarem usando qualquer droga, poção alquímica ou qualquer coisa que não seja seu próprio corpo, você será desqualificado e punido com 100 chibatadas.

Após Zen terminar de falar Coragem caiu sentado na poltrona com os olhos arregalados. Zen por sua vez colocava mais bebida no seu copo.

—E agora?

— E agora, eu é que te pergunto! E agora… — dizia Zen resmungando baixinho e bebendo um copo atrás do outro.

Coragem estava jogado na poltrona com os olhos arregalados e com a pele mais pálida que o normal, quase não sentia suas pernas. Se imaginava tendo que enfrentar um troll no mano a mano.

— Por que essa cara?

Dizia Irae acabando de entrar. Zen rapidamente colocando o copo na mesa e fazendo continência e ficando mudo.

— Irae! Que bom que chegou! Eu me meti num problemão! — dizia o menino se levantando.

— Novidade… — disse o gato seguindo para seu quarto calmamente e sem olhar para Coragem ou Zen.

— Eu tenho que lutar no mano a mano contra um monstro de categoria B, o que eu faço?!

— Treine — disse Irae entrando em seu quarto e a cortina do quarto se fechando sozinha.

Ao ouvir a resposta de Irae, Zen um Pitbull humanoide de mais de 2 metros de altura extremamente musculoso, mau encarado e que ainda estava em posição de continência, começou a chorar  miseravelmente…

***

— Ei, psiu, Fleck!

— Quem me chama? — dizia Fleck no fundo da cela pendurado por correntes presas no teto.

— Sou eu, Mariane! — sussurrava a mulher tentando tirar as correntes.

— A surra que me deram deve me ter feito perder muito sangue, porquê a Mariane que eu conheço era um simpático maracujá- de- gaveta, não uma beldade…

— Vou fingir que não ouvi isso… — soltando a corrente Fleck caiu no chão sentado e Mariane o colocando em seu colo.

— Beba isso — disse Mariane despejando na boca de Fleck uma poção e quase imediatamente sentindo-se melhor.

Fleck que estava no colo de Mariane olhava para a mulher com descrença.

— Como?

— Alguns segredos, são fragilidades do Eu, outros segredos são para proteger os outros de suas próprias fragilidades…

Fleck continuou a admirar Mariane.

— Tenho chance?

— Oras! Se levante seu goblin safado! — dizia Mariane se levantando e tirando de sua bolsa uma bolsinha cheia de moedas e entregando para Fleck.

— São para as despesas.

— Que despesas mulher?

— Você tem 6 meses para juntar o restante da sua equipe, aí dentro estão suas últimas localizações que consegui descobrir.

— Vamos detonar o ritual?

— Irae bolou um plano que pode ser que todos saiam ganhando.

— Mas e a senhora? Quer dizer… E você? — dizia Fleck balançando a cabeça confuso.

— Eu pretendo atrapalhar que alguns itens importantes cheguem para o ritual e modificar outros… E vou colher informações, não posso arriscar que me percebam por causa de sua presença — disse Mariane abrindo um portal azul.

— O que está esperando? Não temos tempo a perder!

— Um beijo! — dizia o goblin olhando para cima.

— Quando eu parecia um maracujá de gaveta não vi tais gracejos!

— Mas é que… — e Mariane puxa delicadamente sua própria orelha e o portal engole Fleck.

— Goblins…

Então Mariane puxa novamente sua orelha e aparece um portal debaixo dela.


[Não esqueçam de comentar e recomendar]

[Leiam BEYOND? O Denn finalizou a novel!]

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!

Noite de Halloween, O árduo caminho da Coragem: Capítulo 53
Noite de Halloween, O árduo caminho da Coragem: Capítulo 55