Noite de Halloween, A preciosidade da lótus: Capítulo 38

103
Noite de Halloween, A preciosidade da lótus: Capítulo 37
Noite de Halloween, A preciosidade da lótus: Capítulo 39

 

“Feliz ano novo! Espero que este ano seja bom para todos! Ontem eu ia postar, mas eu acho que algo aconteceu ontem (novamente) com os plugins e os servidores aí já viram… Mas eis aí mais dois capítulos (continuo não tendo capítulos sobrando) Espero que gostem abraços!”

 

Autor: Allan | Revisão: Allan

Cap. 38

Tambores de guerra.

“SSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS!!!”

“ROOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!”

“SSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS!!!”

“ROOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!”

Arena tremia com o som de milhares de répteis e anfíbios que entoavam um canção de guerra!

“SSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS!!!”

“ROOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!”

“SSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS!!!”

“ROOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!”

E com seus pés faziam toda a arena tremer!!!

“BUM!!!” “BUM!!!” “BUM!!!” “BUM!!!” “BUM!!!” “BUM!!!” “BUM!!!” “BUM!!!”

Em um camarote bem no alto eis que surge uma espécie de réptil meio curvado, medindo quase dois metros de altura e vestindo uma capa negra com fios dourados e cajado de negro, então todos se calam para o ouvir:

— Meus súditos!!! Hoje será a tão aguardada guerra de sucessão!!! O vencedor herdará o meu trono!!! — gritava a criatura tão alto que todos podiam o ouvir facilmente.

— Como sabem, eu, rei Raptor, último descendente da grande dinastia Sauros, irei hoje decidir o herdeiro do trono de nossa nação!!! Hoje, um dos meus dois filhos: príncipe Najo e príncipe Poroso decidirão em um combate mortal com seus times quem será o próximo rei!!! — gritou o rei Raptor e todo coliseu gritou e vibrou junto!

 

***

 

Dentro de um grande salão com uma grande grade que levava ao campo de batalha do coliseu, dezenas de guerreiros répteis se preparavam para o combate que logo começaria.

— Meus guerreiros!!! — gritou o príncipe Najo acabando de entrar com uma armadura negra e ficando bem na frente do portão.

Todos os guerreiros que antes se exercitavam ou praticavam se viraram para ouvir o seu príncipe.

— Sangue… Começo meu discurso com sangue! — disse o príncipe mordendo a própria palma da mão e fazendo o sangue verter.

— Sangue, que inúmeras vezes tingiu as águas deste pântano, sangue que inúmeras vezes alimentou nossos inimigos, sangue aclamado por uns e odiado por outros. Sangue irmãos! Tudo se resume a sangue!

— Inúmeras batalhas acontecem todos os dias nesse pântano! Todos os dias nossos irmãos de sangue frio morrem por tropas do Feiticeiro negro e vocês sabem o porquê? — disse o príncipe apertando a própria mão com força fazendo o sangue escorrer ainda mais.

— Exatamente isso… Sangue… Eles desejam nosso sangue… Machos, fêmeas, crianças, velhos, doentes, não importa, apenas sangue eles desejam! E nós? Por que sangramos todos os dias? Por que nossas mulheres são rasgadas e devoradas vivas? Por que nossos amigos vão e não nunca mais voltam? Ou se voltam, em meio a lágrimas precisamos cravar uma faca em suas cabeças? Por que nossas crianças são privadas da liberdade que nós tivemos e elas não? Por que nós, poderosos e destemidos guerreiros não podemos lutar?!

— Por que temos um rei fraco! — gritou um guerreiro crocodilo.

— É ISSO AÍ!!! — disse outro guerreiro.

— É O REI É UM FRACO!!! — gritou um guerreiro lagarto

— VAMOS MATAR O REI!!! — gritou outro.

— NÃO!!! — gritou o príncipe abrindo a capa do seu pescoço fazendo o parecer um autentico Rei cobra.

— Não… Não… Meus irmãos!!! Tenhamos a coragem de olhar no espelho e apontar o dedo para os verdadeiros culpados!!!

Sem entender, todos ficaram mudos e olhavam uns para os outros e para o príncipe sem entender.

— Sim! A verdade dói, mas é esta!

— Mas vossa alteza! Que culpa temos nós se o rei e seus ministros não querem resolver! — perguntou um camaleão.

— Exatamente!!! Não querem resolver! “O rei e seus ministros não querem resolver!” — gritava o príncipe — E Nós?! Me respondam e nós?!

Os guerreiros olhavam confusos uns para os outros se perguntando “E nós?”, “E nós?”, “E nós?”

— NÓS DEIXAMOS QUE UM VELHO SENIL E SEUS MINISTROS CORRUPTOS DECIDAM OS RUMOS DESSA NAÇÃO!!! FICAMOS QUIETOS COMO BAGRES PRESTES A SEREM DEVORADOS, NÓS, NÃO FAZEMOS ABSOLUTAMENTE NADA!!! — rugiu o príncipe com os olhos totalmente vermelhos e ficou alguns segundos em silêncio olhando para todos.

— Até quando permitiremos isso? Até quando? — e novamente o príncipe ficou em silêncio e logo continuou — Hoje os deuses nos enviaram um sinal que qualquer rei pode ser morto! Guerreiro Coragem mostre a todos! — gritou o príncipe.

Coragem que estava no fundo do salão, vendo que o assunto era com ele, rapidamente tirou o crânio do Rei Louco da mochila, subiu encima de uma mesa e ergueu no ar fazendo uma grande cena.

— Vejam! Este é o sinal! O sinal que qualquer Rei louco pode e deve ter sua cabeça cortada!!!!! — urrava o príncipe.

O salão todo passou a vibrar e a urrar de emoção.

— Hoje entraremos no campo de batalha e mudaremos a história de nossa nação! Não velhos loucos! Mas nós, valorosos guerreiros!!!

E o portão gradeado passava abrir lentamente.

— Não por mim! Mas por todos que deram o sangue! Por todos aqueles que não podem lutar! Por todos os irmãos de sangue frio!!!

“ROAAAAAAAAAAAAARRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRR!!!!!!!!!!!!” — rugiu o príncipe atravessando o portão liderando o ataque.

“ROAAAAAAAAAAAAAAAAAAAARRRRRRRRRRRRRRRRRR!!!!!!!!!!— rugia todos os guerreiros juntos!!!

— Haaaaahhhhhhhhhhhhhh — saia Coragem gritando com a espada erguida, mas sendo o último.


[Não esqueçam de comentar e recomendar]

[Leiam BEYOND? O Denn finalizou a novel!]

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!

 

Noite de Halloween, A preciosidade da lótus: Capítulo 37
Noite de Halloween, A preciosidade da lótus: Capítulo 39