Noite de Halloween, A aurora da Coragem: Capítulo 23

83
Noite de Halloween, A aurora da Coragem: Capítulo 22
Noite de Halloween, A aurora da Coragem: Capítulo 24

Autor: Allan | Revisão: Allan

Cap.23

Uma princesa intensa.

A casa por dentro era espaçosa e arejada, lembrava casa de vó. Toda feita de madeira e envernizada.

No meio da sala, bem de frente com a porta de entrada havia dois grandes sofás da cor beje e uma poltrona também beje, no chão um tapete azul e entre os sofás uma mesinha de madeira com uma tolinha de crochê e um pote de doces.

Havia uma escada ao fundo que levava ao andar de cima, ao lado da escada uma estante cheia de livros e ao lado um corredor que levava aos fundos da casa. Ainda na sala haviam duas portas brancas uma a esquerda de quem entra, que estava aberta e dentro havia um banheiro e outra, a direita, que estava fechada.

Iraizinho! Diga olá! Aos nossos convidados! — gritava tia Mariane entrando na casa com seus berros agudos.

Tirando Fleck e Mariane, o restante ficou apavorado olhando para os lados esperando o pior, esperando algo horrível responder com uma voz grossa e diabólica, ou algo tremer, mas nada aconteceu.

Fleck passou rir quebrando o silêncio. Mariane foi até uma estante cheia de livros e pegou uma garrafa de vidro azul e mostrou a todos.

Exatamente como o amigo goblin disse, este é o famoso Dies Irae, mas depois que eu fiz uma garrafada de Irae ele se tornou meu amigo a muitos séculos atrás! Hahahha! — disse a velha rindo escandalosamente e fazendo barulhos estranhos com o nariz e a garganta.

Os goblins menos Fleck deram um passo para trás e colocaram suas mãos nas armas, Coragem não fez nada pois a senhora não lhe parecia ser uma ameaça.

Não se preocupem, coloquei feitiços muito poderosos nesta garrafa, precisaria de um Lorde para quebrar isso! — disse tia Mariane enquanto batia a garrafa nas quinas dos móveis de propósito.

O vózinha, por que tu não mostra teu cafofo para nós? Ein? — disse Bim segurando com as duas mãos a mão de Mariane, impedindo-a de bater a garrafa.

É mostra o barraco aí tia— disse Nº12 também.

E cada um pegou em um braço dela e a levou pelo corredor que estava no fundo da sala.13 e 14 pegaram delicadamente a garrafa da mão de Mariane e cuidadosamente colocaram onde estava e se curvaram várias vezes com as mãos em posição de oração.

Não precisam ficar com medo não! O Iraizinho ficou um doce em alguns séculos! Ou milênios… Já nem sei mais… O tempo passa tão rápido… Certo Iraizinho?! — dizia Tia Mariane que agora gritava da cozinha.

O que esse Irae fez para causar esse medo todo? — perguntou Coragem para Fleck enquanto ambos seguiam para a cozinha.

Não se sabe muito dele…Apenas que surgiu a alguns séculos atrás e que matou 3 lordes sozinho e a lorde do sul da época foi a única que havia sobrevivido teve que enfiar o rabo entre as pernas e pedir ajuda a Noel para enfrentar a criatura, por fim, Noel deu uma grande surra em Irae que se escondeu em uma caverna nos confins de Halloween, depois de alguns séculos a tia Mariane o encontrou e fez uma garrafada dele hahahha!— ria Fleck entrando dentro da cozinha com Coragem.

Mas Coragem estava sem reação quando Fleck disse: “Noel”

Oras Flack…Assim você me encabula… Pois vamos comer! Preparei comida para todos! — disse tia Mariane enquanto se sentava em uma das cadeiras.

A mesa estava repleta de comidas de todos os tipos desde saladas e carnes estranhas. As cadeiras já tinham sido preparadas com livros para dar a altura dos goblins.

Vamo fila a bóia cambada! — disse Bim enfiando o garfo numa carne e enfiando na boca.

Aproveitem, fiz com todo carinho do mundo, espero que gostem — disse tia Mariane docemente enquanto enxugava uma lágrima com um lenço.

Noel? — perguntou Coragem sem acreditar.

Fleck, por mais que eu seja um alienado, Papai Noel não é algo positivo no mundo dos humanos? — disse Coragem que acabara de sentar com os outros.

É… Mas aqui em Halloween ele é de certo modo um Lorde também… Ele não decide nada em Halloween, tem seu próprio reino para lidar, mas sua palavra tem peso por aqui…— disse Fleck enquanto pegava uma sopa onde um verme longo e fino nadava ali.

Mas como algo bom que dá presente para as criancinhas permite e convive com Halloween? — berrava Coragem tentando ser ouvido por Fleck, pois os demais estavam fazendo uma bagunça com Tia Mariane e com a garrafa de Irae que ela mesma pegara para participar do jantar.

A muito tempo atrás os lordes e Noel depois de muitas guerras e conflitos decidiram fazer uma trégua, que não interfeririam nas datas comemorativas um dos outros e “respeitando” as escolhas dos humanos — disse Fleck que continuava a comer.

Então o dia do natal como dia de Halloween são datas importantes por que? — perguntou Coragem comendo folhas de uma salada que fugia de suas mordidas.

Pois são nesses dias que fica mais fácil para atravessar para os reinos humanos.— Coragem tinha muitas perguntas, mas não queria parecer ainda mais estranho fazendo mais perguntas que poderiam ser ouvidas, então se calou.

Fleck querido, tinha me esquecido de falar, daqui a alguns minutos alguns especialistas vão chegar para analisar a vampira, para depois decidirmos o que fazermos com vocês — disse tia Mariane mastigando uma carne sem ter dentes.

Rapazes depois da refeição vocês me ajudam a pegar o caixão e colocar no meu laboratório? — perguntou a bruxa acabando de engolir a carne que a minutos mastigava e todos confirmarem com a cabeça.

Acabado a refeição que foi muito animada graças a tia Mariane, todos ajudaram a lavar e a guardar a louça, depois pegaram o caixão que estava na sala e o levaram para uma porta branca que ficava também na sala.

Dentro havia um salão espaçoso era pelo menos 2x o tamanho da casa, havia várias coisas de bruxa como: ervas secas penduradas, um grande caldeirão, estantes nas paredes cheias de livros, mesas lotadas de todo tipo de coisa estranha, nada muito assustador, mas muito estranhas.

No centro da sala estava um círculo mágico, os goblins e Coragem olhavam descrentes sobre como ser maior dentro do que fora.

A não sejam bobos… Eu fiz um feitiço de distorção do espaço, ela aumenta o tamanho das coisas, é algo muito normal em Salem hahahha! — dizia a bruxa sem graça.

Não é não…— sussurrou Fleck para Coragem.

Eu já preparei tudo… Coloquem ela com o caixão e tudo lá no meio daquele círculo mágico — disse a bruxa.

Ding-Dong”

Toca a campainha.

Há chegaram! — se apressou a velha bruxa para abrir a porta.

Quando voltou, voltou com mais seis bruxas todas vestidas a caráter e todas aparentemente tão velhas quanto tia Mariane.

Essas são minhas amigas! Clara, Joana, Cassia, Mônica, Fátima e Tereza, são minhas amigas literalmente a séculos! Diga olá meninas! — disse Tia Mariane com a voz esgarçada.

Olá! — disseram as bruxas em coro fazendo uma reverência com o vestido e depois gemendo para voltarem a ficar eretas…

As bruxas vestiam longos vestidos, mas coloridos, cada um com uma cor, as cores eram bem discretos, mas eram interessante de se ver as 7 cores do arco iris nas 7 bruxas.

Sabe que eu não me acostumei ainda com esses nomes? — disse Joana.

Acho que combinou muito com você! — disse Mônica.

Você acha?

Só de lembrar daquela água gelada…

Meninas, não é hora para discutir rituais sagrados na frente dos convidados… — disse Tia Mariane fazendo um zíper na própria boca.

Então todas as outras velhinhas fizeram um zíper nas próprias bocas também.

Agora vamos de uma vez por todas ver a nossa bela adormecida! — disse Mariane.

O caixão estava dentro do círculo mágico, dentro do círculo haviam círculos menores e dentro de alguns destes pequenos círculos haviam pedras e cristais que emitiam luzes coloridas.

Zig querido, pode desfazer o feitiço que usou para isolar o poder da vampira? — disse Tia Mariane com bondade.

Então Zig saltou da estante de livros que estava sentado e foi até o caixão e estalou os dedos e as travas do caixão se abriram… Todas as bruxas estavam todas olhando para o caixão como se esperassem ver ou ouvir algo… E então:

Hmmmmmmmmmmmmmm…. — disseram todas as bruxas ao mesmo tempo e depois e rindo olhando umas para as outras.

E rapidamente e ainda rindo cada uma foi para um lado e deram as mãos fazendo um círculo, fecharam os olhos e ficaram mudas e mudas ficaram por vários e vários minutos.

Realmente… — disse Clara.

Esta tem sangue real… — disse Joana.

Linhagem dimensional? — perguntava tia Mariane de olhos fechados e de novo um silêncio angustiante tomava o ambiente.

Coragem olhou para Fleck que estava com um sorriso de orelha a orelha.

O que é linhagem dimensional? — cochichou Coragem.

Existem pesquisas e mais pesquisas genéticas sobre as habilidades inatas dos seres, existem alguns seres que possuem a rara e inestimável habilidade de abrir portais entre as dimensões, está vampira é de linhagem nobre, ela deve ser de alguma família importante do Norte e geralmente esta habilidade quando surge, surge mais na nobreza, quando eu a vi, achei que valia a pena investigar…Foi um tiro de sorte!!!— dizia Fleck com um olhar afiado.

Mas por que ela estava naquele laboratório? — perguntou Coragem sem desviar o olhar das bruxas.

Depois teremos tempo de sobra para conversarmos, mas sendo sucinto, liberdade é poder — e Fleck se calou, pois, as bruxas voltavam a falar.

Sangue amaldiçoado…— disse Mônica.

Sangue sujo…— disse Tereza.

Sede de sangue…— disse Clara.

SANGUE CRUEL!!! — grita Fátima.

SANGUE DA BESTA!!!!!— grita Joana.

E o ambiente escurece e se torna pesado, um cheiro insuportável de sangue e enxofre surge no salão, as luzes começam a falhar e os olhos das bruxas ficam brancos e passam a escorrer sangue…

As sete bruxas começam a levitar e a rodar em volta do círculo e a se contorcerem…

Os demais estavam apavorados tentando se protegerem atrás dos móveis da energia que empurrava a todos para trás.

ME DEIXEM SAIR!!!!!!!!— rugiu Fátima com a voz de um demônio.

JÁ BASTA!!!— gritou Tia Mariane que bate o pé direito no chão e uma luz azul intensa brilhou por todo o laboratório.

HAHHHHHHHH!!!!!! — gritou Joana e as bruxas soltam as mãos e caem no chão.

Coragem e os demais correm para as acudi-las, Zig vai até o caixão da vampira e emitindo uma luz roxa pela palma da sua mão coloca a tampa do caixão de volta no lugar e novamente estrala o dedo e as travas do caixão se trancam.

Fleck! Avise o conselho que temos aqui uma legítima princesa dimensional! Ela não pode ficar! — gritou Mariane.


[Não esqueçam de comentar e recomendar]

[Leiam BEYOND? O Denn finalizou a novel!]

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!

Noite de Halloween, A aurora da Coragem: Capítulo 22
Noite de Halloween, A aurora da Coragem: Capítulo 24