Noite de Halloween, a aurora da coragem: Capítulo 14

108
Noite de Halloween, a aurora da coragem: Capítulo 13
Noite de Halloween, a aurora da coragem: Capítulo 15

🌞 Ative o Modo Noturno 🌚


Autor: Allan | Revisão: Denn


Conquistando a cachoeira

No domingo da última semana, Coragem fazia o crânio falar sem muito esforço.

—Você é uma mariquinha! Hahaha — gargalhava o crânio como de costume.

—Eu estava te poupando coisa cálcio, mas acho que entendi como te derrotar! — e Coragem pegou o crânio com as duas mãos e respirou profundamente.

—La vai!

Coragem forçou seu corpo a colocar cada partícula de energia para fora, criando uma pressão que lembrava chaleira fervendo só que de energia.

—Isso não é nada… Muito fraco!

—O pulo do gato começa agora!

E Coragem focou toda sua energia no crânio não mais por todo corpo, toda a energia saia unicamente por suas mãos e eram injetados diretamente no crânio.

—…Ok… Vamos conversar…

—Pode esquecer!!!— e fechou os olhos e agora emanava sua energia com 100% da sua força.

—Háhhhhhhhhhh!!!— começou o crânio a gritar, soltando uma forte luz dos olhos e da boca.

—Hoje vou além! — Coragem achava que podia ir além, superar os limites e emitir ainda mais energia.

—Calma garoto!!! Vamos conversar!!!

—De forma alguma! Minha energia está no máximo, mas devo aguentar ela mais uns 50 minutos ainda! — dizia o menino cheio de confiança.

—Ok eu admito você é o mais forte, parabéns, agora me deixe!

—Lá vai!!!

Coragem respirou fundo e fez sua energia ressoar ainda mais forte, o ambiente todo tremia.

—Haaaaaa!!!!!!— gritava o crânio e finalmente o crânio fez :

“Pffff”

Parando de funcionar e soltando uma fumaça pela boca…

—Eu teria tido pena de você… Mas os seres vivos têm uma fina camada de energia envolta, você não… Aliás até tinha, mas só quando eu lhe colocava energia.

Após fritar o crânio e se envergonhar com os vários goblins que o assistiam comendo pipoca sem perceber que estavam lá, tomou uma poção e correu para a cachoeira todo animado.

A parede de ângulo de 30º da cachoeira agora já não parecia tão difícil… Sentia seu corpo tão forte, que agora se segurar nas brechas da rocha com uma mão de cada vez e tendo que se balançar, e se jogar para alcançar a próxima brecha, foi fácil.

Pois nos dias anteriores já tinha quase vencido aquela parte e hoje finalmente venceu!

Tendo vencido o desafio anterior agora estava na reta final, a dificuldade agora era a pressão da água, Coragem só via água, aliás parecia estar submerso na água que caia, quase não podia respirar, tinha que fazer tudo com o tato. Se afrouxasse os dedos um milímetro que fosse, a água lhe arrastava para baixo…

—Hoje eu termino isso!!!

E manifestou toda a sua energia, uma forte pressão saia do seu corpo, assustando até os goblins mais abaixo e os fazendo cair… Mas mesmo usando tudo o que tinha, a água ainda era muito forte…

Subiu vários metros, vendo que não podia mais respirar, tentava se esticar para respirar ou criar um espaço e não conseguia… Subiu mais alguns metros com muito custo prendendo a respiração.

A correnteza em sua cabeça era muito forte, além de forte não tinha como respirar era como estar debaixo d’água, e mesmo tateando a rocha, não encontrava nenhum lugar para se segurar, a situação era desesperadora.

Então teve uma ideia, era arriscada, mas na situação que estava não tinha nada a perder.

—Tem que dar certo!!!

E Coragem se empurrou para trás com todas as suas forças e se virando no ar e se agarrando bem na ponta de uma estalactite branca, que sabia que estava lá.

—Consegui!!!— gritava o menino pendurado com 3 dedos…

O menino rapidamente encontrou outro apoio para a outra mão e escalou até a base desse estalactite e depois saltou para a outra estalactite, mas esta, estava muito úmida e escorregadia, que o fez escorregar, mas não desistindo se abraçou e deslizou por alguns metros na pedra fazendo suas mãos, dedos, interior das cochas, peito, barriga e rosto sangrarem mas conseguindo parar a queda…

“Arf -Arf-Arf”

Ofegava completamente pálido com sangue escorrendo.

—Não posso cair! Não posso cair! Não posso cair!… A queda poderia me quebrar alguns ossos e morrer afogado no lago!

A adrenalina de Coragem estava tão alta que não sentia dor alguma, sabia que precisava continuar, aliás sabia que recuar seria a sua morte… Só havia uma única solução.

—Preciso vencer!!!

E Coragem cerrou os dentes e continuou a escalar a rocha escorregadia, a cada 3 movimentos que fazia para escalar havia um deslize, que o fazia pagar com mais pele e sangue… Mas sem se entregar, continuava a subir, após 15 minutos subindo e deslizando na rocha, já conseguia ver o lago acima da cachoeira e ao lado desse lago um chão de rochas.

Subindo ainda um pouco mais da metade da rocha e como último esforço, respirou fundo e manifestou o resto de energia que sobrará e se lançou com todas as suas forças, caindo rolando na rocha e se ralando ainda mais.

“Arf-Arf-Arf”

Respirava ofegante deitado no chão.

—Consegui!!!

“Arf- Arf-Arf”

Ofegava o menino se forçando a sentar.

—Fiz bem em apostar em você!

E ao olhar para lado vinha Fleck vindo andando em sua direção com um sorriso enorme.  Mas ao ver seu amigo fechou a cara na hora.

— Como assim…? — perguntou Coragem de mal humor.

—Apostei com a galera lá embaixo que você ia conseguir!

—Você ganhou dinheiro com o meu sofrimento? — perguntava Coragem com os olhos serrados.

—Claro que não! Eu ganhei com o seu suor, dedicação, fibra e etc, tudo é uma questão de ponto de vista hahaha.

—Você é uma criatura horrível…— dizia Coragem agora olhando para seu corpo que estava todo ralado e coberto de sangue.

—Pegue! — disse Fleck jogando um frasco de vidro e Coragem pegando por muito pouco.

—Qual grau é essa poção? — perguntou o menino observando que havia algo de diferente naquela poção.

—Grau 2— disse Fleck se aproximando e depois sentando ao seu lado.

Coragem abriu o frasco e bebeu tudo em um gole e alguns instantes depois sentia suas feridas esquentando e formigando e depois quase como mágica sua pele voltava ao normal.

—Essas poções são incríveis!!!— dizia Coragem enfiando o dedo dentro do frasco e lambendo tentando aproveitar até a última gota.

—Venceu o crânio? — perguntou Fleck que ainda sorria com seus dentes amarelos e pontiagudos.

—Sim, quando eu venci ele fez “Pfff” ai eu venci! — disse Coragem cheio de orgulho.

— Como assim “Pfff”?!!!! — dizia o goblin agora ficando de pé com os olhos arregalados.

— Bem… Eu concentrei o máximo da minha energia no crânio até ele fazer “Pfff” e parar de funcionar… “Pfff” não é um sinal que venci?

—Você quebrou um crânio vibrante?!!!— perguntou Fleck agora espremendo a cabeça de Coragem com as duas mãos.

— “Pfff” é ruim? — perguntava Coragem com medo do goblin surtar e o jogar dali de cima…

—Sua anta! Sabe quanto custa aquilo! Quando ele admitisse derrota já estava bom! — dizia Fleck incrédulo.

—Você por muito menos arrancou a cabeça do coitado do necromante que só estava trabalhando de guarda-noturno! — se defendia o menino atacando. — Fazer “Pfff” em um cranio mal educado não parece tao ruim!

Fleck ficou com os olhos esbugalhados de raiva.

—Mas o lado bom é que eu fiz as duas coisas que você mandou— disse o menino sorrindo e fazendo sinal de “ok” com os dedos.

Fleck não querendo cometer um homicídio respirou fundo e se acalmou…

—Ao menos… Você já está na categoria E+ — disse Fleck pegando um cigarro e passando a fumar enquanto balançava a cabeça como estivesse muito frustrado.

— “Cof-Cof”, o que são essas categorias?

Fleck parou de fumar e ficou olhando completamente imóvel para o menino, totalmente incrédulo do que ouvia.

—Eu vou fingir que você tem problemas mentais e responder…— disse o goblin e depois dando uma longa tragada e soprando argolas de fumaça no ar.

— As categorias são S, A, B, C, D e E, os de categoria E são os zumbis comuns e etc e categoria S são os Lordes e coisas do tipo…

— Eu só sou E? Como assim? E você qual está? — perguntava o menino incrédulo.

— Voce é E+, um E+ um pouco melhor que os zumbis lerdos… E eu, as vezes A, as vezes B, mas provavelmente C, essa coisa de rank não serve para muita coisa, é muito difícil medir os poderes de alguém, uma pessoa mais esperta pode muito bem derrotar uma mais poderosa com um pouco de estratégia, ou armas melhores, isto é só para dar algum norte…

—Hmmmmm… — disse Coragem e se lembrando de algo. — Há, os goblins lá embaixo falaram que tinha ouro aqui encima, cadê? — dizia o menino se levantando e procurando entre as rochas.

—Eu não te dei parabéns? — disse Fleck sorrindo.

E Coragem volta a fechar a cara, sendo óbvio que os goblins não iam dar prêmio para ninguém…

—Então eu vou descer lá e contar para os goblins jovens! — disse Coragem procurando um jeito de descer.

—Não não não, o suposto prêmio aqui encima é um dos poucos jeitos que nós temos de colocar os jovens para treinar! Toma aqui o seu salário do mês e estou colocando umas moedinhas como prêmio — disse Fleck jogando um saco com várias moedas para o menino.

—30 moedas de ouro e mais 5 de cobre?— disse o menino serrando os olhos.—Bom… Melhor que nada…

—E como o senhor chegou aqui encima? — perguntou Coragem já desconfiado de mais marmelada.

—Hahaha é óbvio que eu usei uma outra passagem que chega aqui encima, eu nunca mandei você se regaçar todo para chegar aqui encima! — disse rindo e apontando para uma fenda na parede e Coragem fecha a cara ainda mais.

—Estou indo embora! — disse o menino indo até a fenda

—Amanhã sairemos em missão, me espere na estação ferroviária ao meio dia, se prepare da melhor maneira possível, amanhã darei maiores informações, agora, preciso ir —disse Flack.

E correu até a borda e saltou do alto da cachoeira, caindo no lago e saindo nadando alegremente de costas.


[Não esqueçam de comentar e recomendar]

[Leiam BEYOND? O Denn finalizou a novel!]

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!

Noite de Halloween, a aurora da coragem: Capítulo 13
Noite de Halloween, a aurora da coragem: Capítulo 15