KING: Capitulo 16: Saindo da floresta

408
KING: Capitulo 15: A visão de King
KING: Capitulo 17: A vila de um Senhor de Escravos
Eu acordei com minha cabeça doendo, uma energia girava na minha mente. tentei me concentrar no que era e tudo que eu vi foi algo em forma de um pergaminho, aah! eu sentir uma pontada dentro da cabeça e uma parte do pergaminho foi mostrada.
————-x—-x——x—–> Manual Ancestral do Deus Dragão<——-x——x——x—————-
Aquele que cultivar esse manual pode encontrar o equilíbrio entre o Yin e o Yang.
Uma espécie de euforia tomou conta de mim, desde que eu cheguei nesse mundo eu tenho a curiosidade de ver como funciona o manual de cultivo, mas essas coisas são raras e ate mesmo Wang Zen que já e bem forte não possui um.
Mas não era hora de ficar animado, eu ainda estou nessa cratera e o garoto que estava aqui já sumiu, se bem que de acordo com as memórias dele, ele sabe se virar sozinho. Os cadáveres na cratera aumentaram ainda mais, e os tuneis dentro da cratera também aumentaram, eu resolvi que eu sairei por um desses tuneis, será melhor do quer continuar aqui, e algo nas memórias daquele garoto me deu uma ideia.
Na cratera havia pele das Serpentes do Submundo eu peguei um pouco dessa pele e enrolei em volta do meu corpo, nas memórias do garoto algumas Matriarcas da raça Shé tinham peles de serpentes em algumas partes do corpo, eu não sei se isso vai funcionar como um repelente de criaturas, mas eu espero que sim.
Dentro do túnel estava tudo tranquilo, apesar de escuro não parecia haver qualquer criatura a espreita, como o túnel que me levou ate a cratera esse também parecia ser muito longo, mas depois de um bom tempo de caminhada eu já podia ouvir o som da floresta.
Depois de sair do túnel eu mais uma vez caminhei pela floresta, tudo aqui estava calmo como se fosse um passeio pelo bosque. Eu não sei se a pele da Serpente do Submundo realmente esta funcionando como um repelente, ou se é outra coisa, mas mesmo assim eu não consigo relaxar.
Depois de andar durante algum tempo, eu encontrei uma tábua com um desenho, eu me lembro desse desenho e o mesmo que estava nas carruagens, se eu não me engano o Wang Li me disse que são runas. Se uma parte da carruagem esta aqui, alguém deve ter passado por aqui, mas se deixaram a tábua para trás ou está morto ou já foi resgatado.
Eu continuei caminhando, eu preferi trazer aquele pedaço de tábua amarrado as minhas costas, pode acabar sendo útil.
A caminhada e cansativa e essa floresta parece sem fim, a forme e a sede começou a ficar insuportável, eu não sei a quantos dias eu estou sem comer, eu nem sei quantos dias eu fiquei desacordado na cratera, desde que eu acordei na cratera eu tenho sensação que eu perdi algo importante, mas tudo no meu corpo parece esta normal não importa enquanto o quanto eu cheque.
Durante a caminhada, em alguns lugares eu encontrei poças de sangue como se alguma besta tivesse sido esmagada, seja o que for que tivesse esmagando essas bestas, para min era como se ela tivesse abrindo um caminho seguro, mas o que aconteceria quando essa coisa me encontrasse?
Continuei caminhando a passos lentos, quando eu avistava sinais de um esmagamento eu sabia que eu estava na trilha certa, a noite chegou e eu comecei a ouvir os rugidos das bestas, eu não podia continuar andando as maioria das bestas eram mais ativas durante a noite. Como uma criança que teme o escuro eu encontrei um canto e coloque aquela tábua na minha frente como se ela fosse o escudo mais poderoso do mundo. Varias bestas apareceram durante a noite, algumas delas brigaram umas com as outras, algumas pareciam está caçando enquanto outras sorrateiramente matavam outras bestas em ataques surpresas, algumas bestas chegaram perigosamente perto de min, elas farejavam como se sentisse algo errado, mas pareciam não achar nada e logo desistiram.
Quando o dia amanheceu eu ainda não tinha pregado o olho, mas agora eu me sentia mais tranquilo, o fato de eu ter ficado a noite inteira sem que as bestas me detectassem me deu a confiança de que eu precisava para seguir em frente, agora eu não iria seguir mais aquele rastro de destruição.
XXX
Dois dias de caminhada se passaram a forme agora já estava longe de suportável, a ultima vez que eu sentir tanta fome foi no meu antigo mundo. Na floresta regulamente eu via frutas que pareciam deliciosas, mas depois de dois dias aqui eu sabia que tentar pegar uma dessas frutas era quase suicídio com a minha força, os insetos e as bestas menores daqui usava essas frutas atrativas como armadilha, pelo que eu vi a própria fruta continha algum tipo de efeito paralisante e assim que a presa ficava imóvel os insetos ou as bestas menores atacavam em bando. sem falar dos macacos de pelo vermelho, aqui nessa floresta eu vi a verdadeira natureza dessas bestas, na verdade elas são bestas carniceiras basta uma ser vivo morrer que esses macacos vem em bando para a refeição.
A fome já está me atrapalhando a pensar, eu acho que eu vou morrer de fome, bom eu acredito que esse era originalmente o meu destino, das crianças pobres que nasciam no meu antigo mundo 30% morriam de fome os outros ou viravam escravos militares ou civis. Eu já nem sei o que me move, talvez seja o instinto básico de sobrevivência me dizendo para seguir em frente.
XXX
Com a visão embaçada, as pernas bambas e muita fraqueza eu continuei caminhando, e para ser sincero eu nem sei se eu caminhei 20 metros ou 200, mais eu tive um despertar de lucidez quando alguém me parou e colocou uma faca no meu pescoço, por um segundo eu achei que eu estive alucinando como alguns dias atrás, mais o corte frio da lamina não me engana, diversas vezes na minha vida passada eu era aquele que empunhava a lamina e cortava gargantas, mas agora eu fiquei tão silencioso quanto a minhas vitimas, a pessoa segurando a faca falou:
“Quem é você?”
“Meu nome é Jonathan King eu me perdi do meu grupo no ataque das bestas.” respondi fracamente.
“De onde você é?” perguntou meu captor.
“Da cidade Dragão Pacifico.”
“Responda direito! de que Império você veio?
“Império Dragão Vermelho, por favor me ajude.”
Pow!
Eu levei um golpe na nuca e desmaiei.
XXX
Um jovem saiu de trás de uma arvore e olhou para seu irmão mais velho que acabara de nocautear um jovem.
“Irmão ele e perigoso?”
“Não ele parece já está exaurido, além disso pela energia interna dele, ele deve ter começado a cultivar a pouco tempo.”
“Então por que você o golpeou?”
“Bom as vezes nem tudo e o que parece, eu só quis me certificar que ele não estivesse fingindo. Além disso ele disse que é do Império Dragão Vermelho, então ele é um inimigo em potencial da nossa nação.”
“Império Dragão Vermelho! Hmm!!! Como ele veio parar aqui.” disse o jovem começado a revirar as roupas do jovem nocauteado, a procura de algo valioso.
“Ele disse que se perdeu do seu grupo no ataque das bestas, mas se for aquele ataque massivo das serpentes ele aconteceu a dois meses, essa runa de ocultamento esculpida na carroça pode ter sido a principal causa de sua sobrevivência, isso e essa pele de cobra que deve ter ocultado o odor dele.”
“Ele não tem nada de valor, o que vamos fazer com ele irmão?”
“Não sei, mas se o levamos conosco podemos…”
“Oh, isso com certeza e uma boa ideia.”
XXX
Quando eu acordei, havia duas pessoas, próximas de mim, uma era um jovem parecia ter por volta de 15 anos e o a outra já era um adulto devia ter pelo menos os 25 anos, com um olhar rápido julguei que foi esse que me nocauteou. O jovem sorriu e disse:
” Bom dia! desculpe a grosseria do meu irmão, você está entre amigos agora!
“Ok” respondi meio zonzo.
” Aqui! coma um pouco.” disse o jovem.
Depois de me alimentar o jovem perguntou se eu não aceitava seguir com eles para sair da floresta, apesar de sentir que essa não era uma “simples gentileza” eu não tenho muito escolha.
No caminho eu aprendi um pouco sobre esses irmãos, ambos era de uma família de caçadores de bestas, o mais velho já estava no Rank Prata e o mais jovem estava quase no Rank Bronze, eles pertenciam a um pequeno Império cujo a fronteira fica próxima da Floresta do fim. Enquanto caminhávamos eu não comentei qualquer coisa sobre o que aconteceu naquela cratera e também não tentei cultivar de acordo com o Manual Ancestral, os irmãos possuíam muitos núcleos, e por um breve momento a ganancia me fez deseja-los, mas diante de alguém mais forte que eu ela foi facilmente dispersada, se fosse alguém mais fraco, eu não sei se conseguiria me controlar.
Algum dias se passaram e nos finalmente saímos da floresta, nesse momento uma grande preocupação dentro de min se dissipou. Depois que os irmãos me ajudaram na floresta uma preocupação de que eles queria me usar de isca para atrair bestas poderosas, passava constantemente pela minha cabeça, felizmente nós saímos da floresta sem encontrar nenhuma besta muito perigosa.
Chegamos a uma cidade e os irmão me levaram ate uma loja, o que eu não esperava é que nessa loja os irmão me vendessem como escravo, e antes que eu me desse conta uma coleira com runas estranhas havia sido colocada no meu pescoço.
XXX
Em uma rua de uma cidade fronteiriça dois irmãos conversavam.
“Nossa! O comercio de escravos é uma bosta, como pode um jovem saudável valer somente 10 moedas de prata!”
” É melhor do que nada, de qualquer forma o plano principal era faze-lo de isca, a sorte daquele garoto que foi boa o suficiente que nos não nos encontramos com nenhuma besta nível 4 ou Elite.”
“Bom pelo menos pagou pela ajuda que demos a ele. He!He!”
[Contextualizando: A Floresta do Fim passa por 5 Impérios seja cortando seus territórios ou margeado suas fronteiras.]
KING: Capitulo 15: A visão de King
KING: Capitulo 17: A vila de um Senhor de Escravos