God is a Game Designer – Capítulo 50

357
God is a Game Designer - Capítulo 49
God is a Game Designer - Capítulo 51

🌞 Ative o Modo Noturno 🌚

       

Tradução: The Tempest | Revisão: Yann | QC: The Careca


Antigos Conhecidos

Sons de calcanhares batendo contra o tapete, três mulheres se moveram ao longo do tapete e finalmente chegam ao último corredor, um sorriso se aproximou do rosto de Delina, assim quando ela olhava envolta das mulheres.

“Mais alguma coisa que eu deveria saber?”

As duas vampiras se olharam, demorando um pouco antes de se atreverem a olhar para Delina.

“Mestra, ele disse que se seus amigos forem tocados, ele encontrará a pessoa que fez isso e fará uma floresta de plantas devoradoras de animais para consumi-los. Para citá-lo exatamente.”

O rosto de Delina se transformou em um sorriso, suas lembranças se aproximaram de quando ela era mais jovem. Com suas pernas caminhando ela finalmente abriu a porta, batendo-as enquanto entrava na sala, seu sorriso cresceu conforme ela olhava diretamente para Nathan.

Seus olhos estavam mirando para o homem que ainda fazia seu coração tremer a cada movimento. Ela estava viva quando Nathan ainda estava ativo. Ela passou a ser um dos poucos a ver sua vontade divina como o deus criador, suas mãos criando milhares de pessoas, uma aldeia inteira subindo do chão com montanhas e edifícios.

Ela conseguiu se aproximar de Aelina durante seus anos mortais para eventualmente se tornar um dos vampiros originais. Ela e seu irmão Kane subsequentemente se separaram e criaram clãs separados de vampiros que faziam coisas diferentes, mas ela nunca esqueceu este homem. O homem que detinha o poder para fazer muitas coisas.

“Bem, Nathan é um prazer te ver.”

Nathan estava confuso com uma saudação tão familiar, observando a mulher fechar a porta atrás dela e deixando seus vampiros do lado de fora quando ela começou a falar. Sua confiança era bastante alta, pois estava claro que ela era uma vampira poderosa.

“Parece que você está confuso sobre o porquê de você não se lembrar de mim. Não estou surpresa porque ninguém se lembraria de quem assistiu de longe.”

Nathan piscou novamente, aparentemente confuso enquanto a mulher continuava a se aproximar, o corpo dela em pé diretamente em frente a ele, em vez de se sentar na frente dele.

“Quem é Você?”

“Sou alguém que viu as ações que você fez em primeira mão, o corpo fraco e estranho com tais poderes explosivos. Aelina me contou muito sobre você, e ainda me faz tremer cada vez que me lembro de você fazendo tais ações piedosas.”

Nathan piscou quando percebeu que a mulher o tinha visto há muito tempo fazendo algumas edições pessoalmente na terra, apenas alguns imortais teriam idade suficiente para entender tal coisa e este vampiro deve ter sido um dos poucos a realmente vê-lo durante seu tempo criando o jogo.

“Estou surpresa que o criador tenha tempo de vir aqui conosco mortais para jogar.”

Delina era mais assertiva do que qualquer outra pessoa, suas pernas deslizando para cima e ao longo de Nathan, seu corpo deslizou até o dele enquanto seus olhos vermelhos olhavam para os dele. Ela se puxou para frente enquanto estava sentada em seu colo neste ponto, os braços envolvendo seu pescoço enquanto se aproximava.:speech_balloon:

“Você me deu calafrios, e eu tentei obter tanta informação sobre você dos outros semideuses. Caso contrário, eu não reconheceria você. Muitas pessoas não acreditam que você exista além do que os semideuses dizem. Apenas seres como eu, aqueles com vidas longas ou imortais, se lembram.”

Nathan sentiu sua respiração se contrair, a mulher era muito agressiva. A beleza deslumbrante com a natureza sexual fez seu coração bater rapidamente quando ela se aproximou, seu corpo pressionando perto do dele enquanto fazia questão de manter uma expressão fria e calma com essa mulher.

“Bem, eu estou feliz que você se lembre de mim com carinho. Você é uma mulher mais velha, e você não deve agir como uma criança sentando no meu colo.”

Delina não se surpreendeu com isso, sua sedução era poderosa, mas contra um deus assim, ela sabia que era quase fútil. As palavras usadas o fizeram parecer mais uma figura paterna, e o olhar frio com indiferença só fez o coração dela tremer mais forte. Ela adorava quando as pessoas se esforçavam para conseguir, isso só a faria trabalhar mais para obtê-los.

Ela se aproximou, seu corpo inteiro pressionando contra o dele enquanto ela tentava se fazer completa contra ele, seus lábios lentamente traçando seus traços definidos antes de parar em seu pescoço, ela não podia mais esconder seus sentimentos enquanto suas presas se estendiam. Se ela pudesse ter um gostinho da divindade, as coisas poderiam mudar para o grupo dela.

Ela lambeu os lábios antes de empurrar suas presas para fora, afundando em sua carne enquanto apreciava esta refeição.

Uma dor afiada perfurou como uma espada apunhalando em carne.

Delina se afastou, segurando a boca enquanto seus dentes latejavam de dor, parecia que mordeu uma pedra. Quando ela mordeu, parecia que ela esmagara seus dentes em pedra dura, se ela não tivesse puxado para trás com rapidez suficiente, ela poderia ter perdido suas presas devido à pressão.

Antes que ela pudesse dizer qualquer coisa, seu corpo foi erguido no ar, videiras verdes cobriram seu corpo conforme ela era arremessada através do quarto, batendo na parede oposta fazendo a mansão inteira retumbar, a parede desmoronou enquanto as pinturas próximas caíam da parede e se amontoavam no chão.

Muitas outras videiras brotavam da madeira e do piso conforme a envolviam, fortes o suficiente para estrangulá-la enquanto elas a prendiam. Este era o poder do deus. Sua cabeça se esforçava para virar e olhar para Nathan conforme ela queria vê-lo usando seus poderes.

Para sua surpresa, Nathan estava sentado calmamente, bebendo seu chá sem se importar com o mundo, o poder não vinha dele. Sua cabeça continuou a girar enquanto ela olhava para a outra mulher que estava de pé, sua aura gélida estava cheia de vida.

O poder dos deuses ao redor dela. Flores, grama e até mesmo uma pequena árvore começaram a crescer ao redor dela, empurrando as tábuas de madeira para longe, a mobília foi derrubada. Não era tão potente quanto um semideus comum, mas ainda era forte o suficiente para capturá-la e mantê-la imóvel. Auryn rugiu para a mulher que se atreveu a tentar atacar seu mestre.

“Mantenha suas mãos imundas para si mesma, suas presas não podem manchar o deus criador!”

[Careca: Galera, capítulo passado esqueci de fazer menção a revisão do Yann, mas é ele quem faz a revisão, eu só faço o QC! Tchau, Brigadu e Foi Mal Yann!]

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!

God is a Game Designer - Capítulo 49
God is a Game Designer - Capítulo 51
COMPARTILHAR
Leitor inveterado Veterano na fundação da internet: "na minha época, isso tudo aqui era mato" Traduz, revisa, erra, conserta e ri.