God is a Game Designer – Capítulo 49

366
God is a Game Designer - Capítulo 48
God is a Game Designer - Capítulo 50

🌞 Ative o Modo Noturno 🌚

       

Tradução: The Tempest | Revisão: Yann | QC: The Careca


Dentro do Covil

Quando Nathan entrou na mansão, os quartos mudaram em direção a um estilo mais ocidental da Europa, mais perto de seu próprio país natal do que qualquer outra coisa. Entrando no salão principal havia duas escadas, à esquerda e à direita, que levavam a uma varanda interna suspensa, pilares de mármore sustentavam essas sacadas do segundo andar.

Toda a mansão era decorada com obras de arte e itens históricos como armaduras, armas e artefatos. Todos esses itens teriam um preço excelente no mercado, muitos deles valendo um preço elevado, mas, para Nathan, eles eram relíquias mortais que não tinham importância alguma.

Por que ele estaria interessado em uma pederneira quando ele poderia pegar um rifle automático com muitos anexos.

As vampiras também notaram seu desinteresse por tais itens, fofocando entre si, já que muitas delas vieram para a frente para ver quem estava chegando. Era claro que este lugar estava cheio de vampiras, no hall de entrada principal algumas dúzias de vampiras observavam com interesse.

Muitos olhos tinham pousado em Auryn, claro quem seria o alvo principal para se divertir, cada vampiro pensava em planos para tentar agarrar a mulher para algum entretenimento extra. Era fácil perceber que elas usavam os negócios para alimentar. 🎈

Sussurros entre os vampiros começaram quando todo mundo parecia atordoado, em vez de ir em frente e passar as portas duplas para o centro de visitantes, eles foram para a direita e para as portas do pessoal. Vampiros estavam perdendo a esperança, pois sabiam que esta refeição não aconteceria se eles estivessem indo para a Senhora.

O tapete que os levava à frente era de um vermelho brilhante com padrões em preto costurados no tapete, era claramente desenhado à mão e tinha levado um tempo razoável para ser concluído um padrão tão longo. Paredes tinham muitas pinturas em vez das armaduras, armas e artefatos que estavam na sala anterior.

Por fim, chegaram a um dos últimos aposentos ao longo do corredor. A abertura da porta revelou uma sala cheia de pinturas com uma grande janela com vidros escurecidos que pareciam estar inscritos com encantamentos, que deveriam protegê-los ou impedir que as pessoas olhassem para dentro da sala da mansão.

Dois conjuntos de móveis ficavam em frente um do outro, com uma mesa no centro. Sob ele, tudo era um grande tapete da mesma cor e desenho da área anterior. Sob a mesa havia um conjunto de pires e xícaras, um pote e algumas tigelas de cubos de açúcar. Era uma sala excelente, quase como se este lugar não existisse dentro do vórtice.

“Por favor, sente-se aqui. Vou trazer a Senhora aqui para vocês.”

Nathan se moveu para dentro com Auryn atrás dele, tomando um momento para olhar em volta antes que seus olhos focassem na mulher que o trouxe aqui, sua voz era clara quando ele deu a ela uma instrução explícita.

“Deixe os outros vampiros saberem. Meus amigos estão fora do limite e, se eu encontrar alguém que tenha tentado ferir meus amigos, eu farei uma floresta de plantas devoradoras de animais para consumi-los.”

Sua voz, sorriso e corpo mostraram que ele estava fazendo uma piada, mas a aura que vinha dele parecia empurrar na outra direção. Enquanto a vampira não concordava, ela rapidamente se retirava para a porta, segurando o quadro.

“Não se preocupe, Senhor, eu fui instruída a informar que nós forneceremos a melhor hospitalidade gratuitamente, sem nenhum acréscimo ao lado.”

Nathan acenou com a cabeça quando se sentou, permitindo que a mulher saísse, sua mão moveu-se para encher uma das xícaras enquanto soltava um suspiro, o chá cheirava muito bem.

“Nathan, você não está preocupado que os vampiros não vão se virar e tentar algo engraçado?”

Nathan já estava bebendo o chá enquanto olhava para Auryn com curiosidade antes de soltar uma risadinha. Sua cabeça tremia antes de dar um tapinha no assento ao lado dele.

“Auryn você precisa perceber. Vampiros são criaturas mágicas e divinas. Eles podem sentir o pequeno poder da fertilidade dentro de você e estão morrendo de curiosidade sobre isso. Eles possivelmente não conseguem sentir nada em mim.”

Auryn se perguntou por um momento antes de começar a se servir de chá. “Então, por que isso os impediria de nos acorrentarem e apenas nos comerem, se sentirem meu poder, não ficarão curiosos para ver se conseguem isso?”

“Auryn, existem dois tipos de vampiros neste mundo. O primeiro tipo tende a ser especialista em guerras e vão para campos de batalha. Eles vão atacar você e tentar vencer em uma batalha de poder. O segundo tipo é aquele que trabalha junto, resolve problemas e tenta atrair pessoas para eles. Vampiros de espionagem. Eu não me preocupo muito com o segundo tipo, já que eles tendem a usar inteligência mais do que a força.”

Ele terminou outro gole de chá enquanto soltava um suspiro, claramente apreciando a bebida que havia sido deixada para eles.

“No final, se eles tentarem qualquer coisa eu vou fazer um buraco no lado da mansão, eu acho que eles vão se comportar. O líder deste lugar deve ser esperto, vampiros desse tamanho devem se esconder bem para não serem detectados pela igreja, e esses tipos de vampiros normalmente não matam pessoas das quais bebem.”

Auryn terminou sua xícara de chá, colocando a xícara de volta no pires enquanto ouvia, aparentemente tentando obter todos os detalhes. Ela tinha ouvido falar de vampiros, mas nunca cruzou com eles. Ela viveu muito tempo, mas vampiros normalmente se isolavam ou tendiam a lutar o tempo todo, ela não era assim, o que significava que ela nunca havia cruzado com um vampiro antes.

“As pessoas não sabem que estão sendo mordiscadas?” Auryn perguntou.

“Não, eles são muito bons em editar sensações. Eu acho que eles entram no quarto da vítima, a seduz com qualquer fantasia selvagem que ela tenha, normalmente usando ilusões para mudar a forma antes de pousar no colo da pobre pessoa. Durante os tempos de diversão à noite, eles mordem e bebem, já que eles podem mudar as sensações, a dor se torna prazer, o que deixa os clientes ainda mais felizes.”

“Isso fará com que o cliente saia feliz, o que repetirá o ciclo e mais pessoas virão, o que continua os hábitos alimentares dos vampiros. É por isso que a cidade que deveria estar morta com a areia matando tudo é um destino turístico popular. Neste caso, os vampiros estão mantendo a cidade viva.”

“O líder deve ser bastante impressionante.”

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!

God is a Game Designer - Capítulo 48
God is a Game Designer - Capítulo 50
COMPARTILHAR
Leitor inveterado Veterano na fundação da internet: "na minha época, isso tudo aqui era mato" Traduz, revisa, erra, conserta e ri.