Warlock of the Magus World – Capítulo 207 – Colheita

5
559

Tradução: Aguinor 
Revisão: Reizen


“Tudo bem, se não houver mais nada a tratar, vocês estão dispensados!”

Leylin olhou para George, que parecia querer falar algo mas manteve-se calado, e depois olhou para Bessita e os outros que permaneceram quietos. Ele podia sentir seu entusiasmo diminuindo.

Desde que avançou e se tornou um Mago oficial, ele parecia estar em um mundo diferente quando comparado com seus círculos sociais iniciais.

Mesmo que seus velhos conhecidos estivessem bem à sua frente, eles sentiam-se incrivelmente distantes, como se centenas de milhares de anos tivessem se passado.

“Entendido!”

Os acólitos, sob as ordens dele, se curvaram e retiraram-se rapidamente.

Mesmo George e Bessita deixaram o salão cautelosamente depois de curvarem-se.

Bessita, que foi a última a sair, lançou a Leylin um olhar incompreensível e em seguida se retirou rapidamente.

—◊—◊—◊—

Na escuridão da noite, depois de completar uma sessão da técnica de meditação do Pupilo de Kemoyin, Leylin se deitou na cama. De repente, ele abriu os olhos.

Imediatamente depois, uma suave batida na porta soou do lado de fora.

“Entre! A porta não está trancada! ” Leylin levantou-se e falou com indiferença.

A porta se abriu, e uma figura humana vestida com um manto cinza entrou.

“Bessita! O que posso fazer por você?” Leylin olhou para esta garota com cabelos branco prateado, com os olhos exalando uma aura maquiavélica.

“Lorde Leylin, por favor perdoe Bessita por suas ofensas anteriores!”

A voz de Bessita era suave e gentil enquanto ela falava baixinho. Depois disso, ela tirou o manto que ela estava vestindo revelando seu corpo nu.

O corpo de Bessita havia se desenvolvido bastante desde a última vez que ele havia-a visto. Seu corpo era extremamente sensual e com uma requintada pele branca como  a neve; Era como se água fosse ser expelida de sua pele se fosse apertada.

Bessita olhou para Leylin enquanto ela lentamente se ajoelhava. Em seus olhos vermelhos como rubi, parecia existir um olhar adulador buscando com sinceridade o perdão.

Pode-se imaginar qual seria a sensação de ter uma menina linda e deslumbrante ajoelhada na sua frente, completamente nua, buscando pelo seu perdão nas altas horas da madrugada.

Leylin estava experimentando isso por si próprio agora mesmo.

Contudo, a sua expressão era serena, como se o corpo sedutor e delicado de Bessita fosse apenas um esqueleto quebrado aos seus olhos.

Leylin olhou para esta garota inteligente e perspicaz.

“Você é astuta, mas às vezes, seu excesso de confiança é prejudicial a você própria!”

Leylin ergueu a mão direita e acariciou o rosto de Bessita, e então deslizou até seus seios.

“Você está tentando me seduzir? Com apenas esses dois pedaços de carne?

A mão direita de Leylin atrevidamente esfregou os peitos macios de Bessita. A menina deu um gemido, com sua expressão cheia de dor.

Bessita de repente sentiu uma imensa sensação de pavor atacando-a.

Seu poder como um acólito de nível 3 não era nada para Leylin. Entretanto, ela estava confiante na sua beleza marcante.

No entanto, olhando para o olhar gélido de Leylin, ela de repente sentiu que tudo o que acabava de fazer era um ato vergonhoso e ridículo.

Os olhos frios de Leylin deram-lhe um sentimento de sufocamento.

Seu corpo tremia constantemente enquanto suor frio escorria. Com o passar do tempo, o corpo de Bessita ficou vermelho e seu rosto pálido. Era como se ela pudesse morrer da falta de ar em qualquer momento.

“Contudo! Alegre-se! Para comemorar o meu “eu” anterior, decidi dar-lhe uma chance!”

No momento em que Bessita estava prestes a desmaiar, Leylin falou suavemente.

Só então ela se lembrou de respirar, e ofegou fortemente. Antes, foi como se uma mão gigante estivesse a sufocando. A sensação de sufocação desapareceu quando Leylin falou.

Bessita respirou muito profundamente com lágrimas à beira de fluir.

Nunca houve um momento em que ser capaz de respirar livremente fosse algo que ela consideraria uma benção.

“Venha comigo!”

Leylin balançou a cabeça e abriu a porta para uma sala separada.

Bessita tremeu e pegou o manto, que estava no chão, e cobriu seu corpo delicado e nu.

Ela tinha sido capaz de seduzir Leylin sem se sentir tensa, mas agora, tudo o que sentia era vergonha. Tal sentimento estranho a fez ficar toda vermelha, desejando que houvesse um buraco para que ela se escondesse.

Depois de passar pela porta de outra sala, Bessita descobriu que ela havia chegado a uma sala secreta que estava completamente fechada.

Era uma sala pequena, e era possível ver vestígios de uma recente construção nas paredes.

No meio da sala secreta, havia uma mesa de metal pesada que era semelhante à de uma mesa usada para experiências. Fixadas nos quatro cantos da mesa havia algemas e grilhões.

[Nota do tradutor: O autor usou a palavra “legcuffs”, que são aquelas correntes com uma esfera de metal usado em prisioneiros antigamente, mas eu creio que sejam só algemas pra prender os pés.]

Olhando para esta mesa de metal, o rosto de Bessita empalideceu.

Ela queria se retirar, mas ainda assim não se atreveu. Foi então que ela notou as estranhezas que estavam penduradas nas paredes da sala.

Por exemplo, havia uma clava pequena que estava cheia de pequenas esferas na superfície. Havia também uma seringa grande cheia com várias pérolas de vidro dentro, com um sugadouro e alça juntamente de outros objetos estranhos.

O coração de Bessita afundou que nem uma pedra.

Claro, ela estava ciente de que muitos magos oficiais tinham fetiches estranhos.

Ela já tinha ouvido falar de uma história onde um professor em sua academia comeu uma menina enquanto ela ainda estava viva depois de ter terminado de brincar com ela.

“Não entenda mal, isso não é meu, foi um presente deixado para trás pelo Mago anterior…”

Leylin alcançou uma amarra de experimentação incomum feita de correntes de algodão e metal da parede e acrescentou:

“Mas eu percebi que seus hobbies são bastante semelhantes aos meus, no passado …”

Aqui, Leylin estava se logicamente se referindo a esse infortunado idiota que havia morrido e permitiu que Leylin assumisse seu corpo.

Leylin não gostava de Bessita desde que ela tinha tomado vantagem dele antes. Por isso, ele estava planejando ensinar-lhe uma lição que ela não esqueceria.

O Leylin anterior tinha um bastante nas mãos dos outros e acabou morrendo.

Leylin acreditava que, uma vez que tinha assumido tudo o que pertencia ao Leylin anterior, era seu dever se vingar em seu nome. Não era tão difícil mesmo.

“Estes itens aqui foram modificados e estão do jeito que ‘eu’ gostava.”

Leylin olhou para Bessita que estava na frente dele; um sorriso malicioso surgiu em seu rosto.

—◊—◊—◊—

Depois que Leylin liberou deliberadamente seus sentimentos, ele parecia estar completamente bem na manhã seguinte e lidou com assuntos no forte.

Bessita, por outro lado, tentou duramente e emergiu da sala secreta na segunda noite.

Seu rosto estava completamente pálida e seus ossos pareciam não ter nenhuma sensibilidade neles. O cheiro de sangue era forte nela, e Bessita ficou na cama por uma semana inteira antes que ela pudesse se forçar a caminhar.

Se isso tivesse acontecido antes, os acólitos teriam manifestado sua desaprovação e reclamariam.

Mas agora, mesmo que Bessita estivesse ausente por sete dias, eles só podiam tolerar seu comportamento. Afinal, nem todos os acólitos poderiam ter relações com um Magus oficial, certo?

Ela sofreu repercussões após esse incidente, e toda vez que olhava para Leylin, ambas as pernas tremiam involuntariamente como se tivessem visto um demônio em pessoa.

Claro, Leylin não se preocupou com isso.

Uma vez que ele tinha usado todos os métodos que obteve das lembranças anteriores de Leylin em Bessita, ele nunca mais se aproximou dela.

A razão do que ele fez com ela não era por causa de algum desejo ou passatempo pervertido. Ele simplesmente queria puni-la e vingar-se do original Leylin Farlier.

Por isso, depois de vigorosamente liberar a sua raiva, todas as questões relativas a Bessita foram esquecidas.

Leylin estava atualmente patrulhando o mar de Flores Negras Mandara.

Essas flores negra tinham pétalas que eram do tamanho de uma palma. Em cima, havia manchas azuis que eram como estrelas, e na noite eles até emitiriam uma luminescência esbranqueada.

As Flores Negras Mandara era uma subdivisão da Flor Mandara. Suas pétalas eram um recurso extremamente precioso para acólitos e até Magos oficiais que se especializavam em energia negativa.

No mundo exterior, uma pétala da Flor Negra Mandara poderia ser vendido por um preço surpreendente de mais de 1000 cristais mágicos!

E aqui, o que Leylin tinha em sua frente era uma vastidão dessas flores!

“Os recursos da dimensão secreta do Rio Eterno são tão abundantes que faz que chega a ser incrível!”

Exclamou Leylin, embora não fosse a primeira vez que as visse.

Uma pena que, acima deste mar de Flores Negras Mandara, houvesse um feitiço de vigilância. Antes que ele decidisse trair os Magos da luz, ele tinha que restringir temporariamente qualquer ideia de tomar as flores para si mesmo.

Além do feitiço de vigilância, havia formações mágicas de sondagem intrincadas em cada entrada da dimensão secreto. A questão de como transportar secretamente esses recursos foi um problema muito incômodo.

Agora ele podia entender por que a Four Seasons Garden queria erguer um forte nesta área.

Ocupando uma localização estratégica era apenas um aspecto, mas a Four Seasons Garden também não podia desistir deste enorme mar de flores.

Embora a dimensão secreta do Rio Eterno fosse extremamente vasto e tivesse recursos abundantes, este mar de Flores Negras Mandara era extremamente valioso mesmo entre os outros recursos por aqui.

Se não fosse por essa terrível localização, a Four Seasons Garden provavelmente enviaria um grande exército para defender esta área.

“Lorde! Nossa tarefa diária é fazer a colheita o máximo possível dessas Flores Negras Mandara e transportá-las antes que o inimigo chegue!”

Junto do mar de flores, um acólito seguiu até atrás de Leylin e explicou especificamente os detalhes.

“Que a Ennea Rings nos abençoe! À medida que esses Magos obscuros ficassem sabendo de várias áreas de recursos em larga escala, combates sempre surgiriam. Nós provavelmente estaremos enfrentando uma grande quantidade de forças dos Magos obscuros… Ainda há alguns magos e acólitos  que tentam atravessar nossas defesas de vez em quando para roubar nossos recursos. Além disso, também temos que nos proteger contra certos magos claros…”

Este acólito sorriu amargamente.

“Compreendo! De qualquer forma, nossa missão é colher todas essas flores assim que pudermos e repelirmos os Magos e acólitos errantes. Se estivermos em uma situação desvantajosa, devemos enviar um sinal. Correto?”

Leylin perguntou indiferentemente.

“Sim, é isso mesmo!” O sorriso do acólito tornou-se ainda mais amargo.

Essa tática estava convidando claramente Leylin e seu grupo a dançar nas bordas de uma espada e usar suas vidas em troca de recursos.

“Entendi!” Leylin falou solenemente depois de um momento de silêncio.

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!