Hail the King: Capítulo 164.2: Limpando a lamina da espada.

4
669

Tradução: LK
Revisão: Pomba


Embora tenham entrado no território inimigo, os batedores da cavalaria de Black Stone apareceram muito rapidamente na visão da equipe de expedição. Embora o Rei de Black Stone já estivesse com mais de 50 anos, ele ainda era muito ambicioso, especialmente após a promoção para um reino de nível 4 há três anos. Naquele tempo, o reino recebeu muitos pergaminhos e moedas como recompensa, e o tamanho do exército e o limite de população também foram estendidos. Nos últimos três anos, a nação realmente fez um progresso significativo, por isso não era surpreendente que Fei visse unidades de cavalaria na fronteira.

“Ignore-os, levante minha bandeira de Chambord, dispare as flechas de advertência a 500 metros ao redor do acampamento. Se eles se atrevem a entrar, matem os imediatamente sem perdão! Fei olhou para as unidades de cavalaria de Black Stone que estavam deliberadamente andando para a frente e para trás e para a esquerda e direita, ele zombou e ordenou.

Logo, a grande bandeira se elevou no meio do acampamento.

Swish ~

Quatro tons afiados cortaram o vento.

No momento seguinte, as quatro flechas com penas brancas vazias e as caudas manchadas com um punhado de sangue, atravessaram o ar e cruelmente cravou a uma distância de 500 metros do campo. Este movimento representava apenas uma coisa na Terra de Azeroth, vá além das flechas sangrentas, e mataremos sem perdão!

Depois de fazer tudo isso, o exército de expedição de Chambord começou a preparar seus fogões e cozinhar.

Esta seria uma longa noite, a lua brilhava no céu, e a terra estava como se envolta por uma camada de areia de prata com mercúrio. Os sons de risos vieram do acampamento, e também se pode ver de longe ao lado da fogueira, havia homens musculosos de peito nu lutando…

“Marechal, o que devemos fazer?”

A cerca de mil metros do exército de expedição da cidade de Chambord, uma equipe de 20 cavaleiros blindados equipados com a lança padrão e o escudo de pipa, apareceu silenciosamente em uma pequena colina sob a cobertura da noite. Aquele que liderava era um homem de 50 anos, em sua mão esquerda ele segurava um raro capacete arredondado cor de rubi tipo Milan, tinha os cabelos grossos e loiros e a barba em pé como agulhas e seus olhos eram afiados como o de um falcão. A armadura grossa ainda não conseguia encobrir a personalidade violenta e homicida desse homem, como se ele fosse uma fera demoníaca que começaria a comer humanos a qualquer momento.

Ao ouvir a pergunta de seu assistente, o velho colocou o capacete, deixando apenas um par de olhos frios e brilhantes expostos. Ele olhou para a flecha de penas brancas manchadas de sangue não muito longe, e algumas ideias em sua mente desapareceram instantaneamente. Hesitando por um segundo, ele voltou o cavalo e disse: “Siga o plano, informe todos os departamentos para terminar de se preparar e, em seguida, envie batedores para monitorar seus movimentos a todo o momento. Além disso, envie alguém e conte a aquelas poucas pessoas sobre a chegada do exército de Chambord!”

“Sim sua Majestade!”

O velho hostil então chicoteou seu cavalo, e ele logo desapareceu na grande noite, com os 20 cavaleiros seguindo de perto.

Mas o que aqueles cavaleiros não esperavam era, apenas alguns segundos depois que eles saíram, apareceu uma figura alta de pé. Os cabelos longos e pretos dançavam no vento noturno, seu corpo adornado por uma armadura leve de pano preto e sua capa vermelha escura ondulava no vento. Como um deus demoníaco, seus olhos poderiam tirar os holofotes do céu estrelado. Ao ver as figuras desaparecerem na noite, apareceu um sorriso no rosto desse homem: “Hahaha, parece que eu os superestimei. Eu irei ficar aqui um pouco mais de meio dia, e vocês já não podem se segurar mais. Vamos, vamos, deixe-me ver se as duas espadas em minhas mãos ainda são afiadas.”

Swish ~

Verde e roxo, duas luzes brilharam, e a sombra negra desapareceu da colina no ar. Ao mesmo tempo, duas árvores gigantes de 3-4 metros de diâmetro foram cortadas instantaneamente. Os dois cortes estavam limpos como um espelho, mas um estava carbonizado com o cheiro de cinzas queimadas, e o outro estava coberto por uma fina camada de gelo.

À beira do lago, a fogueira ainda estava furiosa, e foi quando a atmosfera ficou especialmente excitante. Os guerreiros da cidade de Chambord estavam meio nus e deram grandes mordidas na carne sob o vento frio do outono, e a tentadora fragrância do vinho de malte flutuava cada vez mais longe.

À meia-noite, bolas de nuvens de tempestade apareceram repentinamente, cobrindo a lua brilhante e as estrelas.

A noite tornou-se incrivelmente escura.

Neste momento, além dos soldados da patrulha, a maior parte do exército da expedição já entrou no seu doce país dos sonhos.

Na tenda do rei Fei de Chambord, na cama de bestas magicas quente e macia, os corpos de Angela e Emma estavam cobertos de colchas e ambos os rostos bonitos mostravam um sorriso doce. Para duas meninas que nunca saíram da cidade de Chambord, todos os cenários que viram hoje estavam tão frescos na mente como nunca estiveram, e este foi um lindo dia.

Mas Fei sentou-se numa cadeira no meio da grande barraca, segurando uma folha de couro branco na mão. Ele limpou cuidadosamente e lentamente as espadas roxa e verde. A espada afiada irradiava uma espécie de frieza pulsante sob a luz do braseiro. Havia um leve sorriso no rosto de Fei, e no sorriso se escondia um traço cruel…

Só então –

“Matem!”

“avancem! Matem todos!”

Inúmeros cascos trotavam na terra, e os ruídos de gritos esmagadores soavam de longe.

  • Ákila Tomaz

    opa mas gente pra morre nao mao do nosso brilhante rei, obrigado pelo cap bom trabalho como sempre na traduçao, e se puder rolar um combo ficaria agradecido haahhaha 🙂

  • Sabin

    Obrigado pelos capítulos empire. Nosso pequeno rei não é mais pequeno, agora ele está mostrando ao mundo do que ele é feito

  • pedrin

    mt foda

  • Lucas Antonio

    Obrigado pelo capítulo.