God is a Game Designer – Capítulo 9

135

Ative o Modo Noturno

 

Tradução: The Tempest

Revisão: The Careca


Amigos Inesperados

Feya assistiu à cena inteira, a imagem queimou em sua mente enquanto as dezenas de milhares de flechas pairavam sobre sua cabeça, os guardas em volta dela ofegavam enquanto todos se sentiam tão perto da morte, o homem segurando todas elas para trás como o mar se arrebentando, enquanto ele segurava isto com nada além de suas mãos nuas.

“Puta merda” Um dos guardas amaldiçoou enquanto observava a coisa mais estranha, cada um deles apenas inclinando a cabeça para o homem que tinha salvado todos eles, cada um deles olhando as flechas enquanto observavam a linha de frente do exército começar a quebrar, fugindo em terror.

Feya tropeçou ao ver o milagre acontecer, seus olhos quase temendo ver por quê, embora ainda não entendesse até que sua cabeça se movesse para cima, observando fileiras e fileiras de flechas girando, apontando para o remetente.

“Por favor, tenha piedade deles.” Ela ofereceria a oração silenciosa aos deuses quando ela ouviu as flechas assobiarem, cada qual disparando como uma repetidora múltipla em uníssono.

Ela se levantou, determinando seu espírito enquanto observava os soldados inimigos serem abatidos, as flechas simplesmente aterrissando no estoque de soldados em fuga, ela podia ver quase mil soldados sendo abatidos, quase dois mil feridos, enquanto o resto continuava a escapar, a fera gigante carregando o bispo e os outros líderes correndo para longe.

Feya ficou em estado de choque, seus olhos começaram a lacrimejar enquanto ela finalmente voltava a si, gritando de alegria, as últimas semanas a jogaram pra baixo com força, como quando ela teve que escapar da capital e fugir, muitos morrendo a cada dia que passava.

Seus olhos se encheram de água enquanto ela chorava de alegria que eles tiveram um golpe de boa sorte.

Cada um dos guardas agia da mesma maneira, os olhos lacrimejando quando começaram a chorar também, todos agindo como uma criança quando começaram a chorar, um rio de lágrimas se formou devido à quantidade de lamentos que todo o grupo tinha feito. Todos começaram a aplaudir e se curvaram para o homem que os salvou.

“Ainda não acabou” Nathan falou enquanto seus olhos ainda olhavam para o lado leste do campo de batalha.

Um grupo menor estava se aproximando, mais de mil soldados marchando em uníssono, cada um deles cheio de vigor, duas pessoas liderando na frente, parecendo muito mais assustadoras.

Enquanto o primeiro exército parecia uma milícia, este estava mais perto de uma verdadeira força-tarefa de elite, todos ficaram em silêncio, sem emoção.

“Podemos estar lutando contra a verdadeira força aqui, me dê um arco” Nathan falou novamente quando um dos guardas rapidamente pegou outro arco de reposição, passando para ele.

“Espere aqui, deixe-me ver se consigo falar com eles.” Nathan saltou rapidamente do penhasco, aterrissando sem qualquer problema no chão, a distância caída poderia matar um homem comum e transformá-lo em uma panqueca, indicando claramente seu status de alguém que não era mais humano.

Feya, Kai e o resto observavam à distância, incapazes de apoiar o homem que os salvou, um dos guardas ainda estava chorando.

Feya balançou a cabeça enquanto ela comandava.

“Ele é nosso mestre, nós o seguiremos até os confins da terra, aquele que salvou nossa família e nós. Se você não concordar, então você deve dizer isso na sua cara!”

Ninguém discordou, uma batalha perdida que foi derrubada em questão de momentos por um único homem.

Nathan começou a andar para a frente, olhando para o grupo que levaria alguns minutos para alcançar, os olhos fixos nos dois em pé no centro do suporte, cada um com uma autoridade semelhante à outra.

“Deve ser família então.” Ele murmurou enquanto dava uma olhada no cavalheiro mais velho.

Ele tinha aproximadamente 1,87m, cabelos brancos compridos que eram clareados pelo sol, longas costeletas brancas, mas de outra forma um rosto bem barbeado, seu corpo treinado, mas um pouco deixado de lado devido ao seu tempo na tenda de comando.

Ele possuía uma aura de comando e experiência. A outra era uma mulher, sem dúvida muito mais jovem, aos vinte anos, talvez vinte e dois, no máximo, e tinha aproximadamente 1,75m, com um sorriso atrevido nos lábios. Longos cachos loiros que caíam pelas costas, que pareciam ser bem cuidados o suficiente para permanecer em um estado tão bonito no deserto, o brilho em seus olhos mostrava a inexperiência, mas também mostrava coragem, comando e força.

“Você veio para outra rodada, dez mil contra cem é um show ruim em qualquer lado, os civis envolvidos também seriam um show ruim!” Nathan gritou, alguns dos soldados atrás dos dois generais pareciam ficar agitados por isso, o que tirou Nathan do sério.

“A menos que você não concordasse com ele…” Ele murmurou enquanto os observava com curiosidade. O senhor mais velho deu um passo à frente, com um sorriso afiado e profissional ao dar alguns passos para a frente.

“Meu nome é Lee Shee, esta é minha filha Ameria Shee e mais mil de nossas forças leais. Estamos aqui agora, não devido a nossa lealdade à Dusk Mistress, mas a uma razão à parte.”

Ele desembainhou sua espada, virando a lâmina para baixo, apunhalando-a na areia enquanto ela afundava rapidamente no chão, seus pés se moveram e ele caiu sobre um joelho, sua filha fez o mesmo.

O exército inteiro atrás dele em uníssono enquanto mais de mil soldados puxavam espadas e os apunhalavam no chão, ajoelhando-se para ele.

Nathan avançou quando sua mão se esticou, agarrando o ombro do general, sua voz alta o suficiente para que todos pudessem ouvir no exército, sendo esta uma lembrança que todos iriam queimar em suas mentes.

“Lee Shee, eu não conheço as dificuldades que você enfrentou, e eu não sei porque você se alinha ao meu lado, mas você tem muito a compensar para as pessoas além daqui. Eu posso aceitá-lo, mas a menos que o resto deles faça, então eu não posso fazer nada.”

Ele puxou o general para ficar em pé com facilidade, sua força deixou o General um pouco surpreso com a estrutura do outro homem, quando a mão de Nathan agarrou a dele.

“Perdão leva dois passos, mas uma pessoa deve dar o primeiro passo, você entende Lee Shee?”

O general sentiu as lágrimas entrando em seus olhos, acenando com a cabeça enquanto se resolvia.

“Sim!”

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!