God is a Game Designer – Capítulo 37

242

Ative o Modo Noturno

 

Tradução: The Tempest | Revisão: The Careca


Amizade Divina Profunda

Azo olhou para a pequena caixa na frente dele, em volta dela uma cobertura de papel marrom  com cordas amarradas ao redor, nada mais poderia ser descrito sobre essa caixinha, exceto que ela parecia mais um presente de aniversário do que um presente de verdade que você apenas daria a um grupo de aventureiros em uma missão.

“Ei, Benard, você sabe o que há dentro disso?”

Azo olhou para o homem enquanto pegava a caixa que cabia na palma de sua mão, seus olhos questiovam o homem atrás do balcão.

“Ela não disse, ela apenas disse que você nunca deveria perdê-la.”

Azo levou alguns instantes para processar enquanto segurava a caixa com força, seus olhos focaram de volta para o quarto que ele acabara de chegar.

“Posso pegar emprestado o quarto por mais uma hora?”

Benard ficou surpreso antes de acenar com a cabeça, sem saber por que ele precisava, mas aceitou de qualquer maneira.

“Claro, ninguém mais está usando.”

“Ahm, uma última coisa, Benard, quanto ela pagou e quanto é nossa parte.”

Benard parou por alguns momentos, prendeu a respiração enquanto olhava para Azo, claramente, ele não tinha permissão para contar os montantes regulares que a guilda ganhava, se Benard não confiasse neste homem, ele teria que lhe dizer para ir embora.

“Vocês receberão duzentos mil.”

Azo, Bull e as gêmeas sugaram o ar quando ouviram esse número, só custou vinte mil por uma chance de ser perdoado, esse valor era muito maior do que eles esperavam. Uma missão típica custa cerca de alguns milhares a algumas dezenas de milhares, dependendo do andar.

“Benard … Quanto a guilda está ganhando?”

Azo pressionou a pergunta, seus olhos encaravam o homem, ele sabia que não podia dar a ele essa informação, era vital, pois poderia dizer se a igreja aprovava ou se era feita debaixo da mesa.

“Quinhentos mil…”

Suas palavras soaram como um eco silencioso que só as pessoas à sua frente podiam detectar, o rosto de Azo caiu, já que se tratava de uma missão fora do radar (The Tempest: No caso, quer dizer que ignoraram os riscos que o grupo de aventureiros iria passar, assim que ganharam aquela quantia de dinheiro), isso era pior do que ele esperava.

“Nós estaremos interditando o quarto novamente Benard.”

Azo rapidamente se virou, arrastando sua equipe com ele enquanto se movia para dentro, mantendo sua equipe de portas fechadas, ele começou a cantar em voz baixa, a energia escura inundou a fechadura e a alça enquanto ele se afastava da sala. Se alguém tentasse ouvir ou espiar essa sala, eles sofreriam uma contramágia ruim.

A caixa foi colocada no centro da sala, toda a equipe se afastou um pouco do item como se fosse um artefato amaldiçoado que eles tinham que coletar.

“Isso é ruim, muito ruim. A última vez que a igreja descobriu sobre as transações dissimuladas, quase quarenta pessoas foram empurradas da ponte buraco abaixo.” Azo falou e sentiu que sua mente estava fugindo.

“Não é tão ruim assim, nós simplesmente não podemos ser pegos.” Bull disse com seu habitual sorriso infantil chegando ao seu rosto.

“Bull, precisamos de outros suprimentos além do básico. Poções, flechas e itens semelhantes seriam itens de terceiros, teremos que viajar para vendedores que certamente ficarão desconfiados do por que compramos tanto.”

Bull acenava com as mãos enquanto continuava falando.

“Olha, Azo, se recusarmos essa missão a guilda se livrará de nós, esse preço é o suficiente para eles correrem riscos, se finalizarmos essa missão poderemos ser ricos fudidos do outro lado. Precisamos seguir a melhor opção, fazer a missão, a guilda é a nossa vida atual, enquanto a igreja quer nos foder todos os dias.”

As duas gêmeas concordaram com Bull em silêncio, já que era a melhor opção.

“Talvez o que esteja dentro desta caixa nos ajude.”

Bull disse com esperança, Azo se moveu para frente enquanto pegava o pacote, rasgando o papel, e puxando uma pequena caixa de madeira. Era bastante agradável com um conjunto de dobradiças douradas. A fechadura era feita de ouro banhado, enquanto ele movia o dedo para destrancá-la pela dobradiça.

Abrindo a tampa depois de destrancar a caixa, todos se aglomeraram em torno de Azo e espiavam o que havia dentro, uma simples faixa prateada descansando em uma cama macia de seda, um anel ostentando uma opala preta embutida que parecia brilhar na luz fraca, parecia bastante sem graça e chato, de uma forma sem nada de especial.

“Um anel deve resolver todos os nossos problemas, estamos sendo roubados com os suprimentos!” Bull falava rispidamente enquanto olhava para o anel insignificante com aborrecimento, enquanto os gêmeos olhavam para Azo, que parecia chocado e sem palavras.

“Este é um anel mágico. Eu posso sentir um encantamento nele.”

Ele colocou a caixa de volta na mesa enquanto levantava o cajado (The Tempest: Báculo é o mesmo que cajado.), o cristal na extremidade de sua equipamento diminuiu rapidamente e ele começou a inspecionar o item.

“Este é um anel de Anti-Mortos-Vivos, qualquer morto-vivo dentro de um raio de dez metros explodirá se for incapaz de resistir à magia, este é um feitiço de Nível sete… O nível mais alto de magia possível.”

Ele puxou o anel da caixa, colocando-o no dedo enquanto começava a mudar seus poderes para combinar com o anel, ele sentiu algo magicamente varrê-lo, quase como se o anel estivesse olhando dentro dele. Azo rapidamente moveu a mão para pegar o anel, tentando retirá-lo.

Já era tarde demais, o anel se fundiu ao dedo enquanto ele lutava para tentar removê-lo. O anel agora um com ele.

“Ele se fundiu com o meu dedo, é um item amaldiçoado!”

Ele lentamente parou de puxar, sua mente trabalhou quando ele notou algo mais, uma segunda camada de feitiço que ele não pode sentir antes. Era algo mais potente que o feitiço do sétimo nível. Ele podia sentir esse feitiço puxando sua alma, conectando-se a ela diretamente quando ele levantou a mão, puxando o poder enquanto tentava ativá-lo.

“Oh, Azo, que diabos é isso!”

Bull abalou Azo, que havia fechado os olhos para se concentrar no feitiço, abrindo os olhos enquanto olhava para uma estranha porta preta que aparecera contra a parede do outro lado, o poder brilhava como se fosse algo poderoso.

“O que nos fizemos?” Azo sussurrou, com os olhos arregalados.

“O que há de errado, Azo. O que é isso?” Bull respondeu ao olhar entre ele e a porta que aparecera.

“Essa coisa não é magia mortal, vai além do sétimo reino de magia… são poderes divinos. Uma relíquia de um SemiDeus.”

Todos ficaram parados, olhando para o anel, com medo formando em todos eles, quando foi que isso se tornou um problema tão grande. Aparentemente um problema foi resolvido por dois novos problemas muito mais significativos.

“Azo, estamos fodidos.”

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!