God is a Game Designer – Capítulo 25

150

Ative o Modo Noturno

 

Tradução: The Tempest

Revisão: The Careca


Tempo de Visitas

Nathan não ouviu a comoção que aconteceu do lado de fora, sua cabeça já batendo no travesseiro enquanto ele rapidamente rolava de costas, os olhos, olhando para o teto conforme ele repassava pelos eventos do dia. Tinha sido um dia um pouco incomum em conhecer tantas pessoas, ser transportado para cá foi um dos eventos mais bem-sucedidos que aconteceu com ele.

Ele estaria editando e liberando itens para as lojas se ele estivesse de volta em casa, fazendo muitas tomadas de administrador chatas e tediosas. Sua vida naquela época estava cheia de vingança e ódio, embora ele ainda sentia a ferida nas costas, a faca novamente deslizava para dentro.

Agora ele estava livre, ele tinha os limites do céu e sua imaginação para levá-lo longe. Ele relaxou seu corpo assim que se perguntava como chegou aqui, sua mente trabalhando no sistema que falava com ele. Quem foi quem o trouxe aqui?

Sistema: ‘Boa noite Nathan, bons sonhos.’

Nathan sorriu ao ver essa mensagem, seus olhos se fecharam lentamente enquanto ele empurrava as perguntas para o fundo de sua mente, era hora de descansar, e ele podia fazer todas aquelas perguntas complicadas mais tarde, quando ele tinha gasto mais algum tempo olhando.

Uma figura estava de pé sobre o vale, observando-o enquanto a água continuava a cair, peixes voando ao redor com algumas pessoas ainda desfrutando da vida noturna e das belas cenas. Esta figura estava bem acima de todos, em um dos penhascos que davam para o vale abaixo.

A figura de quase dois metros, rosto impecável de porcelana. Ela parecia atemporal na natureza como se ela tivesse uma juventude eterna em seu rosto, longos cabelos negros descendo pelas costas, perfeitamente em linha reta com cor de ébano. Ela era uma pessoa perfeita no corpo, e seu sorriso causaria arrepios na espinha de alguém.

Ao lado dela, um pouco atrás havia outra mulher parecida com uma planta, menor do que Kai, com mais arbustos ao redor de sua perna e cintura, sua cor era mais para um azul escuro. Ela tinha um rosto mais suave e mostrava emoção ao olhar para a mulher à sua frente.

“Senhora, eu tive notícias de Kai, e que ela o encontrou e começou a operação. Ela vai tirá-lo daqui.” A mulher azul parecida com uma planta estava falando em sua mente.

“Excelente. Devemos ir embora; temos muito trabalho a fazer por ele no futuro.”

“Muito bem Madame Blackrose, vou começar a me preparar agora.”

Celorian se virou para olhar para os grupos de tendas, feliz por seu pai estar aproveitando seu tempo aqui. Ela sabia que o timing e a colocação eram tudo, ela era uma das poucas sortudas que tinham o poder de fazer uma coisa dessas.

A mão dela se moveu para a direita, um menu de console se abriu conforme ela abria outra caixa menor com um teclado abaixo dela, com isso ela começou a digitar.

Sistema: ‘Boa noite, Nathan, bons sonhos.’

Sua mão estava apertou o botão de enviar antes que ela se virasse, seu corpo desapareceu nas dunas de areia atrás; quase como um fantasma que nunca esteve por perto.

Nathan acordou na manhã seguinte bem cedo, seu corpo exigia menos sono devido à sua mudança, se ele realmente quisesse, ele podia seguir sem dormir. Seus braços estavam esticados quando ele se afastou da cama, movendo-se para a área central, ele podia ver o céu noturno acima.

Seu corpo o levou para fora, ele notou um rosto familiar de guarda na lateral da tenda, seus olhos se concentrando quando ele começou a sorrir, a mulher olhando para ele com uma expressão nervosa quando ele simplesmente começou a rir.

“Kaye, por favor, não fique nervosa. Como você vai lidar quando estiver perto de mim?”

Ele disse com um grande sorriso embora ainda visse algumas pessoas ao redor, alguns soldados ainda em guarda e alguns outros que pareciam estar lavando roupas no rio, alguns outros tomando banho neste momento e até mesmo um casal que havia pego um peixe, destrinchá-lo e começar a cozinhá-lo de maneiras diferentes.

Kaye ficou em silêncio por um momento conforme olhava para o homem que ela ofendeu, quando ela se desculpou e ele aceitou, isso fez parecer um momento estranho, porque ela insultou um suposto deus não muito tempo atrás.

Seus olhos olhavam diretamente para ele enquanto ela apenas abaixava a cabeça com respeito e ouvia as palavras, havia um sorriso estampado em seu rosto quando ela apenas acenou com a cabeça para ele.

“Eu acho que você está certo. Como pode eu, uma pessoa de grande herança pode tornar-se tão humilde!”

Ela brincou ao ver o sorriso de Nathan aumentar também.

“Eu vejo que você também desenhou o azar do turno da noite.”

Kaye apenas riu daquela parte, seus olhos desviaram o olhar como se fosse sua punição auto-imposta, talvez também fosse uma chance de fugir de seu erro, pois ela nunca imaginou que encontraria o Semideus novamente.

“Você pode dizer isso, posso perguntar por que você está acordado tão tarde?”

Nathan começou a se mover em direção ao rio, Kaye o seguiu como se ela fosse proteger as pessoas desta tenda, outro homem tomaria conta dela enquanto ela o seguia.

“Bem, não é isso. Eu fui para a cama, e depois de algumas horas eu não pude simplesmente me deitar e ser preguiçoso!”

Kaye sentiu seu coração pular quando escutou isso, o homem só dormiu por quase duas ou três horas no máximo, mas estava de volta. Ela costumava ter pelo menos oito ou nove horas de sono, ela poderia até levar mais horas para ficar descansada.

“Isso é impressionante, eu acho, os semideuses são assustadores!”

Ela disse rindo enquanto passava pelas tendas restantes, subindo para o rio.

“Eu não preciso dormir de jeito nenhum; eu simplesmente faço isso porque é legal”.

Kaye olhou para ele confusa conforme olhava para a água, observando os peixes que vinham lentamente para a superfície, olhando para o homem ao seu lado.

“Por que até se incomodar em dormir? Se eu fosse como você eu nunca dormiria, seria capaz de fazer tanto!”

Ela disse com outro sorriso, uma risadinha leve escapou de seus lábios ao ver aqueles mesmos peixes começando a crescer em números, uma quantidade considerável agora vindo à superfície.

Nathan sentou-se à beira do rio, tirando os sapatos e as meias quando ela deslizou os pés na água, seu sorriso cresceu enquanto observava os peixes se espalharem devido a seus pés serem pressionados tão perto.

“Às vezes é bom deixar-se levar, abraçar a escuridão. Nada é tão ruim assim, é a hora de descansar e relaxar, recuperar a alma. A vida é difícil, e precisamos relaxar às vezes.”

Kaye olhou para ele, com o rosto admirado com as palavras dele, embora se virando com preocupação enquanto olhava para a água.

“Nathan…”

“Hmm, sim, Kaye?”

“Tem um peixe mordendo o dedo do seu pé…”

Nathan olhou para a água, levantando o pé esquerdo, com um dos maiores peixes-voadores grudados no pé, apenas mordendo o dedão do pé, a sorte dele não ter dentes ou pontas afiadas por dentro, senão o dedo do pé ficaria uma bagunça.

“Peixe voador idiota!”

Kaye riu de novo, seu tempo agradável em torno desse homem e essas palavras lhe deram muita sabedoria.

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!