God is a Game Designer – Capítulo 22

345

Ative o Modo Noturno

 

Tradução: The Tempest

Revisão: The Careca


A Árvore Frutífera e o Peixe Voador

Algum tempo se passou após a partida inicial dos grupos de coleta de água e alimentos. Auryn assistiu de longe ao ver as pessoas conversando e descansando, alguns grupos de soldados trabalhando duro para treinar, ela inclusive viu vários grupos começarem a montar barracas do grupo de soldados.

Feya e Lee estavam trabalhando juntos em diferentes partes da administração da área, fazendo pequenos distritos e designando pessoas para as barracas, no momento eram cerca de três pessoas para uma barraca que era melhor do que as noites anteriores, onde todos os exilados passavam o tempo dormindo sob o teto do céu.

Auryn olhou em volta e percebeu que a tensão estava mais relaxada do que antes, parecia que o plano de Nathan havia ajudado a diminuir a pressão dentro do grupo.

Seus olhos suavizaram no momento em que, ela observava as crianças correndo por aí rindo, um menino perseguindo duas garotas, os gritos ecoavam no ar devido a amizade e diversão do que a dor e sofrimento. Ela notou as três crianças correndo até ela, o menino acenando enquanto ele pulava perto dela. “Ei, Auryn você tem alguma comida!”

Ela sentiu uma pontada de culpa no coração, tinha muito pouca comida para si mesma, sabia que todo o grupo estava racionando e isso causou sofrimento ao mais jovem e mais velho do grupo. Enquanto os mais velhos tinham vários problemas guardados para si e para se certificar de que ninguém preocupasse crianças, para que elas mantivessem a inocência para fazer essa pergunta.

A mãe do menino veio correndo assim que viu seu filho vagando, com pânico no rosto enquanto ele conversava com alguém de posição alta.

“Jee, o que você está fazendo aqui?”

Ela disse em completa preocupação, seus olhos, olhando para Auryn com medo quando ela inclinou a cabeça em respeito.

“Está tudo bem, ele estava apenas procurando por comida.” Auryn tentou mediar enquanto o jovem ficou confuso com a pergunta.

“Jee! Eu já te disse que logo vamos conseguir comida, você não deve incomodar a Sra. Auryn com isso, ela é uma mulher muito ocupada”.

Auryn sentiu uma risada quando ouviu a última parte, ela tinha acabado de dormir debaixo de uma árvore por quem sabe quanto tempo. Era uma pena que o menino pareceu triste com este fato, ele estava com fome devido à falta de qualquer alimento.

Auryn puxou a pequena quantidade de energia que ela tinha, era o poder relativo à fertilidade, ela sabia disso pelas palavras de Nathan. Ela sabia que a própria palavra de poder era fluida, se você trouxesse o assunto de volta à palavra principal, então isso podia ser alcançado na realidade. Ela teve sorte principalmente devido aos muitos anos que passou com outros semideuses.
Ela puxou o pequeno fio de poder, segurando-o até a árvore enquanto ela sintonizava a energia de si mesma na árvore, sua mente focada no aspecto da terra fértil e da comida, o poder lutava conforme ela estava tendo problemas ao compreendê-lo.

Na primeira vez que ela usou o poder, era difícil até mesmo conter, desta vez a habilidade era simplesmente impossível de invocar. Era quase como tentar perseguir um dragão como um anão. A imagem disso, embora apenas a encheu de uma risadinha.

Ela empurrou sua capacidade mental ao máximo e agarrou aquele fio de poder, puxando-o para fora e o enviando para a árvore, dentro de um momento ela ouviu os suspiros ao redor quando seu poder começou a falhar e murchar, ficando ainda menor.

O fio se transformou em uma pequena gota de energia, murchando e rachando, no mesmo momento ela sentiu os olhos dela começarem a forçar a si mesmos para fechar, era quase impossível para ela reabri-los conforme ela sentia seu corpo ficando pesado.

Auryn respirou algumas vezes, o corpo dela sentou na relva fresca abaixo e conforme seus olhos se abriam lentamente, a árvore estava muito mais abundante do que antes, florescendo como se fosse o começo do verão. Centenas de frutas vermelhas do tamanho de bolas de golfe estavam em muitas folhas.

Feya tinha visto tudo, ela tinha visto os filhos e a mãe chegando, ela tinha planejado ajudar Auryn a mediar dependendo da situação. Ela sentiu sua respiração presa em sua garganta assim que observava a pura energia branca passando através do braço de Auryn para dentro da árvore, expandindo-a e fazendo-a crescer rapidamente conforme grandes frutas começavam a aparacer e então se sentavam dentro das folhas desta árvore.

“…”

Ela e Lee sentiram essa fantástica habilidade divina com espanto, a fruta na árvore parecia tão incomum em comparação com as árvores frutíferas padrão. As crianças pareciam ficar maravilhadas, pois não sabiam o que dizer, a cansada Auryn era a única a falar enquanto ela descansava na base da árvore, sua respiração lenta enquanto ela parecia cansada por isso.

“Você acho que o gosto é bom. Deixe as crianças provarem um pouco.”

Feya avançou e estendeu a mão, agarrando uma das frutas vermelhas ela testou primeiro, seus dentes afundaram na fruta suculenta, úmida e ligeiramente carnuda. O gosto explodiu em sua boca, o sabor um pouco acentuado bateu em sua língua. Seria muito bom misturado com gelo, reduzindo a acidez. Em alguns momentos, ela terminou o primeiro fruto e instintivamente pegou um segundo. Levou alguns instantes para ela perceber que estava fazendo algo um pouco ganancioso e se afastar.

“Eles estão seguros, mas certifique-se de levar apenas um. Por favor, certifique-se de compartilhá-los com todos.”

Ela assistiu a mãe e alguns outros aldeões chegarem, começando a pegar a fruta enquanto as crianças provavam a incrível fruta, o riso e a risada ecoava por todos como a pura alegria que era ouvida deles, elevando o humor de todos.

“Auryn, você pode usar as habilidades de um semideus. Você é um deles?”

Auryn soltou uma risada suave, sacudindo a cabeça enquanto olhava para os penhascos, seus olhos observaram o homem que lhe dera esses poderes. Ela instintivamente olhou para o penhasco e sentiu a presença dele. Ele não era um homem que alguém esqueceria uma vez que tivesse se encontrado.

Lee Shee e Feya se viraram para olhar para o penhasco, alguns outros parando conforme olhavam para os líderes do grupo, voltando a atenção para o homem no penhasco. Em uma fração de segundo depois, eles observaram a água cair rolando pelos lados.

“Ele é muito mais incrível, meus poderes podem fazer isso, enquanto ele traz um rio inteiro.”

Ela observou as pessoas começarem a apreciar a água, no momento seguinte fazendo seu queixo cair com o peixe voador pulando do alto penhasco, asas tão bonitas que quase brilhavam à luz do sol.

“Incrível é pouco. Ele é um Milagre em si. O deus criador merece ser agradecido por isso.”

Ela ainda não sabia em que acreditar, a única coisa que sabia era que o homem havia permanentemente marcado sua alma.

Ele também havia roubado seu coração.

Ei, você gosta desta novel? Acha que tem pontos a se melhorar? Ou acha que o autor já conseguiu expor toda sua experiência com esta obra? Diz pra gente lá no novo site da Central Novels!