Beyond?: Capítulo 20 – ~ Voltando. ~

0
409

Tradução: Pomba

Revisão: P_


 

“Primeiro reconheça seu passado, então planeje seu futuro.”

-Andur o Sábio.

***Cidade Livre Estados de Nict, Capital***

***Azir***

“Então ele está enfraquecido pela sua maldição? E ele provavelmente vai atacar novamente porque as estrelas estão em uma constelação benéfica para praticar a magia de convocação?”

Ryland olha para mim com uma expressão duvidosa enquanto ele está descansando as pernas sobre a mesa em seu escritório.

A sala é bastante grande com uma mesa para Ryland e um sofá no meio da sala. As paredes estão repletas de prateleiras. Todas elas estão preenchidas com documentos de um tipo ou outro.

Eu aceno ansiosamente enquanto eu examino o quarto. Quarma está sentada em uma poltrona confortável, usando uma expressão mal-humorada. Parece que ela está ajudando Ryland. De acordo com o que eu ouvi, ela tem uma longa história com a caça de magos negros. Karsen e Talia estão protegendo a porta enquanto se encostam contra as paredes, parecendo entediados.

“Isso levanta a questão de por que você sabe tanto sobre magia de convocação?”

Ryland olha para mim com uma sobrancelha levantada.

“Errm.”

Eu coço meu peito.

“Eu gosto de ler livros sobre convocar magia.”

“Livros? Onde você os conseguiu?”

Ryland pisca os olhos.

“Na biblioteca!”

Essa é uma boa desculpa. A biblioteca tem toneladas de livros. Eles nem sequer sabem o que eles têm em suas mãos para a maior parte, já que ninguém entende os livros.

“A biblioteca tem livros sobre uma arte proibida?”

Ryland continua a perguntar.

“Eu acho que você pode deixar isso de lado Ryland. Ele é o filho da minha filha, afinal. Cada clã tem pelo menos algum conhecimento sobre as artes proibidas. Você não pode lutar contra o que não entende.”

Quarma resmunga de sua cadeira.

Ooh. Graças à velha bruxa, embora eu tenha certeza que ela fez isso para o clã e não para mim.

Nesse momento, a porta se abre e Stella entra.

“Azir? Você está bem?”

Eu me viro e sorrio:

“Sem ferimentos. Acabei de encontrar um mago negro. Por que você está aqui? É tarde da noite, você deveria estar em casa.”

“Todo o campus está falando sobre a explosão! E que você estava envolvido.”

Stella acena com os braços.

Outra pessoa entra no quarto:

“Irmão!”

Suspiro enquanto minha irmã pequena voa para o meu lado e me abraça. Ela entrou recentemente na universidade e amadureceu bastante. Ela ainda é uma cabeça mais curta do que eu e usa seu cabelo azul claro com uma trança. Seus chifres tornaram-se semelhantes a um *omega alongado e invertido, correndo para trás acima de sua cabeça. Eles são um pouco curvados também.

[Nota P: Esses são os símbolos de Omega: Ωω – acredito que isto que estava se referindo]

Se não fosse pelos chifres, eu pensaria que ela é uma versão mais jovem da minha mãe. Em poucos anos ela terá os mesmos olhos bonitos, mas afiados como ela. Embora neste momento ela ainda parecesse um pouco infantil.

“Tudo bem, nada aconteceu. Você pode deixar ir.”

Eu tento tirá-la, mas ela não deixa. Minha mãe criou um monstro quando a ordenou que ficasse de olho em mim.

“Mas eu não saberia o que fazer se algo acontecer ao meu irmão! Mamãe me mataria.”

Finalmente, ela me solta:

“Avó! O que aconteceu? Como você pode deixar meu irmão se envolver.”

A velha avó não responde e sorri em vez disso.

Eu me levanto:

“Tudo bem? Que tal irmos todos para casa hoje? De todo jeito só podemos esperar a conclusão desta procura de qualquer maneira?”

Como se para zombar de minhas palavras toda a sala vibra um pouco. É como um pequeno terremoto, então duvida que outra explosão seja a razão.

“OK? Retiro o que eu disse. Desfaçam o terremoto, eu quero ir dormir.”

Mas minha oração não é ouvida. Um momento depois, a porta se abre e um dos ajudantes de Ryland entra:

“O chão de um dos auditórios cedeu!”

Ryland levanta-se.

“Acidente?”

Ele corre para fora da sala, Karsen e Talia o segue. Quarma segue com minha irmã logo atrás dela. Stella os segue também.

Sou deixado sozinho:

“Pessoal? Isso não é o trabalho do exército?”

***

Adeus, Professora Agate Eddin. Vou mantê-la na minha memória.

Nosso grupo foi levado para o quarto onde eu deveria ter tido a minha lição sobre artifício. Mas em vez do auditório, há apenas um grande buraco profundo onde deviria ter um chão.

“Deve ter havido trinta e quatro alunos nessa lição.”

Um dos subordinados de Ryland fornece-lhe informações, enquanto outros iluminam o buraco com feitiços, mas há apenas um túnel preto.Ele leva para baixo na terra em um ângulo íngreme. Há cerca de trinta agentes de Ryland procurando a área.

“Trinta e três! Eu estou aqui!”

Eu levanto uma mão amiga para corrigir o cara que informou Ryland.

“Isso é grande. Pensar que tomariam tais medidas.”

Ryland resmunga e salta para baixo no buraco.

Quarma o segue com uma expressão amarga.

“Parece que eles estavam usando os velhos cofres do porão da universidade. Eu pensei que eles estavam devidamente selados!”

“Vinte comigo! O resto guarda a entrada!”

Ryland chama de baixo na cova. Quatorze mulheres e seis homens seguem seu comando sem questionar. Mesmo Karsen e Talia saltam para o buraco.

Minha irmãzinha também dá um passo à frente e eu agarro-a em seu rabo.

“Ei! Ei! O que você acha que está fazendo?”

“Seguindo a lei. Se alguém usa a magia para fins escuros, todo mundo que pode tem que detê-los. Já que somos membros de um dos grandes clãs, não podemos nos esconder dessa responsabilidade.”

Ela bate a minha mão e salta para o buraco.

Stella sorri para mim:

“Uma chance de ganhar fama!”

Ela os segue.

Eu os vejo desaparecer no escuro buraco, que leva para baixo na terra. Memórias de túneis escuros e espaços confinados bem dentro da minha mente:

“Aw! Eu odeio essa idéia. Não podemos esperar que eles saem?”

Lutando contra o meu instinto, eu salto para o buraco e os sigo através do túnel. Ele se estreita depois de alguns metros a uma largura de cerca de três metros. Eu chamo um globo de luz e me apresso para chegar no grupo principal.

No início, as paredes do túnel parecem algo arranhado seu caminho através da pedra, mas depois chegamos a uma seção que é estabilizada com tijolos.

“O que é isso. Alguma coisa assim estava sob a universidade?”

“As catacumbas e *abóbadas sob a universidade são do tempo do Império. Os edifícios da universidade foram construídos acima deles. Mas, a meu conhecimento, todos eles deveriam ter sido destruídos ou selados.”

Ryland explica.

[Nota P: Construção em forma de arco, comum em igrejas]

Eu não gosto disso:

“Ótimo. Por favor, demita o cara que lhe trouxe essa informação para a colaboração com o inimigo. Eu odeio ter algo como um sistema de cavernas sob meus pés.”

Stella ri na minha frente:

“Hoje eu aprendi algo novo. Azir não gosta de espaços confinados.”

“Cale-se. Não há como dizer o que vamos encontrar aqui. Seria ótimo se não souber com antecedência que estamos chegando.”

Quarma reclama e o grupo fica em silêncio.

Temos algumas pessoas aqui embaixo. Eu dou um olhar de volta para o túnel e depois para frente novamente. Se algo ruim acontecer, será difícil recuar. Mas não há nada que possamos fazer contra isso, talvez precisemos do poder de combate para o que nos espera. E quem diz que há apenas um inimigo?

Poucos minutos depois, encontramos uma pequena caverna com três túneis possíveis para escolher. Ryland para e maldiçoa.

Quarma olha para cada túnel:

“Temos que dividir o nosso grupo para pesquisar mais rápido. Não há como dizer o que poderia acontecer com as pessoas capturadas se demorarmos demais.”

Divisão dentro de um sistema de túnel é uma idéia de merda. Quantas vezes você pode fazê-lo até que sua força de combate é reduzida a nada? Agora precisamos dividir em três grupos. E se esses grupos tiverem que dividir mais uma vez?

“É o da esquerda.”

Todos os olhos se voltam para mim. Desculpe por ter experiência com túneis e sistemas de cavernas. Não me olhe assim.

“É o único que foi usado recentemente. Você não pode ver as partículas de poeira movendo-se no ar?”

Eu focalizo a luz que é emitida por meu globo de luz em três vigas apertadas e aponto para baixo os túneis. Apenas o túnel que indiquei está cheio de partículas de poeira. O ar nos outros é limpo depois de alguns metros.

Quarma cintila seus olhos enquanto me olha.

“Como você viu isso?”

Eu aponto para os meus olhos:

“Sentido de Mana.”

Uma mentira conveniente. É simplesmente longa experiência afiada em julgar o movimento do ar contra a minha pele.

Ryland não está tão desconfiado de mim e entra no túnel que eu apontei. Nós seguimos e vagueamos mais profundamente na terra.

Eu me mantenho em guarda, concentrando todos meus sentidos para frente e ao mesmo tempo usando meu sentido de mana para explorar o túnel.

Depois de alguns minutos de caminhada sinto alguém no túnel à nossa frente:

“Pare.”

Quarma maldições:

“E agora?”

“Um guarda. Cinqüenta metros à nossa frente.”

Eu aponto para a escuridão à nossa frente.

“Eu não consigo sentir nada.”

Minha irmã reclama.

“Então você não tem o alcance. Ele está lá. Eu vou levá-lo para fora. Sua aura não parece tão forte. Dê-me um pouco de tempo e depois me sigam.”

Eu lancei um feitiço de aprimoramento físico e corro antes que alguém possa me parar.

Nenhum deles é estúpido o suficiente para me chamar. Minha decisão pode parecer precipitada, mas há algo errado nessa guarda. Algo que parece estranhamente familiar, embora eu não possa explicar.

Corro pelo corredor enquanto estou o mais silencioso possível e afrouxo meu globo. Se o meu palpite está certo, então a velocidade é da essência. Aumentando a minha velocidade como eu estou me aproximando, eu conjuro feitiço de ilusão, mergulhando a área na minha frente na escuridão. Esta me afetando também, mas não preciso da minha visão.

Uma figura pálida aparece na escuridão na minha frente. Mas eu não tomo meu tempo para compreender o que eu vejo e golpeio a garganta do inimigo. Um gargarejo silencioso escapa da figura pálida e a imagem de minah mana formando uma adaga em minha mão. Funciona perfeitamente bem e eu esfaqueio o peito do guarda. Ele cai sem soltar um som.

Olhando para o túnel à minha frente, mantenho meu silêncio. Mas não há nada. Nenhum movimento. Sem som. Depois de vários longos momentos permitem que meus olhos vagueiem até meu oponente e reformulo o globo de luz.

Uma figura branca e pálida está debaixo de mim. Os lóbulos das orelhas são longos, chegando até os ombros. Grandes olhos mortos estão olhando para mim, ainda cheios de ódio. Inúmeras cicatrizes cobrem seu corpo, formando estranha runas e símbolos absurdos. Parece magro e faminto, mas eu sei que todos eles se parecem com isso. É pelo menos uma cabeça maior do que eu. Ah, quanto tempo foi desde que eu vi um de sua espécie?

“O que é essa coisa? Um demônio?”

“Há uma luz à nossa frente.”

Eu me viro e vejo que os outros se apanharam.

“Nós temos que ir e parar o que eles estão fazendo.”

Eu solto o punhal que foi formado por minha mana e disperso como se nunca existisse.

Nós continuamos em nosso trajeto até que encontramos uma sala redonda grande. Não há outras saídas, mas há mais figuras brancas, de frente para um altar com um portal vermelho acima dele. Parece que eles estão orando.

Um homem de uma mão ergue uma cabeça acima do altar e murmura algo. Provavelmente uma fórmula para manter o portal aberto. Eu sei de quem é a cabeça, eu acho que pertence a uma menina do curso de artifício. No canto da sala há várias pessoas amarrados e amordaçados.

Então uma das criaturas brancas se vira e sibila, alertando os outros. Ele se vira para nós e revela um amuleto vermelho brilhante em seu peito. Esse artefato chama memórias. Ele aponta para nós.

“Mate eles!”

Ryland dessembanha sua espada, enquanto os outros estão entrando na sala. Há trinta das criaturas brancas, mas estão em uma formação firmemente embalada.

Ergo a mão e atiro. Um pequeno orbe azul penetra em suas fileiras e explode como uma granada de fragmento. É uma das minhas criações pessoais. Se meu clã pode criar algo como um tentáculo de mana, então por que não armas? E levando um passo adiante, por que não condensar mana sobre seu limiar e disparar isso em seu inimigo?

Karsen dá um passo à frente e assa os oponentes disparando chamas de suas mãos. Minha avó conjura um raio de luz que incinera um oponente.

Mas nossos inimigos não são lentos. Eles avançam com velocidade incrível, alguns deles saltando para o teto ou rastejando sobre as paredes. A maioria deles estão desarmados, mas alguns têm espadas enferrujadas e machados. A luta se transforma em uma confusão sangrenta quando ambos os grupos se colidem.

Podemos ter pessoas suficientes, mas nossos números são inúteis. A maioria de nós ainda está no túnel atrás de nós.

Ryland percebe que a situação não pode continuar assim e dá o único comando possível:

“Atacar!”

Ele pula na bagunça de figuras magras e brancas enquanto uma aura amarela o envolve.

Eu invoco toda a mana no meu redor e me cubro em uma camada azul de mana. Outro pensamento forma uma lança em minhas mãos e eu corro para os inimigos para criar tempo suficiente para o resto do nosso povo possa sair do túnel.

Uma das coisas salta para mim, me agarrando com esforço fútil em minhas costas expostas. Eu o mandei voando, empurrando a extremidade sem corte de minha lança em sua mandíbula. Então Stella está ao meu lado, cravando uma das criaturas com uma lança arcana.

O homem no altar percebe que nossa ofensa está esmagando seus aliados, mas ele ainda está sorrindo. Uma bola de fogo aparece em sua mão e ele a aponta na entrada enquanto Ryland o alcança. Eu tento me livrar para impedi-lo de lançar, mas as criaturas ao meu redor são muito irritantes. O invocador ainda está sorrindo enquanto sua cabeça está sendo cortada. A bola de fogo vai para a entrada logo acima do arco de apoio da entrada.

Pessoas e criaturas são sopradas pelo ar como fantoches. A entrada da caverna está um caos, mas isso não é o pior. Rachaduras começam a se formar no teto. Eu ignoro os inimigos em torno de mim e envio longos tentaculos de mana para apoiar a estrutura da sala. Outros lutadores percebem o que estou fazendo e saltam para me proteger.

Uma pedra grande afrouxa e cai, batendo Stella, que estava ocupada com o inimigo. Ela cai.

“Stella!”

Eu chamo por ela, mas estou ocupado no momento. Felizmente um dos subordinados de Ryland lida com o oponente de Stella.

Outros tentaculos disparam até o teto e para o desmoronamento no momento. Olhando para a origem, eu acho minha irmã imitando minha tentativa de parar o desmoronamento.

Momentos depois, a luta para e é substituída pelo silêncio. Somente o gemido dos feridos e o choro abafado de alguns cativos podem ser ouvidos.

Caminho lentamente até Stella, mantendo minha concentração nos tentáculos de apoio. Felizmente ela está apenas inconsciente. A pedra deu-lhe uma grande *protuberância na testa, então eu a pego no colo.

[Nota P: Galo]

“Merda!”

Ryland inspeciona a entrada enquanto seus subordinados estão liberando os cativos.

Eu sinto pérolas de suor formando na minha testa. Manter meus tentáculos nesta forma é muito cansativo.

“Nós temos que sair daqui.”

Examinando a sala, eu encontro todas as pessoas que me são conhecidas ainda vivas e bem. Só Stella está fria. Mesmo *Agate sobreviveu de alguma forma. Droga! Por que o invocador não a sacrificou primeiro?

[Nota P: isso que é raiva de professor kkk]

Talia caminha até a entrada cavada.

“Precisamos cavar.”

“Pare com isso!”

Minha irmã grita.

“Você olhou para o meu irmão e para mim? Nós não podemos segurar o teto por muito mais tempo.”

Meus olhos vagueiam para o portal cintilante vermelho.

“Essa é a única saída.”

Minha avó engasga:

“Você está louco!? Quem sabe onde isso poderia nos levar.”

Eu não respondo e volto a minha concentração para o teto. Existe apenas uma rota de fuga. Eles terão que admitir quando as primeiras pedras estiverem descendo sobre suas cabeças.

“Uma chance com o portal é melhor do que ser esmagada.”

Minha irmã admite e começa a recuar para o portal com um rosto tenso.

Por um momento eu considero simplesmente me teletransportar para fora daqui. Eu poderia salvar Stella. Talvez eu consiga levar minha irmã também. Mas é isso. Eu não posso teletransportar todos eles para fora daqui antes que o teto caia sobre suas cabeças. Há toneladas de rocha e terra acima de nossas cabeças.

Ryland acena com a cabeça:

“Através do portal. Todos vocês. As pessoas que podem lutar primeiro, depois os alunos.”

Ele continua observando enquanto todos desaparecem dentro do portal vermelha com expressões horrorizadas em seus rostos.

Eu e minha irmã somos os últimos a atravessar o portal. Nós concordamos um com o outro e então ela se foi.

Enquanto estou dando uma última olhada atrás de mim, o teto começa a desmoronar. Mas os únicos que ficaram para trás são os corpos mortos.

Então eu ando através do portal com Stella em meus braços.

Anterior | Próximo

Então eu ando através do portal com Stella em meus braços.