Beyond?: Capítulo 10 – Clique.

998

Tradução: Pomba

Revisão: P_


“Os países do Sul são um conjunto de pequenas nações e reinos que estão em constante discussão uns com os outros. Alguns deles sobem e caem dentro de uma vida de plebeus. Não faz sentido tentar criar um tratado duradouro com eles.

É questionável se sua situação é sua própria culpa, ou simplesmente o estado natural das coisas. Nós não sabemos se a unidade de Nict é apenas confirmada pelos Portais, ou um resultado da nossa localização geográfica favorável.”

-Natum Tinn, Emissário de Nict.

***Cidade Livre Estados de Nict, Nict***

*** Azir ***

Outra semana passou e não houve mais confusões. Parece que o grupo que me atacou consistiu nos principais perpetradores por trás dos maus rumores sobre Stella. Eu nem sequer ouvi uma palavra dela que mais de suas coisas foram desaparecidas.

Minha amiga especial, Lulu, está fazendo um grande círculo ao meu redor e se curva quando eu passo por ela no corredor. O mesmo vale para seus amigos.

Mas há outro problema. A partir de hoje, todo o nosso trabalho será conduzido dentro de um grupo de cinco pessoas. É para nos ensinar a trabalhar em equipe.

“Assim? Agora sua recusa em ficar longe de mim acabará por levar à sua queda.” Stella resmunga em seu assento ao meu lado. “Todo o grupo receberá uma pontuação global. Desde que eu sou quem eu sou e você está no mesmo grupo que eu. Com certeza, vamos conseguir os piores companheiros de equipe com quem ninguém mais quer fazer equipe. Eles vão baixar a nossa pontuação.”

Eu sorrio e aceno com a cabeça. “Mas só se não procurarmos companheiros de equipe adequados primeiro. Ainda é de manhã cedo e a aula não vai começar por mais vinte minutos.”

Stella bate a cabeça em sua mesa. “E como vamos persuadir alguém a unir em nosso grupo?”

“Não é óbvio?” Eu sorrio e Stella se encolhe um pouco sobre o contato inesperado.

“Utilizando minha autoridade!”

Eu me levanto e ando até uma certa garota que está conversando com um garoto. Tem o cabelo marrom escuro e olhar um pouco magro. O menino ao seu lado tem cabelo loiro e é de construção normal. “Talia Zaitus?”

A garota olha para mim como se eu fosse um fantasma. Os Zaitus são uma família de filiais que pertencem ao meu clã. Todo mundo com uma relação direta de sangue com a cabeça do clã tem o nome Zait. Parentes com uma relação mais distante têm uma sílaba adicional atrás de seu nome de família. Assim, quanto mais longo for o seu nome de família, mais para baixo estará na ordem de hierarquia.

Isso significa que, embora eu seja um cara, ainda posso mandar em membros das famílias de ramo do meu clã ao redor como eu quiser.

“Sim?” A menina responde com rigidez.

Decidi explicar-lhe a situação. “Eu preciso de você para o próximo trabalho de grupo. Então você se juntará a nós. Felizmente há mais do que suficiente lugares livres em torno de nós. Então você pode imediatamente arrumar suas coisas e vir.”

“Porque deveria…”

“Seu nome é Zaitus?”

“Sim mas…”

“O que seus pais fazem quando um Zait conv…”

“Eu já prometi a Karsen trabalhar com ele.” Ela agarra o braço do menino.

“Perfeito, ele pode vir também.”

A garota começa a puxar o braço de Karsen. Ele não parece muito satisfeito. “Ei, eu não quero ser puxado para isso!”

Ela agarra sua mochila enquanto ainda resmunga. “Eu não vou sozinha! Você me seguirá para o exílio!”

Eu me viro e ando no meio da sala de aula enquanto ignoro os olhares curiosos ao meu redor. Hmm. Mais uma pessoa. Infelizmente não há mais membros do meu clã aqui. Ninguém que eu pudesse comandar. Então eu vou ter que intimidar alguém. Isso é realmente um pouco difícil de fazer na frente da classe inteira. Eu não quero rumores ruins sobre mim.

A menos que… meus olhos vagueiem para uma certa garota Siorda. “Lulu!”

Lulu me ignora enquanto ela está sentada de costas para mim e conversa com uma de suas servas.

“Lulu!” Eu bato na parte de trás da cabeça dela e ela finalmente toma conhecimento de mim, empalidecendo.

“Lulu. Precisamos de um último membro para o nosso grupo. Você vai preencher esse lugar.” Eu aponto para Stella que está sendo acompanhada por Taila e Karsen. Eles estão tomando os assentos na frente dela.

Lulu ofega duas vezes. “Por que eu deveria? E MEU NOME NÃO É LULU!”

“Oh, isso significa que você recusa? E o seu nome é Lulu até que eu decida o contrário.” Eu tento fazer a minha voz tão intimidante quanto possível, que não é fácil na minha idade. “Você quer outra sessão de treinamento?”

Lulu pega sua bolsa e corre até o canto de Stella, sentando-se à minha direita. Eu aceno e volto para o meu assento e me sento.

Todos os olhos do grupo estão olhando em mim e eu sorrio para desarmar a situação. “Meu nome é Azir Zait, prazer em conhecê-los. Espero que possamos trabalhar juntos de agora em diante.” Aponto para Taila. “Sua vez.”

“Taila Zaitus, prazer em conhecê-los.” Taila responde.

Meus olhos vagueiam para Karsen.

“Karsen Anja, Oi.” Karsen resmunga.

Aponto para Lulu. “E essa é a Lulu.”

“Eu sou Louise Siorda!”

Eu franzi minhas sobrancelhas.

“… mas Lulu é meu apelido. Chame-me como quiserem.”

Eu sorrio para Stella que olhou para a cena enquanto sua testa tinha mais e mais rugas adicionadas a ela com cada palavra falada.

Ela finalmente decide se apresentar. “Meu nome é Stella Sable. Obrigada por trabalharem comigo.”

[Nota P: Como se tivessem opções..]

Eu aplaudo com minhas mãos. “E agora que as tensas apresentações são feitas, podemos finalmente trabalhar no propósito real deste grupo e nos tornarmos amigos!”

***

Eu pulo enquanto estou no meu caminho de volta para a minha carruagem através de um dos corredores da escola. Minhas habilidades com as pessoas são simplesmente fantásticas. Quem teria pensado que era tão fácil encontrar três pessoas para o meu grupo.

Nosso trabalho uns com os outros também correu bem. Eu não me importava muito com suas habilidades porque eu pensei que escolher aleatoriamente as pessoas é melhor do que acabar com algumas sobras.

“~ Azir! ~”

Alguém corre para o meu lado, mas a voz sozinha é suficiente para reconhecê-la.

Eu tento me libertar enquanto Annice continua segurando meu braço. “Pare com isso! O que você quer?” Ela não me deixa ir, mesmo que eu tenho a mão na bochecha e empurrar com todas as minhas forças.

“Mas nós não nos vemos há tanto tempo e você continua me evitando.” Finalmente ela me deixa ir.

“Eu não sei do que você está falando. E não estou interessado nesse tipo de relacionamento.” Eu continuo andando.

“Mas minha mãe disse que é melhor começar cedo.” Ela me segue.

“Nós temos cinco anos! Aprenda algum sentido comum!” Isto é realmente ridículo. “O que sua mãe lhe ensinou?”

“Que alguns homens podem ser adquiridos com um comando e outros têm que ser conquistados.” Ela responde com uma voz doce.

Eu balanço a cabeça. “Veja. Eu não sei como você teve essa ideia…”

“Você foi o primeiro homem que me contradisse.” Ela brinca com as pontas dos dedos indicadores enquanto ela olha para longe.

Eu resmungo. “Isso não é difícil! Duvido que se você tivesse qualquer contato com homens além de mim até agora.”

Annice pisca. “Esse é realmente um ponto válido. Eu tenho que eliminar essa deficiência minha.” Ela se vira e sai.

Eu a vejo desaparecer em uma esquina enquanto estou confuso. O que essa menina vai fazer para aumentar sua experiência com os homens? O que eu fiz? E se…

NÃO!

Não é da minha conta!

Eu continuo no meu caminho sem olhar para trás.