Beyond: Capítulo 01 – Além da cortina.

1534

Tradução: Pomba

Revisão: P_


*** Em algum lugar ***
*** Eu ***

Meus olhos se abrem e eu olho o teto da minha caverna por vários longos momentos. As respirações superficiais que fiz congelaram ao contato com a atmosfera gelada e os cristais criados lentamente flutuam.

Eles são lindos e antecipam minha morte. Eu não esperava acordar outra hora depois que eu fui dormir. Isso significa que este mundo me deu outra chance de sobreviver.

Eu me movo e meus ossos rangem quando eu levanto. Como pode ser que eu me sinta tão velho? Ah, mas eu sou velho. Agora eu lembro.

Há muito tempo este mundo era quente e cheio de vida. Então o sol escureceu e o gelo veio. Meu povo se escondeu no fundo da terra. Mas com o tempo o frio nos seguiu até lá. Eu os assisti lentamente perderem os seus vigores.

Alguns foram tomados pelo gelo, mas a maioria definhou no tempo. Não há inimigo maior do que o tempo. A morte pode ser derrotada, mas o tempo continua lentamente passando, independentemente do que você faça. E quando você tenta pará-lo, tudo que você consegue é parar junto com ele.

Eu me levanto do meu lugar de descanso e uma fina camada de geada branca cai dos panos que cobrem meu corpo. Eles são a única coisa que oferece alguma proteção contra o ambiente.

Meus olhos varrem minha pequena caverna pela última vez, mas não há nada que possa ajudar minha sobrevivência. Sem comida e nada que poderia ser queimado. A última reserva de água está congelada e é inútil.

Passos lentos e silenciosos me levaram a uma parede onde uma fissura apareceu. É pequeno, mas eu sinto ar frio passando através dela. É sempre assim. Segue-se assim… até o dia em que você não vai acordar depois de ir dormir.

Eu viro e empurro a pedra grande e redonda para o lado que selou a entrada da caverna. Ela cria algum ruído indesejado, mas não pode ser ajudado. A pedra selou o meu covil contra o mundo exterior.

O corredor na frente da minha caverna é limpo e eu não consigo sentir presenças. Então eu viro e ando pelo caminho que me leva para cima. Para o frio. O desejo de ir mais fundo é forte. Até os últimos remanescentes de calor.

Mas eu sei que lá embaixo há coisas… terrores indescritíveis que são capazes de me matar. E há um certo… fim para esse caminho. Um ponto no qual você não pode ir mais fundo onde o frio acabará por chegar até você.

Então eu escolho fugir e sair por cima. Uma última vez. Eu manco para frente enquanto estou puxando minha perna ruim depois de mim. Ela é inútil desde há muito tempo. Mas eu decidi mantê-la, pensando que pode vir um momento em que eu sinto fome o suficiente para…

Um som me faz parar. Algo está vindo pelo meu caminho. Entrei em uma fenda próxima para me esconder e me concentrar, para regular minha respiração ao mínimo. A entrada para meu falso esconderijo esta nesta parte da caverna exatamente por isso. As paredes estão repletas de fissuras que tornam mais fácil esconder.

Três figuras pálidas passam por mim. Um grupo de caça. Estão em a minha procura por semanas. Eu não sei quando eles apareceram pela primeira vez, mas eles parecem ser versões degeneradas do meu povo. Embora eles tenham se adaptado ao frio.

Eles se foram tão rápido como eles vieram. Mas continuo me escondendo no meu esconderijo. Meus sentidos me dizem que há outro. Um lento. Eu lambo meus lábios e espero. Ele passa e minha mão dispara do meu esconderijo, agarrando o retardatário em sua traqueia e apertando-a.

[Nota P. Os gordinhos sempre sofrem na evolução :’(]

Nem um som escapa enquanto o puxo para dentro das sombras da fenda. Ele luta, mas os membros continuam batendo em volta sem sentido. Meus dedos escavam em sua carne e olhos com um pedaço de inteligência arregalaram para o meu.

Eu vi medo, ódio e loucura neles. Um conjunto de emoções. Eu não me importo com isso como eu dreno a quantidade insignificante de força de vida da coisa. Seus olhos se tornam transparente e eu deixo cair o cadáver no chão.

Com uma parte da minha força restaurada, continuo no meu caminho. No passado eu escondi todos os cadáveres que estavam muito perto da minha caverna, mas eu não pretendo voltar, então não importa agora.

Um pouco adiante eu escolho o caminho da esquerda onde o corredor se divide. A caverna fica mais estreita a partir desse ponto.

Finalmente é apenas um minúsculo poço de mina que leva abruptamente para cima. Eu começo a rastejar e escalar com a prática de muitos anos. A perna ruim e os dois dedos ausentes na minha mão direita estão me impedindo, mas eu aprendi a lidar com isso.

Depois de uma pequena eternidade chego ao meu destino. É uma cúpula plana perto da superfície. O piso é perfeitamente liso e misterioso com pequenas linhas e símbolos. Eles estão cheios do meu sangue congelado.

Eu me abaixo e procuro em todo piso para ver se tem algum dano em meu círculo mágico. Mas não há nenhum. Apenas algumas pedras que caíram do teto. Eles são facilmente removidos e eu me coloco no centro do círculo.

Então eu começo a pensar como ontem e nos dias anteriores… tantos fracassos. Quero escapar deste mundo, que está no fim de sua vida. A vontade de sobreviver levou-me a grandes distâncias.

Eu até tentei-me teletransportar. Embora eu logo tivesse que admitir que não haja nenhum uso em teletransporte se você não sabe aonde você quer ir. Então sobrou a opção de invocar magia. Se as pessoas do meu mundo puderem chamar os servos de algum outro lugar, então pode haver outros lugares aos quais você pode ser convocado.

O truque está em como responder a essa cerimônia de convocação. Ou em interceptar uma. Então eu limpo minha mente e começar a ouvir a melodia que chama seres de longe. Eu estou procurando a mesma música todos os dias. É forte e cheio de vida este local, então eu desejo ir lá.

A magia me convoca do universo quase todos os dias. Mas eu nunca consegui me sincronizar com ela. Hoje é tudo ou nada.

As horas passam e nada acontece. Quando tento me mover percebo que não é possível. Eu alcanço meus pés e percebo que eles estão congelados. O frio reivindicou tudo em um ponto ou outro e eu fiz a minha decisão no caminho que eu vou tomar. Parece que não vou sobreviver.

Então eu fecho meus olhos novamente e escuto enquanto estou vagarosamente adormecido. De alguma forma eu sei que não vou acordar desta vez.

***

Uma batida! Eu sinto! A batida forte da vida está chamando de longe! Eu libero todo a minha mana e derramo no círculo mágico sob meus pés. Com desespero e esperança alcanço a melodia da vida que chama me chama do universo! Embora eu sinta algo a mais respondendo a mesma convocação, eu ainda busco por ela com todas as minhas forças.

E então eu me sinto flutuando! Um corpo velho e enrugado está debaixo de mim, ele afunda e um fôlego final escapa de sua boca. Sou eu? Acabei de morrer?

Não tenho tempo para pensar. Uma força inacreditável me puxa para longe do meu mundo e as estrelas ficam borradas quando passam! Estrelas? Quanto tempo faz desde que eu as vi?

*** Entre mundos ***

*** Eu ***

Eu abro meus olhos e me encontro em uma planície rochosa. Tudo é cinza e branco. É esta a vida após a morte? Então a invocação falhou? Ou outra pessoa conseguiu responder à invocação primeiro?

Minhas velhas mãos enrugadas e meu corpo ainda são os mesmos. Estou mesmo usando os trapos que estava acostumado. Não deixei meu corpo para trás? Ou isso é algum tipo de mundo dos sonhos onde você se parece com a imagem que você tem de si mesmo?

Algo rosna atrás de mim e me viro. E quando me virei vi uma criatura estranha. Era vermelha e tem dois chifres na cabeça. O rosto é uma bagunça violenta e dentes afiados saiam de sua boca. As mãos são muito longas e têm quatro garras de aparência mortal. Uma longa cauda é ondulada atrás dela e suas pernas são dobradas para trás, terminando em patas estranhas. Ele está nu e uma arma inutilmente grande está pendurada entre as pernas.

“Você! Interceptou! Minha! Invocação!”

A coisa gritou para mim. Que pena. Este mutante nem sequer pode falar normalmente.

“Eu não vou! Deixe você roubar! Minha recompensa! De mim! Este mundo! É meu! Para tomar! “

Gritou outra vez e pulou em mim. Tão lento. Talvez eu deva acabar com a dor? Que ponto há na vida se você é tão fraco?

Meu corpo sai do caminho das garras que estavam quase me atingindo. A pobre coisa é simplesmente muito lenta. De volta às profundezas do meu mundo os caçadores eram muito mais rápidos.

Uma das minhas mãos trêmulas se estende para frente e agarra a garra torcendo-a. O dedo se quebra e o pobre monstro uiva. Meu corpo passa pela coisa e eu pego a cauda.

Um rápido empurrão separa a cauda de seu dono enquanto eu chuto a canela do monstro. A coisa cai enquanto continua a uivar.

A cauda arrancada encontra seu caminho em torno do pescoço do pobre mutante e passa em uma extremidade, enquanto eu puxo com a minha mão direita sobre a outra.

“Como? Neste plano! Só existe! A vontade! Do indivíduo! Como você pode! Seja tão forte! “

A coisa continuou a latir coisas sem sentido enquanto eu estava chegando perto e desarmo-o. Um uivo inacreditavelmente alto me faz doer às minhas orelhas, então eu enfio a arma do monstro por sua garganta para calar a boca.

Finalmente, a pobre coisa para de se contorcer. Ele viveu mais tempo do que eu esperava de uma criatura tão deformada. Eu gostaria de ter sido capaz de terminar sua vida miserável de uma maneira menos dolorosa, mas ele me atacou. E eu não gosto de ser atacado.

Então eu sinto-me sendo afastado antes que eu sou capaz de dar uma olhada na coisa. O mundo fica borrado em torno de mim e eu sou puxado para outro lugar longe.